Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Sexta-feira, 21 de agosto de 2015 às 20:30

Governo vai ao Nordeste dialogar com empresários além dos eixos tradicionais, diz ministro

A presidenta Dilma Rousseff se reuniu nesta sexta-feira (21) com empresários na sede da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe). É a segunda semana seguida em que Dilma se encontra com empresários no Nordeste. Na sexta-feira da semana passada ela se reuniu com o empresariado em Salvador. Na semana que vem ela volta à região para nova rodada, desta vez no Ceará.

A ação de ir a diferentes estados do País dialogar com a iniciativa privada é muito produtiva para ouvir contribuições para as políticas públicas do governo federal, avaliou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, que participou do encontro.

Não são só os governos que promovem o desenvolvimento, são também os agentes econômicos: os trabalhadores, os empresários, afirmou o ministro do Desenvolvimento.  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Não são só os governos que promovem o desenvolvimento, são também os agentes econômicos: os trabalhadores, os empresários, afirmou o ministro do Desenvolvimento. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

“É muito importante essa ideia de que você deve dialogar fora dos eixos tradicionais. Às vezes os governos ficam muito limitados aos interlocutores do Sudeste ou daqueles que vão a Brasília. A ideia é que a presidenta possa ir aos estados. Ela considera muito necessário manter um contato direto com setores da sociedade para poder dialogar, trocar ideias, ouvir manifestações, propostas e críticas. Porque para qualquer política pública, sobretudo para melhor orientação das ações governamentais, você tem que estar ouvindo e mais próximo”, afirmou Armando Monteiro.

O diálogo com os empresários é ainda mais importante nesse momento em que o Brasil precisa recuperar a confiança, disse o ministro. “Nós estamos nesse momento em que precisamos fazer essa travessia, reequilibrar a economia brasileira e retomar o crescimento que é a grande vocação do Brasil.” Ele falou também da energia empreendedora que o País tem. “Essa força vem do setor privado. Não são os governos apenas que promovem o desenvolvimento. O desenvolvimento quem faz são os agentes econômicos: os trabalhadores, os empresários.”

Durante a reunião, Armando Monteiro e os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Agricultura, Kátia Abreu, apresentaram aos empresários pernambucanos três grandes programas do governo e detalharam as ações destinadas ao estado. O Plano Safra, que disponibiliza para 2015-2016 volume recorde de financiamento para apoiar a agricultura. O plano de concessões, com destaque para a rodovia BR-232, o Arco Metropolitano do Recife, o segundo terminal de contêineres (Tecon 2) e outros terminais no Porto de Suape. E também o Plano Nacional de Exportações. “Quando o mercado interno diminui, você tem que buscar o mercado externo”, destacou Armando Monteiro.

“Com a taxa de câmbio atual, o Brasil pode exportar muito mais, e exportar significa gerar empregos. Nós estamos querendo abrir espaços para o setor automotivo e para outros setores, como o Polo de Confecções de Pernambuco, que faz exportações indiretas, mas pode se capacitar para fazer exportação direta. Exportar é uma boa aposta nessa área”, destacou o ministro.

Sexta-feira, 21 de agosto de 2015 às 19:57

Dialoga Brasil é “instrumento de voz” da população com o governo, afirma líder comunitária

A participação social é o principal instrumento para o fortalecimento da democracia. É o que acreditam centenas de representantes de movimentos sociais que estão reunidos com a presidenta Dilma Rousseff, nesta sexta-feira (21), em Recife (PE) para participar do Dialoga Pernambuco.

O evento, além de promover a discussão sobre implementação de políticas públicas nas áreas de saúde, educação, cultura, combate à pobreza e segurança pública, tem como objetivo divulgar o Dialoga Brasil – a nova plataforma de participação social do governo federal na internet. Criado no último mês de julho – e com mais de 1 milhão de acessos em três semanas – a ideia do novo portal é fortalecer a participação popular no País e dar voz ativa aos cidadãos.

 Para a líder do movimento por reforma urbana MLB, Elisabeth Araújo, é fundamental que o governo mantenha espaços de participação da sociedade como o Dialoga Brasil. Não é possível a gente construir um governo, com a cara que a gente quer, sem ouvir a população”. Foto: Ana Carolina Melo/Blog do Planalto

Para a líder do movimento por reforma urbana MLB, Elisabeth Araújo, é fundamental que o governo mantenha espaços de participação da sociedade como o Dialoga Brasil. “Não é possível a gente construir um governo, com a cara que a gente quer, sem ouvir a população”. Foto: Ana Carolina Melo/PR

É o que defende Elisabeth Araújo, coordenadora nacional do Movimento de luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), organização que luta por reforma urbana no País desde 1994. Em entrevista ao Blog do Planalto, ela destacou a importância da criação de ambientes de participação popular como o Dialoga Brasil e enfatizou a iniciativa dos movimentos sociais para a criação da plataforma digital como para qualquer espaço de estímulo à participação. Para Elisabeth, a ideia é que esses ambientes sejam “instrumentos de voz” da população com o governo.

“Para nós, do movimento que luta por reforma urbana, é fundamental ter espaços como esse [Dialoga Brasil]. Na verdade, nós sempre buscamos e ajudamos na criação de ambientes de participação social, não somente do Dialoga como também dos conselhos que existem em todo o País e a nível nacional como os conselhos de saúde, de educação, de cidades, por exemplo, para que esses sejam instrumentos de voz da população com o governo.[…] Não é possível a gente construir um governo, com a cara que a gente quer, com a cor que a gente quer, se a gente não ouvir a população, os trabalhadores, a juventude e os movimentos sociais organizados do nosso País”, enfatizou Elisabeth, que é uma das 1,2 mil lideranças sociais a participar do encontro com a presidenta Dilma, nesta sexta (21), na capital pernambucana.

Ela também destacou que o movimento por habitação entra na plataforma do Dialoga Brasil defender não só a construção de moradias dignas no País como todo um sistema que garanta qualidade de vida para a população. De acordo com a formatação do portal, as propostas mais apoiadas pela população receberão uma resposta oficial do governo e, se viáveis, poderão ser transformadas em novas políticas públicas.

“Nós defendemos um conjunto de ações por meio da reforma urbana, que visa não somente à construção da moradia digna, mas também de uma cidade melhor. Então, para nós, as propostas que conseguem juntar a cidade de qualidade, a moradia digna que tenha saúde, transporte, saneamento, todas as benfeitorias para as pessoas são o ideal. Então, vamos defender essas propostas através da nossa opinião daquilo que é uma cidade ideal, não somente para um pequeno conjunto de pessoas. A reforma urbana tem que pensar numa cidade para todos”, ressaltou.

José de Oliveira, do Movimento Negro Unificado (MNU), defende que a militância vá para a plataforma do Dialoga Brasil defender políticas que combatam o extermínio da juventude negra no País. Foto: Arquivo Pessoal

José de Oliveira, do Movimento Negro Unificado (MNU), defende que a militância vá para a plataforma do Dialoga Brasil defender políticas que combatam o extermínio da juventude negra no País. Foto: Arquivo Pessoal

Quem também participa do Dialoga Pernambuco são os representantes da luta por igualdade racial no País, por meio de nomes como o de José de Oliveira, coordenador do Movimento Negro Unificado (MNU). Segundo ele, o Dialoga Brasil chegou em boa hora, já que dará aos movimentos sociais a oportunidade de ver algumas de suas principais reivindicações, de fato, implementadas.

Quando questionado sobre as principais bandeiras que o movimento negro está colocando na plataforma, ele destacou, como prioridade, a defesa da vida dos jovens negros do País.

“Nós, do movimento negro, temos uma bandeira hoje inegociável, que é a vida da nossa juventude, que hoje, pelas estatísticas, é a mais penalizada. A gente entende que, se a gente ampliar esse diálogo, o governo pode recepcionar os nossos pleitos, para a gente tornar o Brasil um país mais universal. Os nossos jovens precisam ser respeitados e ter acesso às devidas oportunidades”, disse.

Dialoga Brasil
Simples e dinâmica, a plataforma do Dialoga Brasil possibilita o contato direto com a sociedade. Por meio dela, usando um computador ou dispositivo móvel, o cidadão pode propor, compartilhar sua proposta com os amigos nas mídias sociais, votar ou apoiar ideias para ações do governo federal, além de conhecer os principais programas do governo.

No final do ano, as propostas mais apoiadas terão uma resposta oficial do Poder Público, podendo ser aperfeiçoadas ou transformadas em novas políticas públicas.

Sexta-feira, 21 de agosto de 2015 às 11:24

Dilma entrega primeira estação de bombeamento do Eixo Norte da Integração do São Francisco

A presidenta Dilma Rousseff entrega nesta sexta-feira (21) a primeira Estação de Bombeamento (EBI-1) do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF). A estrutura levará a água por 45,9 quilômetros até o reservatório de Terra Nova, localizado em Cabrobó (PE). Com isso, o PISF chega a 77,8% das obras concluídas. O investimento nesse trecho é de R$ 625 milhões.

O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir segurança hídrica de 12 milhões de pessoas em 390 municípios. A execução do empreendimento gerou 9.980 empregos. Foto: Guilherme Rosa/Blog do Planalto

O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir segurança hídrica de 12 milhões de pessoas em 390 municípios. O empreendimento gerou 9.980 empregos. Foto: Guilherme Rosa/Blog do Planalto

A água é captada no rio São Francisco até a estação. “Lá, ela é bombeada para uma parte superior, que é um grande reservatório. São dois conjuntos de motobomba com vazão de 12,4 m³/segundo que elevam a água a uma altura de 36 metros, o que corresponde a aproximadamente a um edifício de 12 andares. A potência de cada motor é de 5,5MW”, explica o diretor de projetos estratégicos do Ministério da Integração Nacional, Róbson Botelho.

A estação tem capacidade de bombear a água do São Francisco por sete quilômetros, até o primeiro reservatório de Tucutú. Em seguida, a água correrá por quatro aquedutos até Terra Nova, segundo reservatório do Eixo Norte. Tucutú estará cheio em 39 dias, com a bomba em operação durante 16 horas diárias, cinco dias por semana. Após essa etapa, serão necessários mais 18 dias para encher o reservatório Terra Nova. Enquanto isso, as obras da segunda Estação de Bombeamento (EBI-2) do Eixo Norte estarão em fase de conclusão.

Para Róbson, essa obra é emblemática para o Nordeste e vai trazer uma nova etapa de desenvolvimento. “Ela tem uma importância fundamental para suprir essa grande deficiência que o Nordeste enfrenta de secas seguidas. Estamos hoje com cerca de quatro anos com reservatórios em baixa. Eu diria que a transposição vem a ser uma espécie de redenção do Nordeste. Não tenho dúvida de que isso vai dar um impulso grande ao desenvolvimento da região”.

Com 6.836 trabalhadores, o Eixo Norte abrange a construção de 15 reservatórios, oito aquedutos, três túneis, canais, além das três estações elevatórias. A entrega faz parte da pré-operação da obra e testes são iniciados para verificação dessas estruturas, antes do recebimento definitivo das águas do rio. Nessa fase, além do funcionamento da EBI-1, são monitorados os sistemas elétricos e de telecomunicações, painéis, válvulas e motores, que compõem a estação elevatória.

Dois conjuntos de motobomba, com vazão de 12,4 m³/segundo, elevam a água a uma altura de 36 metros, o que permitirá que a água corra no canal por 45,9 quilômetros até o reservatório de Terra Nova. Fotos: Guilherme Rosa/Blog do Planalto

Dois conjuntos de motobomba elevam a água a uma altura de 36 metros, permitindo que ela corra no canal por 45,9 km até o reservatório de Terra Nova, em Cabrobó (PE). Fotos: Guilherme Rosa/Blog do Planalto

Preservação do rio
Segundo a Agência Nacional das Águas (ANA), o PISF pode captar 26,4 m³/segundo, mesmo em períodos de seca. Isso representa 1,4% da vazão média do rio, ou seja, duas colheres de sopa para cada litro d’água despejado no mar. Na cheia, a captação pode chegar a 127 m³/segundo sem prejudicar o rio.

Além disso, o Ministério da Integração Nacional já investiu cerca de R$1,7 bilhão em ações de revitalização no rio. O total aprovado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para esse fim é de R$ 2,5 bilhões.

Projeto São Francisco
O Projeto de Integração do Rio São Francisco vai garantir segurança hídrica de 12 milhões de pessoas em 390 municípios espalhados pelos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Foram 9.980 empregos gerados nos dois eixos e mais de três mil equipamentos estão em operação.

O projeto é composto por 477 quilômetros de extensão, organizados em dois eixos de transferência de água: Norte, com 260 quilômetros, e o Leste, com 217. A previsão do final das obras é entre dezembro de 2016 e início de 2017.

Sexta-feira, 21 de agosto de 2015 às 8:15

Entrega de estação de bombeamento da Integração do São Francisco e Dialoga Brasil em Pernambuco

Agenda presidencial

Nesta sexta-feira (21), a presidenta Dilma Rousseff inicia sua agenda de trabalho às 8h40 recebendo o ministro Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social, no Palácio da Alvorada. Logo em seguida, às 9h, Dilma embarca para Pernambuco, onde entregará, em Cabrobó, ao meio-dia, a Estação de Bombeamento EBI-1 e de 45 Km de Canal do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf).

Após esta cerimônia, Dilma segue para a capital do estado, Recife, para realizar, às 16h, reunião empresarial na sede da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe). Às 18h, ainda em Recife, a presidenta realiza mais uma edição do Dialoga Brasil.

Às 20h25, Dilma encerra sua agenda em Pernambuco, quando retorna para Brasília.

*Agenda sujeita a alterações ao longo do dia. Para mais detalhes e atualizações, acesse o Portal Planalto.

Quinta-feira, 14 de maio de 2015 às 8:00

Complexo portuário de Suape e CEOs da IHI Corporation, da Kawasaki e da Mitsubishi

Agenda presidencialNesta quinta-feira (14), a presidenta Dilma Rousseff vai a Pernambuco participar da cerimônia de batismo do navio Marcílio Dias e da viagem inaugural do petroleiro André Rebouças. O evento está previsto para as 11h30, no complexo portuário de Suape, em Ipojuca, região metropolitana do Recife.

De volta a Brasília, ela recebe, às 17h, os presidentes da IHI Corporation, Tamotsu Saito, da Kawasaki, Shigeru Murayama, e o CEO regional da Mitsubishi na América Latina, Seiji Shiraki, no Palácio do Planalto.

*Agenda sujeita a alterações ao longo do dia. Para atualizações, acesse o Portal Planalto.

Terça-feira, 28 de abril de 2015 às 15:30

Dilma comemora licença que permitirá licitar obras de infraestrutura viária em Pernambuco

A presidenta Dilma Rousseff comemorou, nesta terça-feira (28), durante a inauguração do polo automotivo em Goiana (PE), a concessão da licença ambiental prévia para o lote 2 do Arco Metropolitano de Recife. Com essa autorização, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já pode começar a elaborar o termo de referência para lançar o edital da licitação a fim de contratar a empresa responsável pela elaboração do projeto e execução das obras, que serão realizadas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Nesta terça-feira, a presidenta Dilma anunciou a licença ambiental para a rodovia que facilitará a mobilidade de cargas que chegam e saem do Porto de Suape (acima). Foto: Governo de Pernambuco

Nesta terça-feira, a presidenta Dilma anunciou a licença ambiental para a rodovia que facilitará a mobilidade de cargas que chegam e saem do Porto de Suape (acima). Foto: Governo de Pernambuco

Segundo a presidenta Dilma, o processo de concessão deve ser anunciado ainda no mês de maio e as obras são parte de uma estratégia de desenvolvimento regional, “que tem por objetivo ter clareza da importância dessa região para o Brasil, do estado de Pernambuco, do estado do Ceará e do estado da Paraíba”, comentou.

Durante a inauguração em Goiana, a presidenta afirmou: “Quero aproveitar a oportunidade e compartilhar uma boa notícia: ontem foi concedida pela, Agência Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco, a licença prévia para o trecho entre São Lourenço da Mata e Suape do Arco Metropolitano, o chamado trecho sul do Arco. De posse dessa licença prévia, nós agora podemos fazer a licitação desse trecho pelo DNIT”, disse a presidenta.

Dilma Rousseff acrescentou que o governo está estudando a inclusão do trecho Norte dentro dos processos de concessão que serão anunciados em maio.

Além de citar nominalmente o Ceará, a Paraíba e a Bahia, Dilma fez questão também de se referir a importância das obras para outros estados da região. “Nós sabemos da importância para essa região, como um todo, dos projetos que levem um padrão de crescimento econômico e social, que é aquele que nós vemos e assistimos no Sul e no Sudeste do País“.

A obra em Pernambuco inclui uma pista dupla que ligará a BR-101 ao norte de Recife com o trecho sul da mesma rodovia, a fim de facilitar a mobilidade de cargas que chegam e saem do Porto de Suape.

Terça-feira, 28 de abril de 2015 às 15:01

Dilma: Brasil vai continuar trabalhando para criar um ambiente de negócios favorável à indústria

28042015-28042015-_R0V4202-Editar

Para Dilma, nova fábrica em Goiana “é algo que honra o nosso país e honra essa região”. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

Durante inauguração do polo automotivo em Goiana (PE), nesta terça-feira (28), a presidenta Dilma Rousseff afirmou que o governo vai continuar investindo em políticas que incentivem a produção industrial brasileira. Ela destacou que o Brasil pretende ser uma plataforma de produção e de inovação na indústria, sobretudo a automobilística.

“Nós também queremos ser, além de uma plataforma de produção, uma das principais bases de inovação da indústria automobilística mundial. É este o sentido do Programa Brasil Maior. Nós desejamos que as indústrias automobilísticas aqui instaladas, e as que venham a se instalar desenvolvam novas peças, novos processos e novos automóveis”, disse.

Dilma ressaltou que a instalação da fábrica em plena Zona da Mata pernambucana demonstra a preocupação do governo federal com o desenvolvimento regional do país.

“A escolha de Goiana decorre também de uma decisão clara do governo federal de ajuda e suporte a uma política de desenvolvimento regional e permite que o povo de Pernambuco possa ter aqui um polo industrial automotivo de imenso impacto para a geração de emprego e crescimento do estado”, garantiu.

A presidenta comentou a importância e a necessidade dos ajustes que estão sendo realizados e voltou a defender que as medidas terão impacto positivo no estímulo à economia e na atividade industrial, geração de emprego e renda.

“Os ajustes são conjunturais, eles são necessários, e nós estamos determinados a implementá-los. E conjuntamente com eles a implementar as condições para garantir a expansão não só da nossa infraestrutura, mas também, do mercado e da indústria automobilística neste momento seguinte. Tais ajustes, eles não vão ofuscar o fato que a indústria automotiva no Brasil, hoje, deu passo à frente, ela está mais globalizada com empresas provenientes de um número bem maior de países cujos resultados serão cada vez mais importantes para suas matrizes”, salientou.

Confira a íntegra

Terça-feira, 28 de abril de 2015 às 11:18

Tempo real: Presidenta Dilma inaugura polo automotivo em Goiana (PE)

13h36 – Está encerrada a cerimônia.

13h30 – Presidenta encerra discurso. Confira a cobertura completa em instantes.

28042015-28042015-_R0V4041-Editar

Presidenta participa da inauguração da Fábrica da Jeep. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

 

13h20 – “Um passo ousado como esse, de instalar aqui em Goiana a mais moderna planta industrial do Grupo [Fiat Chrysler], expressa sua confiança nos rumos do país”, afirma a presidenta Dilma.

13h12 – Presidenta Dilma começa seu discurso saudando o ex-governador Eduardo Campos e o ex-presidente Lula. “Dois nordestinos comprometidos com o desenvolvimento de Pernambuco”, afirma. Confira o minuto a minuto no Twitter do Blog do Planalto.

12h58 – O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, destaca que a fábrica da Jeep demonstra que Pernambuco e o Nordeste estão cada vez mais inseridos no modelo de desenvolvimento do país.

12h40 – Quando soube da oportunidade de trabalhar na nova fábrica da Jeep em Goiana (PE), Gustavo de França, largou o emprego de consultor administrativo e se arriscou em um processo seletivo com 40 candidatos. Hoje é um dos “team leader” da fábrica, dando treinamento e motivação para grupos de funcionários.

Foto 27-04-15 14 25 10

“Foi uma ótima escolha. Minha qualidade de vida mudou cem por cento. Quero terminar meu curso superior em Engenharia de Produção e continuar crescendo na empresa. Já recebi a minha primeira promoção”, afirma Gustavo de França. Foto: Guilherme Rosa/Blog do Planalto.

 

“Foi uma ótima escolha. Minha qualidade de vida mudou cem por cento. Quero terminar meu curso superior em Engenharia de Produção e continuar crescendo na empresa. Já recebi a minha primeira promoção”.

12h15 – Confira algumas imagens da nova fábrica da Jeep em Goiana (PE):


12h05 –  Estudo realizado pela consultoria Ceplan projeta que, em 2020, o Polo Automotivo Jeep vai contribuir com 6,5% do PIB de Pernambuco. Será uma curva ascendente, considerando que já em 2015, primeiro ano de operação, terá participação de 2,5% no conjunto de riquezas produzidas dentro do Estado. Essa geração de riquezas será feita predominantemente com o emprego de mão-de-obra local.  O destaque fica por conta do percentual feminino na fábrica: 18% dos empregados do Polo Automotivo Jeep são mulheres. Dulcelene Araújo é uma delas. Dulce, como prefere ser chamada, se orgulha de ser uma das primeiras a ser contratada. Dulce e diz que é respeitada e ouvida com igualdade em relação aos homens.

11h59 – Começa a cerimônia de inauguração. Acompanhe no Blog do Planalto e no Twitter:

11h45 – Adriano Arruda, 27 anos, de Caruaru (PE), sempre sonhou em trabalhar com carros. Hoje é um dos engenheiros líderes na montagem da fábrica em Goiana. Formado em mecatrônica, Adriano passou por uma formação de um ano e meio na empresa, com estágios em Betim (MG) e na Itália. Ele se diz realizado com o emprego na Jeep. Confira o depoimento:

11h30 – Operários aguardam para cumprimentar a presidenta Dilma.

Akdfy4JVJZaVduNvOJk6hKdYVMv9xxK0yaCcc9zs8Y2O

 

11h20 – A fábrica Jeep ocupa uma área construída de 260 mil metros quadrados e tem capacidade para produzir 250 mil veículos por ano. No perímetro fabril, ergue-se também o Parque de Fornecedores, um complexo de 12 edifícios, que abrigam 16 empresas responsáveis por 17 linhas de produtos. O Parque de Fornecedores ocupa uma área de 270 mil metros quadrados.

Conheça alguns números da nova unidade fabril em Goiana (PE):

info polo automotivo

11h15 – Daqui a pouco, a presidenta Dilma Rousseff participa da inauguração do Polo Automotivo da Jeep em Goiana (PE). Ela já chegou à fábrica e está conhecendo as instalações.

 

 

Terça-feira, 28 de abril de 2015 às 9:17

Nova fábrica em Pernambuco traz desenvolvimento para a região

A presidenta Dilma Rousseff vai participar nesta terça-feira (28) da inauguração do Polo Automotivo da Jeep, em Goiana (PE), empreendimento do grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA), que trará desenvolvimento econômico e geração de emprego para o estado nordestino. A multinacional tem como estratégia a produção de veículos para o mercado brasileiro e para exportação partindo dessa base no Nordeste. O carro que está sendo produzido da fábrica de Goiana sai da linha de produção com um índice de nacionalização de mais de 70%. O objetivo é chegar a 80%.

O polo automotivo empregará até o final do ano mais de 9 mil trabalhadores. Deste contingente, 82% são nordestinos e 78% pernambucanos. Foto: Guilherme Rosa/PR

O polo automotivo empregará até o final do ano mais de 9 mil trabalhadores. Deste contingente, 82% são nordestinos e 78% pernambucanos. Foto: Guilherme Rosa/PR

O complexo empregará até o final do ano mais de 9 mil trabalhadores. Deste contingente, 82% são nordestinos e 78% pernambucanos. Segundo o diretor de Recursos Humanos do Polo Automotivo Jeep, Adauto Duarte, o desafio foi atrair, organizar, contratar e treinar a mão de obra necessária, estruturando equipes para construir o polo industrial e, posteriormente, para operá-lo.

Nós tiramos a necessidade de experiência prévia para se trabalhar no polo automotivo. Isso permitiu que pessoas pudessem entrar vindo do mercado informal e de outros setores da economia. E para a empresa virou uma oportunidade de ter um grupo de pessoas treinadas por profissionais de todo o mundo, pessoas, que foram para o exterior treinar, poderem fazer um carro com excelência. Então nós tivemos um grande crescimento de competências. Um produto feito por pessoas de todo o Brasil, mas muitas são nordestinos e pernambucanos que jamais trabalharam na indústria automobilística”, diz Duarte.

Estudo realizado pela consultoria Ceplan projeta que, em 2020, o Polo Automotivo Jeep vai contribuir com 6,5% do PIB de Pernambuco. Será uma curva ascendente, considerando que já em 2015, primeiro ano de operação, terá participação de 2,5% no conjunto de riquezas produzidas dentro do Estado. Essa geração de riquezas será feita predominantemente com o emprego de mão de obra local, o que significa que produzirá efeitos sociais positivos.

O investimento no polo automotivo superou os R$ 7 bilhões, dos quais R$ 3 bilhões na fábrica Jeep, R$ 2 bilhões no Parque de Fornecedores e o restante destinado a desenvolvimento de produtos e outros investimentos. Com a implantação de novas linhas de produção, os investimentos devem chegar a R$ 10 bilhões. Foram R$ 6,5 bilhões de financiamento do governo federal, por meio do BNDES, Sudene, por meio do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, e por intermédio do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

Oportunidade
Adelmo José, 22 anos, pescava mariscos no mangue de Goiana, sua cidade natal, quando ficou sabendo da construção de uma fábrica enorme no município. Logo começou a trabalhar como pedreiro nas obras  e, quando o empreendimento ficou pronto, participou do processo seletivo para a linha de montagem da fábrica. Adelmo foi contratado e, poucos meses depois, já tinha dobrado a renda da época de pescador.

“No mangue, a gente depende da maré. E na usina é só de seis em seis meses. Mas aqui é um serviço certo, fichado, todo mês eu sei que vou receber o meu. Sei que vou dar o sustento aos meus filhos”, conta Adelmo.

Casado e pai de dois filhos, Adelmo já comprou seu terreno e está terminando de construir sua casa com o dinheiro que ganhou trabalhando na fábrica. E a melhoria de vida não parou aí. O montador também comprou televisão, geladeira, fogão e móveis.

E a mudança de vida não veio apenas para Adelmo. Segundo ele, toda a cidade de Goiana está se beneficiando com a chegada da fábrica. “Não tinha mercado onde eu morava e hoje estão construindo. Uma creche e uma escola foram terminadas. Estão fazendo uma quadra [poliesportiva], tem já um hospital com maternidade que lá não tinha”, comemora.

Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 às 12:42

Projeto São Francisco construirá casas para 98 famílias quilombolas em Pernambuco

Do Ministério da Integração Nacional

As casas de taipa de 98 famílias quilombolas de Pernambuco serão substituídas por construções de alvenaria nos municípios de Cabrobó, Carnaubeira da Penha e Mirandiba, no sertão do estado. A ação é promovida pela parceria entre Ministério da Integração Nacional – que gerencia o Projeto de Integração do Rio São Francisco – e Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Os contratos foram assinados na última semana, em Recife (PE).

As famílias quilombolas beneficiadas residem na região de abrangência dos canais do Eixo Norte e do Eixo Leste da maior obra de infraestrutura hídrica do País. A expectativa é que as novas moradias, cuja entrega está prevista para 2016, contribuam com as condições de saúde dessas populações tradicionais, especialmente no que diz respeito à diminuição da incidência da doença de Chagas – casas de taipa favorecem a proliferação do barbeiro, transmissor da enfermidade.

A parceria para a execução dos Programas Básicos Ambientais do Projeto de Integração do Rio São Francisco já garantiu a entrega de 588 casas. As obras custarão R$ 2,8 milhões. Com a construção das 98 residências restantes, o Ministério terá concluído ação prevista no programa 12 (Desenvolvimento de Comunidades Indígenas) e no programa 17 (Desenvolvimento de Comunidades Quilombolas).

Projeto São Francisco
Orçado em R$ 8,2 bilhões, o Projeto de Integração do Rio São Francisco prevê recursos de quase R$ 1 bilhão para programas básicos ambientais, em conformidade com as condicionantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

As ações desenvolvidas pelos 38 programas ambientais do projeto possibilitam o conhecimento aprofundado do bioma caatinga, não só no âmbito da fauna e da flora, mas também em diversos aspectos econômico-sociais, arqueológicos e na melhoria de condições de vida de comunidades indígenas e quilombolas na área de impacto do projeto.

O projeto é a mais relevante iniciativa do Governo Federal dentro Política Nacional de Recursos Hídricos. O objetivo é garantir a segurança hídrica para 390 municípios no Nordeste Setentrional, onde a estiagem ocorre frequentemente, beneficiando mais de 12 milhões de habitantes.

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-