Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Quinta-feira, 27 de agosto de 2015 às 16:15

“Esporte ensina lições de superação, luta e respeito”, afirma presidenta a atletas

Ao falar nesta quinta-feira (27) para os atletas que representaram o Brasil nos Jogos Pan-Americanos e Parapan-Americanos Toronto 2015, a presidenta Dilma frisou que o esporte é capaz de ensinar muitas lições, principalmente de superação. “Sempre é comovente a gente ver histórias de superação e todos os atletas têm uma história de superação”, disse, durante cerimônia no Palácio do Planalto que celebrou também os 10 anos do programa Bolsa Atleta.

27082015-_ETO8771-Editar

Para presidenta Dilma, atletas são exemplo de determinação e coragem na superação de limites. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Citando os atletas que deram seu depoimento sobre como o Bolsa Atleta os apoiaram a superar desafios para alcançar resultados, Dilma afirmou que o esporte “mostra também que é possível sofrer derrotas, é possível sofrer dificuldades no caminho, mas que todo atleta levanta e segue frente. Muitas vezes não ganha na primeira, mas ganha na segunda ou terceira. E segue lutando para ganhar e respeita também o resultado do outro atleta que é o vencedor”, disse.

Falando sobre os esportes individuais, a presidenta disse que eles evidenciam a capacidade dos atletas em superar obstáculos, as limitações, e até a lei da gravidade. “Supera todas aquelas limitações que cada um de nós temos, supera os medos e ao mesmo tempo é uma história muito bonita”. Em relação aos esportes coletivos, ela falou sobre o exemplo que dão para que as pessoas lutem juntas, em cooperação.

“Por isso, eu parabenizo toda a delegação. As conquistas de vocês sem dúvida nos inspiram e inspiram todo o Brasil. Esse exemplo de coragem e determinação que vocês dão a nós, esse exemplo de determinação e coragem na superação de seus limites. E aí eu queria destacar os [paratletas]. Eles também demonstram que é possível viver sem limites”, disse. E ressaltou que vê-los brilhando no primeiro lugar tem um simbolismo muito forte para cada brasileiro.

 

Confira a íntegra

Quinta-feira, 27 de agosto de 2015 às 15:55

Dilma: esforço dos atletas garantiu medalhas; orgulho do governo é ter garantido oportunidades

Na comemoração dos dez anos do Programa Bolsa Atleta, a presidenta Dilma Rousseff afirmou, nesta quinta-feira (27), que o Brasil vai continuar investindo, de forma determinada e consistente, no esporte nacional. A presidenta parabenizou o desempenho da delegação brasileira nos Jogos de Toronto, no Canadá, e disse que os bons resultados comprovam o sucesso do programa. Ela recebeu no Palácio do Planalto a delegação de atletas brasileiros que participou dos Jogos Pan-Americanos e Parapan-Americanos.

27082015-_T3A2291-Editar

Presidenta Dilma recebeu delegação brasileira que participou dos Jogos de Toronto 2015. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

Dilma destacou que um grande orgulho foi saber que 78% dos competidores que defenderam o Brasil no Canadá são bolsistas do programa, e salientou o mérito pessoal dos atletas.

“Foi o esforço de vocês que garantiu a medalha. Foi o apoio das famílias de vocês. Certamente tem muitas mães dando apoio, dando estímulo e falando ‘vai que você consegue’. Porque mãe faz isso. Muitos pais também dando apoio. Sem sombra de dúvida é uma vitória que vocês conquistam. O que é o orgulho do governo? É ter garantido a oportunidade, é ter dado a oportunidade. Nós não damos vitória, nós só damos oportunidades. Quem dá a vitória são vocês mesmos, quem conquista a vitória. Daí porque eu fiquei muito feliz que os 78% recebam Bolsa Atleta.”

O Bolsa Atleta, criado em 2005, é o maior programa de patrocínio individual de atletas no mundo. Beneficia atletas de alto rendimento que obtêm bons resultados em competições nacionais e internacionais e garante condições mínimas para que se dediquem, com exclusividade e tranquilidade, ao treinamento e às competições.

“Ao completar a primeira década de vida, o Bolsa Atleta, que foi objeto de muitas dúvidas, muitos falavam que o programa não ia dar certo, a gente vê que no teste de escala o programa passou. Porque nós concedemos agora em 2015, 6.093 bolsas e em 2005 eram 975. Vejam que a escala foi crescendo, até que chegamos a 43 mil bolsas nesses 10 anos. E garantimos também que essas bolsas tivessem continuidade ao longo dos 10 anos”, avaliou a presidenta.

Também destacou que é fundamental apoiar o esporte porque ele também é pré-condição para uma boa educação. “Esporte não é algo restrito a si mesmo. Esporte assegura não só muito mais capacidade de aprendizagem em todas áreas, mas também integra a cultura de um país”, disse.

Legado
Com o ânimo dos resultados dos jogos de Toronto, a presidenta disse que o País agora trabalha para assegurar o maior legado do investimento que tem feito nos atletas. “Trabalhamos para assegurar que o maior legado de nossa Olimpíada e Paralimpíada Rio 2016 seja o legado dessa formação de atletas de alto rendimento e de massificação do atletismo e de todos os demais esportes”.

Dilma destacou também que o investimento em infraestrutura também faz parte deste legado. São 16 centros de treinamento olímpico que foram instalados em todo o País, capazes de atender desde as categorias de base até as equipes de alto rendimento. “Essa infraestrutura espalhada por todas as regiões do Brasil vai nos permitir disseminar a cultura esportiva entre as crianças e jovens”.

Confira a íntegra

Quarta-feira, 5 de agosto de 2015 às 19:30

Jogos de 2016 serão de todo o povo brasileiro, afirma ministro do Esporte

seloA um ano do início da maior competição esportiva do planeta, que será sediada no Brasil no ano que vem, o ministro do esporte, George Hilton, enfatizou em entrevista ao Blog do Planalto, que o legado dos Jogos Olímpicos não será apenas para a cidade do Rio de Janeiro, mas para todo o País. A avaliação foi feita, na tarde desta quarta-feira (5), antes da cerimônia que marcou a contagem de um ano para o início dos Jogos Olímpicos do Rio. Para Hilton, as Olimpíadas de 2016 serão os jogos de todo o povo brasileiro.

“O legado não é apenas para a cidade do Rio do Janeiro. Claro que ela será a grande beneficiada, por todas as estruturas esportivas, por todo esse legado material que são as obras de infraestrutura de mobilidade, a revitalização do Porto Maravilha. Mas o Brasil está ganhando e é importante a gente salientar que essa Olimpíada, apesar de ser na cidade do Rio de Janeiro, é uma Olimpíada do povo brasileiro. Todo o País está vivendo esse clima”, afirmou.

Neste sentido, Hilton citou os centros de treinamento que estão sendo entregues pelo governo federal em todo o Brasil para superar as deficiências de infraestrutura que o País ainda possui, como o Centro Olímpico do Nordeste em Fortaleza, o parque paraolímpico de São Paulo e as pistas profissionais de atletismo de São Luís do Maranhão e de Porto Alegre (RS).

Nós temos estabelecido também a entrega de outras estruturas que ficarão como legado em todo o País. Uma ação bem coordenada do governo federal para que a partir desse evento o Brasil comece a ter uma rede nacional para os atletas de alto rendimento, mas também para a população brasileira”, disse.

E acrescentou que, além de realizar investimentos sólidos no esporte de alto rendimento, o Brasil tem demonstrado para o mundo, desde o Pan-Americano de 2007, sua capacidade para receber grandes eventos esportivos.

Houve uma evolução extraordinária a partir desses eventos [Pan-Americano, Copa do Mundo, Jogos Mundiais Militares] houve investimentos muito sólidos no esporte de alto rendimento. Os atletas tiveram, a partir de 2007 nos Jogos Pan-americanos, toda a estrutura para os treinamentos, para a sua evolução e capacitação. Eu vejo que o Brasil, além de estar preparado para grandes eventos mundiais, começa a ter uma cultura da prática esportiva. E isso, certamente, vai levar o Brasil a continuar sendo um celeiro de grandes atletas”, afirmou.

Quarta-feira, 5 de agosto de 2015 às 17:30

Medalhista olímpico se diz impressionado com as obras dos Jogos de 2016

O medalhista de ouro Lars Sigurd Bjorkstrom, o primeiro atleta a conquistar essa honraria para o iatismo brasileiro, se disse, nesta quarta-feira (5), bastante impressionado com o bom andamento das obras para as Olimpíadas 2016. “Hoje fomos testemunhas do progresso das obras. Eu realmente fiquei muito bem impressionado. Tenho certeza de que vai estar tudo pronto. Acho que vai ser uma festa fantástica e todos os que vierem para cá não vão esquecer nunca [dos jogos]”, afirmou ele, durante o evento que marcou o início da contagem regressiva de um ano para os jogos, com a presença da presidenta Dilma Rousseff.

Comparando a emoção vivida hoje com a da conquista da medalha de ouro em Moscou, no ano de 1980, Lars disse que nestes 35 anos que se passaram houve vários momentos de grande emoção, mas esse de hoje é muito especial.

“Claro que, na hora em que a gente participou, o Brasil nunca tinha ganhado uma medalha de ouro em 24 anos e foi realmente uma coisa fantástica. Inclusive porque o Brasil ganhou duas medalhas de ouro, ambas em iatismo. Sentimos que, a partir daí, o iatismo no Brasil realmente deslanchou e hoje o Brasil é uma potência mundial nesta modalidade. Temos dois iatistas que estão entre os mais condecorados do mundo”, afirmou.

Quarta-feira, 5 de agosto de 2015 às 15:42

Jogos de 2016 serão de transformação social para o Rio, afirma presidente da Empresa Olímpica

seloNinguém tem dúvidas de que o Rio de Janeiro é uma das cidades mais bonitas do mundo. Mas, além da beleza, os representantes da cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 querem deixar nos visitantes uma impressão ainda melhor do que os seus atrativos naturais e turísticos.

O presidente da Empresa Olímpica Municipal (EOM), Joaquim Monteiro de Carvalho, garante que os Jogos Rio 2016 vão promover uma transformação social na cidade. “Estamos usando o argumento olímpico para transformar a cidade. O que estamos fazendo não vai durar apenas durante os dias de competições e nem vai beneficiar apenas atletas e turistas”, ressalta.

Um dos exemplos nesse aspecto são os investimentos em mobilidade urbana, afirma Joaquim. “Estamos mudando a maneira do carioca ir e vir”, assegura. Segundo ele, antes do início das obras, menos de 20% da população utilizava transporte público de massa. Ao final dos Jogos, em 2016, a estimativa é ampliar esse percentual para mais de 60%. Para isso, serão concluídas as obras da Transolímpica para se juntar à Transoeste e Transcarioca e formar um grande corredor de BRT na cidade. Além disso, também deverá ser concluída a linha 4 do metrô, ampliando a rede para atender uma média de 300 mil passageiros/dia.

O orçamento do Comitê Rio 2016 é de R$ 7 bilhões, exclusivamente com verbas privadas, originárias de patrocínio, venda de ingressos, produtos licenciados e direitos de transmissão de TV. Além disso, R$ 6,6 bilhões serão investimentos da matriz de responsabilidade dos governos, com recursos públicos e privados. Para as obras de legado serão destinados R$ 24 bilhões, com investimentos públicos e privados para transformação da cidade, como metrô, BRTs, etc.

Para que esses projetos se concretizem, o presidente da EOM destaca a importância da parceria entre os governos, que tem dado demonstrações de preocupação com o gasto racional dos recursos públicos.  “Você não consegue fazer um evento como uma Olimpíada sem um alinhamento sólido entre o governo municipal, estadual e o federal.” E nesse sentido, destaca o apoio, cada vez mais ativo, que o governo federal tem dado à organização e às obras para os jogos.

A maior parte dos recursos para a construção dos dois principais complexos esportivos para as Olimpíadas: o Parque Olímpico – considerado o coração dos jogos e que já está com 82% de suas obras concluídas, e o Complexo Esportivo de Deodoro – são provenientes do governo federal.

No entanto, Joaquim Carvalho faz questão de destacar o compromisso que os governos envolvidos têm dispensado para a aplicação racional dos recursos públicos e para que as Olimpíadas do ano que vem sejam condizentes com a realidade brasileira.

Quase 60% do orçamento para os Jogos vem da iniciativa privada. Usamos o modelo das Parcerias-Público-Privadas (PPPs) para garantir a infraestrutura necessária para a realização dos Jogos e o Rio está inovando nessa organização. Serão Jogos adequados à realidade brasileira, que terão uso racional dos recursos públicos e com obras que não se tornarão elefantes brancos”, afirma.

Quarta-feira, 5 de agosto de 2015 às 8:00

Celebração de um ano para os Jogos Olímpicos

Agenda presidencialNesta quarta-feira (5), a presidenta Dilma Rousseff vai ao Rio de Janeiro participar da cerimônia de celebração de um ano para o início dos Jogos Olímpicos do Rio.  A solenidade está prevista para as 17h. Antes disso, a presidenta se reúne, às 16h15, com o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach.

*Agenda sujeita a alterações ao longo do dia. Para atualizações, acesse o Portal Planalto.

Sábado, 4 de julho de 2015 às 15:00

Semana do Planalto: Visita aos Estados Unidos e apresentação da tocha olímpica

Sexta-feira, 3 de julho de 2015 às 8:00

Lançamento da rota de revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016

Agenda presidencial

Nesta sexta-feira (3), a presidenta Dilma Rousseff participa da cerimônia de lançamento da Rota de Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016. O evento será realizado no auditório da Fundação Habitacional do Exército, em Brasília (DF).

 

Terça-feira, 30 de junho de 2015 às 18:16

Consideramos o Brasil uma potência global, afirma Obama em encontro com Dilma

Brasil-EUA-2015

O presidente americano Barack Obama declarou que o Brasil é visto pelos Estados Unidos como uma potência global, e não regional. A afirmação foi feita após reunião de trabalho com a presidenta Dilma Rousseff, nesta terça-feira (30), em Washington (EUA).

“Nós encaramos o Brasil como um poder mundial, e não regional. Em termos de fórum econômico para coordenar relações e negociações, como o G20, por exemplo, o Brasil tem uma voz muito forte. A questão da mudança do clima, por exemplo, só pode ser bem sucedida com a liderança brasileira. E isso é indicação da liderança mundial do Brasil”, afirmou Obama.

30062015-_TUK1481-Editar

“Estamos anunciando uma série de novas etapas para melhorar o comércio, investimentos e empregos em nossos países”, disse Obama após encontro com Dilma. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

O presidente americano conta com a parceria entre os dois países para reaproximar mais ainda os Estados Unidos da América Latina. “O Brasil e os Estados Unidos trabalham juntos, como parceiros, em pé de igualdade, com base no interesse e respeito mútuos. Como vimos na Cúpula das Américas, os Estados Unidos estão envolvidos mais profundamente na América Latina. Nós estamos concentrados no futuro e no que podemos fazer juntos. E a pedra fundamental do nosso envolvimento na região é a nossa forte parceria com o Brasil”, declarou.

Obama disse ainda que os dois países têm uma “parceria natural” e, como duas das maiores democracias do mundo, defendem “as aspirações dos cidadãos de viver em liberdade”. Sobre a luta pela liberdade, ele citou a experiência da presidenta Dilma, a quem chamou de “parceira” e “amiga”. “Os sacrifícios pessoais que você fez na sua própria vida são testemunhos dessa determinação”.

O presidente americano afirmou que, apesar da forte parceria, muito ainda pode ser feito para o bem dos dois países, e agradeceu a Dilma pelo progresso na relação entre eles.“A presidente e eu achamos que há muito mais que podemos fazer juntos. Dilma, agradeço seu compromisso pessoal de dar o próximo passo em nossa parceria. Por isso, trabalhamos nesse sentido. Estamos anunciando série de novas etapas para melhorar o comércio, investimentos e empregos em nossos países”, disse.

Obama disse que a recepção a Dilma era uma nova oportunidade de reciprocidade da “hospitalidade extraordinária” que ele e sua família receberam de Dilma e dos brasileiros quando visitaram o Brasil, em 2011.

O presidente americano disse que quer voltar ao Brasil e disse que gostaria de conhecer o carnaval. Brincando, aparentou frustração por não ter podido estar na Copa do Mundo – à qual compareceu o vice, Joe Biden. Obama disse que no ano que vem os olhos do mundo estarão com as atenções voltadas ao Brasil novamente, quando o país sediar as Olimpíadas, e disse que é um “lembrete do crescimento notável do Brasil interna e externamente“.

Domingo, 28 de junho de 2015 às 11:19

Semana do Planalto: Plano Safra da Agricultura Familiar, Dia Olímpico e Plano de Exportações

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-