Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Sexta-feira, 13 de novembro de 2015 às 19:14

Renda média dos mais pobres duplica em 10 anos e derruba a desigualdade no Brasil

Brasileiros saem da pobreza

Taxa de extrema pobreza entre os brasileiros caiu de 7,6%, em 2004, para 2,8%, no ano passado, quase um terço do percentual da população que estava nessa faixa de renda em 2004. Foto: Everson Bressan/SMCS

A renda mensal média real dos 10% mais pobres do País quase duplicou em dez anos, com crescimento de 91% entre 2004 e 2014, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad/IBGE). A pesquisa, realizada no ano passado, foi divulgada nesta sexta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com esse resultado, a taxa de extrema pobreza no Brasil caiu de 7,6% da população, em 2004, para 2,8%, no ano passado, quase um terço do percentual da população que estava nessa faixa de renda em 2004, no início do Programa Bolsa Família.

Durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto, a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, comemorou os dados. “Quando a gente olha os 10% mais pobres da população e compara com os 10% mais ricos, vê que esse crescimento foi quase três vezes o dos mais ricos. Mostra um primeiro esforço de olhar para a população mais pobre, que a gente vem fazendo ao longo desses dez anos, e que a Pnad conseguiu captar”.

A ministra chamou a atenção para o fato de que, mesmo em um período de crise internacional, a renda do conjunto da sociedade brasileira manteve uma taxa de crescimento de 2,4% real, portanto acima da inflação. “Em relação ao crescimento do rendimento médio mensal per capita dos domicílios, o avanço no Brasil ficou 2,4% acima da inflação de 2013 a 2014, de acordo com dados já atualizados”.

Tereza Campelo Pnad

Campello: “Pnad mostra que crescimento entre 10% mais pobres foi quase 3 vezes o dos mais ricos. Mostra o esforço de olhar para a população mais pobre, que a gente vem fazendo ao longo desses dez anos”. Foto: Valter Campanato/ABr

Em termos de valores, entre os mais ricos, o ganho médio mensal avançou de R$ 5.514 em 2004 a R$ 7.154 no ano passado. Entre os 10% mais pobres, no mesmo período, a renda média passou de R$ 134 para R$ 256, de acordo com os dados do IBGE. O rendimento médio mensal real de todos os trabalhadores do País foi apurado em R$ 1.774 em 2014, ou seja, valor que é  0,8% superior à média de R$ 1.760 encontrada em 2013.

Coeficiente de Gini
De acordo com Tereza Campello, a melhora da desigualdade no Brasil é visível em todos os tipos de avaliação “Quando a gente olha todas as fontes, o rendimento do trabalho, quando a gente olha a renda por domicílios, que captura melhor a informação da população de baixa renda, e inclusive pelo Coeficiente de Gini”.

O Índice de Gini é um sistema de cálculo usado internacionalmente para medir o grau de concentração de renda em um em determinado grupo. Valores mais altos deste coeficiente indicam maior concentração de renda. Numericamente, varia de zero a um (alguns apresentam de zero a cem), em que o valor zero representa a situação de igualdade, ou seja, todos têm a mesma renda. Já o valor um (ou cem) representa o extremo oposto, isto é, uma só pessoa detém toda a riqueza.

Desta forma, a desigualdade de renda, medida pelo índice de Gini, que era de 0,495 em 2013, passou para 0,490 em 2014, mantendo a tendência observada nos últimos anos. Em uma década, desde 2004, quando esse indicador era de 0,545, a queda registrada foi de 10%.

As regiões Nordeste e Centro-Oeste foram as que mais tiveram redução nesse indicador, passando de 0,501 e 0,487, respectivamente, em 2013, para 4,4% e 3,5% em 2015. Já o Sudeste foi a única região que apresentou elevação no índice de Gini, passando de 0,475 para 0,478, um avanço de 0,7%.

Tereza Campelo acrescentou que o indicador de Gini mostra um avanço menor que a taxa de rendimento real dos domicílios porque captura mais a redução da desigualdade, mas revela o que vem acontecendo com a população de baixa renda e por isso mesmo é tão importante.

“Se a gente olhar a queda do Gini, a redução da desigualdade é consistente, seja quando a gente olha a tendência histórica, quando a gente olha por região. Obviamente que, onde a gente tinha mais desigualdade e renda, ele tem um comportamento muito melhor. E isso também mostra aquilo que eu venho dizendo: a renda de todos vem aumentando, mas a dos mais pobres aumenta mais, e é por isso, que a gente vem conseguindo reduzir a desigualdade de renda no Brasil”.

Imprima:Imprimir

Posts Relacionados

Blogue sobre isso

Achou este artigo interessante?

1) Acesse o seu blog e crie num novo post:

(se você não tem um blog, pode criar o seu, utilizando um destes serviços)

2) Use a URL abaixo para pingback/trackback:

3) Rascunhe aqui seu post.

(depois basta copiar e colar no seu blog)

Respostas em blog

Não existem respostas em blog deste artigo. Quer ser o primeiro a blogar este artigo?

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-