Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Sexta-feira, 16 de janeiro de 2015 às 10:00

Aeroportos do Rio de Janeiro se preparam para os Jogos Olímpicos

Do Portal Brasil 2016

Para receber os 380 mil estrangeiros esperados para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio2016, além dos turistas brasileiros que se deslocarão até o Rio de Janeiro, os aeroportos da cidade receberão melhorias de infraestrutura e operação. O Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) será reformado e ampliado, enquanto o Santos Dumont receberá melhorias na operação e conforto.

Até 2016, concessionária responsável pelo Galeão investirá R$ 2 bilhões em reforma e ampliação. Foto: Divulgação/Rio Galeão

Até 2016, concessionária responsável pelo Galeão investirá R$ 2 bilhões em reforma e ampliação. Foto: Divulgação/Rio Galeão

O investimento em infraestrutura e melhoria de serviços no Galeão é de R$ 2 bilhões até os Jogos, de acordo com informações do Rio Galeão, consórcio responsável pela operação, manutenção e ampliação do local ao longo de 25 anos. O objetivo é que, até as Olimpíadas, o Galeão opere com capacidade de 37,5 milhões de passageiros por ano. Atualmente, são 17, 3 milhões anuais.

Até abril de 2016, deve ser construído um novo píer ligado ao Terminal 2, com 26 novas pontes de embarque e 500 mil metros quadrados dedicados ao estacionamento de aeronaves, com 47 novas posições. Ao fim dos trabalhos, o aeroporto terá 64 pontes de embarque e 97 posições de estacionamento de aviões. Além disso, serão acrescidos 68 balcões de check-in aos atuais 227.

Outra mudança será no estacionamento: haverá quatro novos andares no edifício-garagem, com 2.700 vagas adicionais. Hoje, são 4.284. Todas estarão conectadas a um sistema de localização de vagas. Câmeras de segurança serão instaladas nos dois terminais e será criado um centro de comando e monitoramento.

Melhorias implantadas
A área comercial do aeroporto já sofreu modificações: desde agosto de 2014 foram abertos 30 novos estabelecimentos, e outros serão instalados no início de 2015. De agosto a outubro de 2014, quando o consórcio passou pela operação de transição com o apoio da Infraero, outras ações também já haviam sido implementadas, como a oferta de internet rápida nos terminais, o início da modernização dos estacionamentos – com a instalação de cancelas automáticas e câmeras de segurança –, a substituição de telhas e calhas para conter infiltrações e vazamentos, além da ampliação da infraestrutura migratória do aeroporto, com melhorias na rede e equipamentos de Tecnologia da Informação (TI).

“Sabemos que o desafio é grande, mas estamos otimistas de que cumpriremos todas as nossas metas. Um aeroporto representa a porta de entrada de uma cidade. O Rio de Janeiro é mundialmente conhecido e merece um aeroporto à altura, por isso, trabalhamos para oferecer o melhor aos milhares de visitantes e aos próprios cariocas”, disse Luiz Rocha, presidente do consórcio Rio Galeão.

Santos Dumont
O Aeroporto Santos Dumont, com capacidade para 9,9 milhões de passageiros por ano, também passa por intervenções para a melhoria das operações e aumento do conforto. Cinco ações estão em curso, sob responsabilidade da Infraero, com investimentos de R$ 51,09 milhões.

As obras no pátio de aeronaves têm o objetivo de adequar a área de manobras às características das aeronaves que operam atualmente no aeroporto. Para não interferir nas operações, os trabalhos foram divididos em dez fases. Quatro já foram executadas. O investimento é de R$ 36,19 milhões e a previsão do fim dos trabalhos é para julho de 2015.

A obra de conclusão do 2º pavimento de embarque ocorre desde outubro do ano passado, com investimento de R$ 9,6 milhões. Os serviços incluem a instalação de piso em granito, acabamento, forro, instalações hidrossanitárias, elétricas, eletrônicas e de ar condicionado. Com isso, a praça de alimentação do aeroporto terá 12 novos pontos comerciais.

Outras três intervenções pretendem aprimorar o sistema de refrigeração do terminal de passageiros, com investimento de R$ 5,3 milhões. A reforma das torres de resfriamento foi finalizada. A ampliação da capacidade do sistema, com instalação de mais uma unidade de resfriamento, está em fase de conclusão. Por fim, películas protetoras estão sendo aplicadas para reduzir o calor nos ambientes, com transparência e baixa refletividade. Os trabalhos estão 85% concluídos.

Quinta-feira, 15 de janeiro de 2015 às 19:27

Rio 2016 apresenta programa para venda de 7,5 milhões de ingressos

Do Portal Rio2016

O Comitê Rio 2016 apresentou nesta quinta-feira (15) o seu Programa de Ingressos para os Jogos Olímpicos, com o lançamento do portal de vendas e a divulgação das regras para compra, formas de pagamento e meia-entrada, disponíveis em www.rio2016.com/ingressos. Serão vendidos 7,5 milhões de ingressos – sendo R$ 3,8 milhões por até R$ 70. Confira os preços.

Torcedores podem se cadastrar a partir de hoje. São 3,8 milhões de entradas por até R$ 70. Foto:Foto: Getty Images/Quinn Rooney

Torcedores podem se cadastrar a partir de hoje. São 3,8 milhões de entradas por até R$ 70. Foto:Foto: Getty Images/Quinn Rooney

No Brasil, a compra de ingressos será dividida em quatro etapas. A primeira fase, que começa agora, é o cadastramento. Ao se cadastrar, você receberá informações sobre o programa – como os horários das competições – e alertas para não perder nenhuma fase do processo de compra.

“Teremos um processo justo e transparente, alinhado com o conceito de ‘Jogos para Todos’, um dos pilares do Comitê Rio 2016”, afirma Renato Ciuchini, diretor executivo Comercial do Comitê Rio 2016.

A solicitação de ingressos deverá ser feita em março, quando tem início a primeira fase do sorteio. A segunda etapa acontece em julho, quando apenas os torcedores que se inscreveram na primeira fase poderão participar. A partir de outubro, tem início a venda online das entradas que restarem. Já a venda em bilheteria acontece a partir de junho de 2016.

Com tantas atrações, é preciso se organizar para não perder o melhor do evento”, destaca Donovan Ferreti, diretor de Ticketing do Comitê Rio 2016.

Para as pessoas que não residem no Brasil, a compra dos ingressos deverá ser efetuada por meio do revendedor autorizado em seu país de residência. A lista dos revendedores estará disponível em março.

Já as informações sobre o Programa de Ingressos para os Jogos Paralímpicos serão anunciadas no primeiro semestre deste ano.

Segunda-feira, 29 de dezembro de 2014 às 16:43

Julho: Terceira Etapa do Minha Casa Minha Vida, Final da Copa do Mundo e Cúpula do Brics

Especial Retrospectiva 2014

A presidenta Dilma Rousseff iniciou o mês de julho inaugurando uma importante obra de mobilidade para o Rio de Janeiro: o Arco Metropolitano, rodovia de ligação entre Itaboraí e Itaguaí, num percurso de 145 quilômetros, e que vai se conectar com todas as rodovias federais em território fluminense, integrando ainda os municípios de Nova Iguaçu, Paracambi, Duque de Caxias, Seropédica e Japeri.

No mesmo dia, foi celebrado o atingimento da marca recorde de produção de barris de petróleo no pré-sal. A Petrobras registrou produção diária de 500 mil barris de petróleo nas Bacias de Santos e de Campos.

A presidenta também participou do lançamento do Programa Brasil de Todas as Telas, iniciativa do governo federal para fomentar a produção audiovisual no país. O evento contou com a participação de atores, produtores e empresários do setor.

No Espírito Santo, Dilma participou da entrega de moradias do Minha Casa Minha Vida e de formatura de alunos do Pronatec. Além disso, ela também anunciou recursos do PAC para obras de mobilidade urbana, drenagem e contenção de encostas.

retro.julBLOG

Falando em Minha Casa Minha Vida, durante a entrega simultânea de 5.460 unidades habitacionais, a presidenta fez um importante anúncio sobre a continuidade do maior programa de moradia popular do país: novas três milhões de casas serão construídas nos próximos anos, destinadas às famílias de baixa renda. “Nosso objetivo é deixar claro que é possível contratar agora três milhões de moradias. Porque aquilo que está dando certo deve ter continuidade. As famílias de menor renda precisam continuar recebendo subsídio quase integral, tal como fizemos até agora. E nós precisamos sinalizar para os empresários se prepararem com terrenos, discutir com prefeitos para que isso ocorra a partir de 2015”, salientou.

Durante visita a Porto Alegre, a presidenta inaugurou as novas instalações do Hospital Restinga e Extremo-Sul. Ainda na capital gaúcha, Dilma anunciou a ajuda do governo federal para a reconstrução de áreas afetadas pelas enchentes no estado.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, veio a Brasília e se reuniu com a presidenta Dilma para tratar da organização para os Jogos Olímpicos Rio 2016.

Mesmo com a desclassificação da Seleção Brasileira, a presidenta Dilma recebeu autoridades e chefes de Estado para a partida final da Copa do Mundo, realizada no Maracanã. Antes da disputa, a presidenta saudou a Rússia, que será anfitriã do próximo mundial, em 2018, e fez um convite para que todos retornem ao Brasil para as Olimpíadas e Paraolimpíadas, em 2016. O presidente Russo Vladimir Putin esteve em Brasília e foi recebido com honras de chefe de Estado. Após o encontro, a presidenta falou das parcerias que vão além de acordos comerciais, mas também nas áreas de energia, defesa, infraestrutura, ciência e tecnologia.

No dia seguinte à partida de encerramento, a presidenta fez um balanço positivo de toda a organização do Brasil para receber o maior evento do futebol mundial. Durante a cerimônia, a presidenta Dilma Rousseff agradeceu aos envolvidos na organização da Copa do Mundo 2014 e considerou que o povo mostrou sua capacidade de bem receber. “Mais uma vez, o povo brasileiro revelou toda a sua capacidade de bem receber. (…) os torcedores e todos os amantes do futebol, asseguraram uma festa que eu tenho certeza é, sem dúvida, uma das mais bonitas do mundo”, afirmou.

O mês de julho também foi intenso na área das relações internacionais. A presidenta recebeu em Brasília o presidente russo Vladimir Putin; foi a anfitriã da VI Cúpula do Brics, quando foi anunciada a criação do banco de desenvolvimento do bloco e do fundo de reservas; assinou acordos bilaterais com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi; recebeu líderes da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), encontrou o presidente da República Popular da China, Xi Jinping, com quem assinou acordos comerciais e realizou a reunião empresarial entre os dois países, que contou também com a participação de líderes da América Latina. A presidenta também teve encontro com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

Dilma Rousseff foi a Uruguaiana para verificar a situação dos municípios atingidos por enchentes na região e confirmou repasse de R$ 54 milhões do governo federal para socorrer as localidades na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul.

Os representantes do Bom Senso Futebol Clube voltaram ao Palácio do Planalto para conversar com a presidenta sobre os rumos do esporte no Brasil.

Também em julho, a presidenta sancionou a lei 13.018/2014, que estabelece a Política Nacional de Cultura Viva. A lei tem como principal objetivo ampliar o acesso da população brasileira aos direitos culturais.

Dilma foi a Recife prestar homenagens ao escritor Ariano Suassuna. A presidenta divulgou nota de pesar pela morte de Suassuna.

Em Caracas, na Venezuela, a presidenta participou da 46a Reunião de Cúpula do Mercosul e defendeu o fortalecimento dos mercados internos dos membros do Mercosul e a importância da integração dos países sul-americanos. “O Brasil aposta e todos os demais parceiros do Mercosul apostamos na ampliação das trocas econômicas e comerciais. E aí, é muito importante a economia boliviana e as demais economias da América do Sul. Devemos buscar a implementação da desgravação tarifária, o que vai permitir que nós criemos zona de livre comércio sul-americana”, disse na ocasião.

A presidenta fechou o mês sancionando a lei do Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, que trata do regime de parcerias das Organizações da Sociedade Civil com o Estado.

Confira a série de matérias da Retrospectiva 2014 no Blog do Planalto.

 

Domingo, 28 de dezembro de 2014 às 10:10

Veja a situação atual das obras do Parque Olímpico Jogos Rio 2016

Domingo, 28 de dezembro de 2014 às 10:00

Conheça a situação das obras do Parque Olímpico, o coração dos Jogos Rio 2016

O Parque Olímpico é o coração dos Jogos Rio 2016. Ocupa uma área de 1,18 milhão de metros quadrados, onde ocorrerão disputas de 16 modalidades olímpicas (basquete, ciclismo de pista, ginástica artística, ginástica de trampolim, ginástica rítmica, handebol, judô, luta greco-romana, luta livre, nado sincronizado, natação, polo aquático, saltos ornamentais, taekwondo, esgrima e tênis) e nove paralímpicas (basquete em cadeira de rodas, bocha, ciclismo, futebol de 5, golbol, judô, natação, rúgbi em cadeira de rodas e tênis em cadeira de rodas).

Em destaque, a Arena do Futuro, no Parque Olímpico, palco das disputas de Handebol e golbol. Acima, as Arenas Cariocas (à esquerda), que receberão 10 modalidades, e o Centro Internacional de Transmissão (IBC). Foto: EOM divulgação.

Em destaque, a Arena do Futuro, no Parque Olímpico, palco das disputas de Handebol e golbol. Acima, as Arenas Cariocas (à esquerda), que receberão 10 modalidades, e o Centro Internacional de Transmissão (IBC). Foto: EOM divulgação.

Atendido por duas das novas linhas de BRT, a Transolímpica e a Transcarioca, o Parque Olímpico também será o local do principal legado esportivo dos Jogos Rio 2016: o Centro Olímpico de Treinamento (COT), voltado para atletas de alto rendimento.

Para a construção do Parque Olímpico foram feitas duas parcerias. Uma Parceria Público-Privada (PPP), entre a Prefeitura do Rio de Janeiro e o consórcio Rio Mais, permite a construção e manutenção (por 15 anos) da infraestrutura do Parque Olímpico, além das Arenas Cariocas 1, 2, e 3, do Centro Principal de Mídia (MPC), do Centro Internacional de Transmissão (IBC), do hotel e da infraestrutura da Vila dos Atletas (que também está sendo erguida na Barra).

Para viabilizar a construção das demais instalações — Estádio Aquático, Centro de Tênis, Velódromo e Arena do Futuro —, a Prefeitura assinou acordo de cooperação técnica com o Governo Federal. A União aporta os recursos e a Prefeitura, através da RioUrbe e da Empresa Olímpica Municipal, é responsável pela execução das obras. Confira ponto a ponto como andam as obras do Parque Olímpico.

Infraestrutura
Situação atual: O trabalho nas redes subterrâneas chegou a 70% de conclusão. Foram colocados 10,5 km de redes de drenagem (extensão equivalente a 3,5 vezes a praia de Ipanema), 5,3 km de redes de esgoto, 8,3 km de redes de água, 5 km de redes de incêndio, 5 km de rede de iluminação, 9,9 km de rede de média tensão e 21,9 km de redes de telecomunicações. Estão em andamento as obras dos estacionamentos, da Via Olímpica, dos terraços para espectadores e a recuperação das margens da lagoa.

Arenas Cariocas 1, 2 e 3
Situação atual: Fase final de montagem das estruturas de concreto pré-moldado e da cobertura. Nos pavilhões 2 e 3, as áreas de competição estão prontas e no pavilhão 1, em andamento. Na Arena Carioca 3, a cobertura já começou a ser colocada. O trabalho de montagem da estrutura metálica começou no solo, com a formação de módulos que começaram a ser içados com uso de guindastes. Os serviços de alvenaria e instalações estão em andamento nos três pavilhões.
Conclusão: Terceiro trimestre de 2015

Arena Carioca 1
Capacidade: 16.000 lugares
Modalidades: Basquete, basquete em cadeira de rodas e rúgbi em cadeira de rodas
Eventos-teste: Janeiro de 2016 (basquete e rúgbi em cadeira de rodas)

Arena Carioca 2
Capacidade: 10.000 lugares
Modalidades: Judô, luta greco-romana, luta livre e bocha paralímpica
Eventos-teste: Janeiro de 2016 (judô, taekwondo e luta livre)

Arena Carioca 3
Capacidade: 10.000 lugares
Modalidades: Esgrima, taekwondo e judô paralímpico
Eventos-teste: Abril de 2016 (levantamento de peso e esgrima)

Centro de Tênis
Situação atual: As fundações foram concluídas. A primeira etapa da montagem da estrutura de concreto pré-moldado das arquibancadas da arena principal está praticamente concluída. Os serviços de alvenaria e armação do fosso dos fotógrafos da arena principal foi iniciada. Nas quadras de 5 mil e 3 mil lugares, as lajes das arquibancadas temporárias estão em fase final de construção. A execução da base dos pisos das áreas de competição e as redes de infraestrutura estão em andamento.
Conclusão: Quarto trimestre de 2015
Capacidade: 19.750 lugares
Quadra principal: 10.000 lugares
Quadra 2: 5.000 lugares
Quadra 3: 3.000 lugares
Treze quadras de treino e aquecimento: 250 lugares cada
Modalidades: Tênis, tênis em cadeira de rodas e futebol de 5
Evento-teste: Dezembro de 2015 (tênis)

Velódromo
Situação atual: As obras de fundação estão em fase final. A montagem da estrutura de concreto pré-moldado está em andamento e já foram colocados os primeiros pilares.
Conclusão: Quarto trimestre de 2015
Capacidade: 5.000 lugares
Modalidades: Ciclismo (pista) e paraciclismo de pista
Evento-teste: Março de 2016 (ciclismo pista)

Arena do Futuro
Situação atual: As fundações e a montagem da estrutura metálica (pilares principais, vigas principais da cobertura e treliças) foram concluídas. Estão em andamento a montagem das telhas da cobertura, da estrutura metálica da arquibancada, da estrutura do fechamento lateral, a colocação das lajes pré-moldadas, a concretagem da laje de piso da arena e a execução das redes internas de infraestrutura.
Conclusão: Quarto trimestre de 2015
Capacidade: 12.000 lugares
Modalidades: Handebol e golbol
Eventos-teste: Abril (handebol) e maio (golbol) de 2016

Estádio Aquático
Situação atual: As fundações estão na fase final. Estão em andamento a concretagem da laje de piso; a montagem da estrutura metálica da arquibancada e a cobertura da piscina principal; e os serviços de instalação e alvenaria.
Conclusão: Primeiro trimestre de 2016
Capacidade: 18.000 lugares
Modalidades: Natação, polo aquático e natação paralímpica
Evento-teste: Maio de 2016 (natação olímpica e paralímpica)

Parque Aquático Maria Lenk
Situação atual: A instalação está pronta e precisa apenas de adaptações, como a construção de uma nova piscina de aquecimento. As obras vão começar no primeiro trimestre de 2015.
Conclusão: Primeiro trimestre de 2016
Capacidade: 5.000 lugares
Modalidades: Saltos ornamentais e nado sincronizado
Evento-teste: Fevereiro (saltos ornamentais) e março (nado sincronizado) de 2016

Arena Rio
Situação atual: A instalação está pronta e precisa apenas de adaptações, que vão começar no primeiro trimestre de 2015.
Conclusão: Quarto trimestre de 2015
Capacidade: 12.000 lugares
Modalidades: Ginástica artística, ginástica de trampolim, ginástica rítmica e basquete em cadeira de rodas
Evento-teste: Abril de 2016 (ginástica artística)

Centro Internacional de Transmissão (IBC)
Situação atual: A montagem da estrutura metálica do prédio e concretagem das lajes estão na fase final. Estão em andamento a montagem da cobertura (telhas) e a construção dos reservatórios, sanitários, instalações, escadas metálicas internas e paredes internas. Galerias técnicas estão sendo montadas nas fachadas leste e oeste.
Conclusão: Terceiro trimestre de 2015

Centro Principal de Mídia (MPC)
Situação atual: As obras de fundações, contenções e concretagem do segundo pavimento foram finalizadas. Estão em andamento as estruturas de concreto (pilares, vigas e lajes) dos níveis subsolo, térreo e mezanino; a concretagem do terceiro pavimento da torre sul; e a montagem da fachada de vidro.
Conclusão: Quarto trimestre de 2015

Hotel
Situação atual: As obras de fundações e contenções estão finalizadas. Estão em andamento as estruturas de concreto dos núcleos de elevadores e escadas, e a montagem da estrutura metálica do prédio.
Conclusão: Segundo trimestre de 2016

Fonte: Portal Brasil 2016.

Segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 às 14:10

Conheça os mascotes olímpicos Rio 2016

Segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 às 14:00

Mascotes olímpico e paralímpico já têm identidade: Vinicius e Tom

Vinícius na Olimpíada. Tom na Paralimpíada. Esses são os nomes dos mascotes dos Jogos, escolhidos em eleição popular. Vinicius e Tom tiveram 44% dos 323.327 votos dos internautas computados nas últimas três semanas. Os outros dois pares de nomes que estavam na disputa eram “Oba e Eba” e “Tiba Tuque e Esquindim”.

“A escolha dos nomes Vinícius e Tom emprega ainda mais brasilidade aos mascotes, que são embaixadores dos Jogos", afirmou Beth Lula, diretora de Marca do Comitê Rio 2016. Foto: divulgação Ministério do Esporte

“A escolha dos nomes Vinícius e Tom emprega ainda mais brasilidade aos mascotes, que são embaixadores dos Jogos”, afirmou Beth Lula, diretora de Marca do Comitê Rio 2016. Foto: divulgação/Brasil 2016.

Vinícius e Tom foram expoentes da Bossa Nova, movimento que ajudou a tornar conhecidas as belezas do Rio de Janeiro, e são autores de Garota de Ipanema, uma das canções mais tocadas do mundo.

“Vinícius e Tom são nomes reconhecidos pelo mundo como sinônimo de excelência, bem de acordo com a marca que queremos deixar com os Jogos Rio 2016. Além de representar a fauna e flora brasileiras, nossos mascotes agora também se conectam com o melhor da nossa música”, diz Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Organizador Rio 2016.

Vinicius e Tom (r)

“A escolha dos nomes Vinícius e Tom emprega ainda mais brasilidade aos mascotes, que são embaixadores dos Jogos. Eles têm o papel de disseminar as mensagens do evento e os valores dos movimentos Olímpico e Paralímpico aos diversos públicos, especialmente o infanto-juvenil”, afirma Beth Lula, diretora de Marca do Comitê Rio 2016.

Por conceito, Vinícius, o mascote Olímpico, representa a diversidade dos animais do país – conta com a agilidade dos felinos, o gingado dos macacos e a leveza dos pássaros. Tem o olfato apurado, capaz de farejar aventuras, e uma audição que ajuda a encontrar as torcidas mais animadas.

Já Tom, o mascote Paralímpico, é uma mistura da flora brasileira – está sempre crescendo e superando obstáculos. Como embaixador dos Jogos Paralímpicos, vai ensinar as pessoas a buscarem dentro de si o que têm de melhor.

Mascotes
Apresentados em novembro, os mascotes contam com hotsite que narra a história e as características dos embaixadores informais do megavento esportivo. Os mascotes são inspirados na fauna e flora brasileiras, com influências da cultura pop, elementos da animação e de personagens de videogame.

O conceito mistura ficção e realidade. A história conta que, no dia em que foi anunciado que o Rio seria a sede dos Jogos, em 2 de outubro de 2009, a alegria dos brasileiros foi sentida por toda a natureza e dessa energia nasceram os mascotes. O mascote Olímpico representa a diversidade dos animais do País. Tem a agilidade dos felinos, o gingado dos macacos e a leveza das aves. Já o Paralímpico é uma mistura da flora brasileira – está sempre crescendo e superando obstáculos. Ambos são criaturas mágicas e prometem encantar a todos com seus superpoderes.

Com informações do Portal Brasil 2016.

Terça-feira, 2 de dezembro de 2014 às 16:55

Com R$ 661 mi, Brasil Medalhas ultrapassa previsão de investimento em centros de treinamento

Nesse domingo (30) ocorreu o primeiro evento-teste do Centro Pan-Americano de Judô de Lauro de Freitas (BA). Na estreia da “nova casa”, o Brasil venceu o Desafio Internacional contra a Itália por 5 x 0. O Centro é um das maiores obras do Plano Brasil Medalhas. Com ele, o investimento planejado de R$ 310 milhões em centros de treinamento foi ultrapassado, chegando a R$ 661 milhões destinados (R$ 473 milhões do governo federal e R$ 188 milhões de contrapartidas). No total, o Plano Brasil Medalhas assegurou R$ 1 bilhão aos esportes olímpicos e paraolímpicos, incluídas ações como o Bolsa Pódio.

Centro Pan-Americano de Judô em lauro de Freitas (BA) tem capacidade para 1.900 pessoas. Foto: Divulgação.

Centro Pan-Americano de Judô em lauro de Freitas (BA) tem capacidade para 1.900 pessoas, além de 72 quartos para atletas e quadras poliesportivas. Foto: Divulgação.

A maior parte dos CTs incluídos no Plano está com obras aceleradas ou já entregues. Além disso, há diversos projetos em análise. Estão em fase de finalização alguns editais de locais de treinamento que serão usados nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e que depois farão parte da Rede Nacional de Treinamento.

O Centro Pan-Americano de Judô foi entregue à Confederação Brasileira de Judô (CBJ) em julho deste ano. O CPJ é fruto de um investimento de R$ 43,2 milhões, sendo R$ 18,3 milhões do Estado da Bahia e R$ 19,8 milhões da União. A confederação aportou outros R$ 5,1 milhões para desenvolver o projeto executivo e comprar parte dos equipamentos e mobiliário.

O judô é a modalidade que mais deu medalhas olímpicas ao Brasil (19) e espera continuar sendo uma das principais forças esportivas do País. Na inauguração, o ministro Aldo Rebelo disse que não foi por acaso a construção na Bahia: “É uma forma de descentralizar o legado e o projeto de construção dos centros de treinamento de alto rendimento no Brasil”, afirmou. Lauro de Freitas também receberá um Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) para a prática de 13 modalidades olímpicas.

Rede Nacional de Treinamento
Os locais de treinamento definidos no Plano Medalhas têm duas finalidades. Uma é contribuir com a reta final da preparação das equipes para o Rio 2016. Neste caso se incluem o CT paraolímpico em São Paulo, o do judô na Bahia, do handebol e da ginástica em São Bernardo, assim como o da ginástica em Curitiba, o da canoagem slalom em Foz do Iguaçu e os centros de tiro esportivo e pentatlo já existente em Deodoro (Rio de Janeiro), utilizados pelas confederações há alguns anos. Mas a maior parte das instalações foi prevista para além de 2016, como legado para o esporte brasileiro nos próximos ciclos olímpicos.

Elas compõem o programa Rede Nacional de Treinamento, do Ministério do Esporte. A Rede Nacional está sendo estruturada em todo o país, com instalações para diversas modalidades. A do atletismo está mais avançada, com uma quantidade de pistas já entregues, algumas em fase final de obras, várias com obras iniciadas e outras em fase de projeto.

A Rede Nacional de Treinamento abarcará desde as instalações de competição olímpicas em construção ou adaptação no Rio, até os 285 Centros de Iniciação ao Esporte que serão construídos em 263 municípios do País, passando por centros de treinamento de modalidades, complexos esportivos e estruturas locais das cidades.

Domingo, 30 de novembro de 2014 às 10:00

Banco Central lança moedas comemorativas das Olimpíadas Rio 2016

O Banco Central lançou as primeiras nove moedas comemorativas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016: uma de ouro, quatro de prata e quatro de circulação comum. Serão 36 moedas lançadas até 2016.

Moedas de Ouro dos Jogos Olímpicos 2016. Foto: Divulgação/Banco Central.

Moedas comemorativas dos Jogos Olímpicos 2016. Foto: Divulgação/Banco Central.

A moeda de ouro homenageia, além do Cristo Redentor, a corrida de 100 metros rasos, um dos esportes que representa o lema Olímpico “Citius, Altius, Fortius” (mais rápido, mais alto, mais forte).

As moedas de prata homenageiam o Rio de Janeiro com paisagens conhecidas onde o carioca pratica esportes como remo, corrida, ciclismo e vôlei de praia; e aspectos da cultura e da natureza da cidade e do Brasil, como golfinhos, bromélias e os Arcos da Lapa. Os esportes Olímpicos e Paralímpicos são os destaques das moedas de circulação comum.

No primeiro lançamento, Atletismo e Natação representam dois dos esportes em que o Brasil conquistou mais medalhas em Jogos Olímpicos; Golfe e Paratriatlo, as duas modalidades que passarão a fazer parte dos Jogos de 2016. As moedas de R$1 entrarão em circulação pela rede bancária e uma parte será vendida em embalagens especiais para coleção. Após o lançamento, as moedas poderão ser adquiridas no site do Banco do Brasil por meio de boleto bancário ou, no caso de correntistas do Banco, débito em conta. As moedas também estarão à venda, apenas em dinheiro, em algumas agências do BB.

Todos os projetos foram desenvolvidos pelas equipes do Banco Central e da Casa da Moeda do Brasil, com o suporte técnico do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

Em 2015, em data a ser divulgada, estarão disponíveis dois conjuntos: com as quatro primeiras moedas de prata e com as quatro de circulação comum. O segundo lançamento do Programa Olímpico ocorrerá no primeiro semestre de 2015.

Segunda-feira, 24 de novembro de 2014 às 14:00

Conheça os mascotes dos Jogos Rio 2016 e ajude a escolher o nome da dupla

Oba e Eba, Tiba Tuque e Esquindim e Vinícius e Tom. Os mascotes dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 foram apresentados neste domingo (23.11). O nome oficial da dupla sairá de uma votação popular até o dia 14 de dezembro. É possível participar no site criado para narrar a história e as características dos embaixadores informais do megavento esportivo e no perfil do Rio 2016 no Twitter (@Rio2016).

Personagens são inspirados na fauna e na flora brasileiras, com influência de elementos da cultura pop, da animação e do universo dos games. Votação popular está aberta até 14 de dezembro. Foto: Alex Ferro/Rio2016.

Personagens são inspirados na fauna e na flora brasileiras, com influência de elementos da cultura pop, da animação e dos games. A votação está aberta até 14 de dezembro. Foto: Alex Ferro/Rio2016.

Os mascotes são inspirados na fauna e flora brasileiras, com influências da cultura pop, elementos da animação e de personagens de videogame. “Eles são um dos símbolos mais importantes dos Jogos porque criam um elo emocional com o público e são os verdadeiros embaixadores do evento, com uma conexão especial com as crianças”, explica Beth Lula, diretora de Marca do Comitê Rio 2016.

O conceito mistura ficção e realidade. A história conta que, no dia em que foi anunciado que o Rio seria a sede dos Jogos, em 2 de outubro de 2009, a alegria dos brasileiros foi sentida por toda a natureza e dessa energia nasceram os mascotes. O mascote Olímpico representa a diversidade dos animais do País. Tem a agilidade dos felinos, o gingado dos macacos e a leveza das aves. Já o Paralímpico é uma mistura da flora brasileira – está sempre crescendo e superando obstáculos. Ambos são criaturas mágicas e prometem encantar a todos com seus superpoderes.

Para chegar aos mascotes, foi optado por concorrência de abrangência nacional. O processo contou com chancela dos diretores do Festival Anima Mundi e foi vencido pela Birdo Produções, de São Paulo, que assina o projeto.

Conceitos por trás dos nomes
Oba e Eba – Segundo a definição no site oficial dos mascotes, são duas palavras que querem dizer uma porção de coisas legais: “Alegria! Festa! Amigos! Oba e Eba é o que dizemos quando estamos muito felizes e queremos que todo mundo fique sabendo”.

Tiba Tuque e Esquindim – Em tupi-guarani, Tiba quer dizer “muito”. Com o sobrenome Tuque, forma a palavra “batuque”, que marca o ritmo do samba. Esquindim lembra ginga, vontade de dançar.

Vinicius e Tom – Homenageiam os músicos e parceiros Vinicius de Moraes e Tom Jobim, que tiveram importância fundamental na Bossa Nova, “movimento que fez todo mundo conhecer e cantar as belezas do Rio de Janeiro”.

Fonte: Brasil 2016.

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-