Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Terça-feira, 5 de março de 2013 às 9:20

Nós estamos fazendo tudo para diminuir os efeitos nocivos da seca, afirma Dilma

Em entrevista a rádios da Paraíba nesta terça-feira (5), a presidenta Dilma Rousseff detalhou as ações do governo federal para minimizar os efeitos nocivos da seca no Semiárido Nordestino. Entre as medidas, a presidenta citou a maior operação de carros-pipa da história, a venda de milho a preços subsidiados, a construção e rerforma de poços e cisternas e a prorrogação de benefícios como o Bolsa Estiagem e o seguro Garantia Safra.

“A cisterna é fundamental para combater a seca. Nunca, nenhum governo instalou essa quantidade em um ano. Só na Paraíba vamos instalar mais de 40 mil, e vamos cumprir a nossa meta até 2013, que é de 750 mil. (…) E também estamos recuperando poços. Para essa ação já transferimos mais de R$ 60 milhões. (…) E, para proteger o pequeno produtor rural, criamos o Bolsa Estiagem, que foi prorrogado e agora chega a nove parcelas. Hoje, são 881 mil famílias em todo o Nordeste recebendo o benefício”, explicou Dilma.

A presidenta ainda destacou que todas as medidas emergenciais continuarão a ser prorrogadas, dependendo das condições climáticas. É o caso da venda de milho a preços subsidiados, que já comemrcializou 311 mil toneladas do grão e agora vai até 31 de maio. Dilma também falou da linha de crédito emergencial para evitar que as economias locais ficassem paralisadas pelos efeitos da seca. Foram disponibilizados R$ 2 bilhões para atender não só agricultores, mas também a produção e o comércio.

Outros programas

Segundo a presidenta, outras iniciativas do governo federal como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Bolsa Família também colaboram no combate aos efeitos nocivos da seca. Com o PAA, a comercialização da produção dos pequenos agricultores é parte do Plano Safra da Agricultura Familiar e foi alvo de R$ 1 bilhão em investimentos em 2012. Já a medida dos Plano Brasil Miséria que totalizou a retirada de 22 milhões de brasileiros da pobreza extrema foi adiantada para ajudar no combate aos efeitos da estiagem.

“O PAA compra do agricultor tudo o que ele produziu e coloca no comércio ou pega a população em situação de fragilidade alimentar e dá através da prefeitura. E também usa na alimentação escolar, na merenda. Com isso, a gente garante que ele tenha condições de produzir. No programa, gastamos na compra de alimentos R$ 1 bilhão, e isso faz parte do Plano Safra da Agricultura Familiar, que tem R$ 18 bilhões a cada safra. Também, através dos ministérios do Desenvolvimento Agrário e do Desenvolvimento Social, nós estamos fortalecendo a assistência técnica, com sementes adaptadas ao clima”, afirmou.

Confira a íntegra

[podcast]http://blog.planalto.gov.br/wp-content/uploads/2013/03/prd0622.mp3[/podcast]

Blogue sobre isso

Achou este artigo interessante?

1) Acesse o seu blog e crie num novo post:

(se você não tem um blog, pode criar o seu, utilizando um destes serviços)

2) Use a URL abaixo para pingback/trackback:

3) Rascunhe aqui seu post.

(depois basta copiar e colar no seu blog)

Respostas em blog

Não existem respostas em blog deste artigo. Quer ser o primeiro a blogar este artigo?

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-