Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 19:20

Com 300 vagas garantidas, Brasil detalha plano para chegar ao Top 10 nas Olimpíadas

Praia de Ipanema é local de treinamento de diversas duplas de vôlei de praia brasileiras. (Foto: Rio 2016/Alex Ferro)

Praia de Ipanema é local de treinamento de diversas duplas de vôlei de praia brasileiras. (Foto: Rio 2016/Alex Ferro)

A delegação brasileira nos Jogos Olímpicos Rio 2016 já tem 300 vagas garantidas para a competição, segundo o Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Nesta quarta-feira (23), a entidade divulgou o número e o planejamento estratégico, implementado desde 2009, para que estes atletas conquistem o objetivo de posicionar o país entre os 10 melhores no quadro geral de medalhas, daqui a pouco mais de dois anos.

As ações do Plano Estratégico tem como objetivo: conquistar mais medalhas nos esportes em que o Brasil tem boa tradição nas Olimpíadas (vôlei, futebol, natação, judô, vela); reforçar as ações de sucesso das modalidades com bom potencial para repetir o sucesso dos Jogos em Londres (boxe, ginástica); identificar e apoiar atletas; e seguir investindo no desenvolvimento de um legado para as próximas competições.

Na apresentação, o COB lembrou os resultados conquistados neste ciclo olímpico que reforçam o objetivo de chegar no Top 10. Em 2013, o país conseguiu o melhor ano pós-olímpico da história com 27 medalhas em Mundiais e Copas do Mundo (8 de ouro, 10 de prata, 9 de bronze). Nos últimos Jogos Sul-Americanos, com cerca de 500 atletas, a delegação brasileira conquistou 258 medalhas e ficou em 1º lugar no quadro geral da competição.

Apoio governamental

O governo federal também estabeleceu o objetivo de apoiar os atletas na busca pelo Top 10 no quadro de medalhas olímpico. Com recurso adicional de R$ 1 bilhão no ciclo 2013-2016, o Plano Brasil Medalhas do Ministério do Esporte busca a preparação dos atletas olímpicos e paraolímpicos, além de investimentos na construção, reforma e equipagem de centros de treinamento pelo país.

Além destes recursos, o COB conta com um orçamento de aproximadamente R$ 700 milhões, oriundos principalmente da Lei Agnelo/Piva, para viabilizar os objetivos do Plano Estratégico Rio 2016.

Delegação brasileira

O Comitê Olímpico trabalha com a expectativa de aproximadamente 400 atletas na delegação para as Olimpíadas, que começam daqui a 744 dias. Por ser a delegação do país sede, o Brasil tem vaga garantida em grande parte das modalidades, mas não em todas. Alguns esportes definem suas vagas através de índices estabelecidos pelas respectivas Federações Internacionais, como atletismo e natação. Em outros, como hóquei sobre grama e tênis, a classificação se dará através do ranking mundial.

O próximo grande evento esportivo que o Brasil tem pela frente são os Jogos Pan-Americanos de 2015, em Toronto, no Canadá.

Terça-feira, 14 de junho de 2011 às 9:01

Educação em tempo integral, obras para Copa do Mundo e Olimpíadas e pagamento de impostos

Conversa com a Presidenta

Na coluna Conversa com a Presidenta desta terça-feira (14/6), publicada em jornais no Brasil e no exterior, a presidenta Dilma Rousseff responde perguntas de leitores sobre educação em tempo integral, obras para Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas Rio 2016, além de mudanças no pagamento de impostos. O interesse pela educação em tempo integral veio do pequeno Bruno Henrique Santos, 9 anos, de Cidade Gaúcha (PR). Ele quis saber a opinião da presidenta em relação à permanência integral de alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental na escola e se o governo pretende implantar o programa em outros municípios.

“Considero a educação integral indispensável para oferecer mais oportunidades de aprendizado aos estudantes da educação básica.”

A presidenta revelou que mais de 15 mil escolas públicas do ensino fundamental no Brasil já estão oferecendo educação integral, por meio do programa Mais Educação. O programa foi criado em 2007 e, desde então, cresce o número de escolas participantes. “Nossa meta é aumentar gradativamente até chegar a 32 mil escolas em 2014. Este programa permite que os alunos tenham atividades nos turnos em que não há aulas regulares”, acrescentou.

Na resposta, a presidenta explicou que o Mais Educação oferece atividades organizadas em dez grandes campos: acompanhamento pedagógico; educação ambiental; esportes e lazer; direitos humanos em educação; cultura e artes; cultura digital; promoção da saúde; comunicação e uso de mídias; investigação no campo das ciências da natureza; e educação econômica. Dilma Rousseff salientou que, por enquanto, as escolas participantes são de capitais e grandes cidades, de lugares atendidos pelo Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) e de áreas de risco social. Mas garantiu que será ampliado para mais localidades.

O estudante universitário Ricardo Lucas Hautequestt Filho, morador em Itapemirim (ES), perguntou à presidenta se as obras para a Copa do Mundo e a Olimpíadas serão realizadas a tempo. “Sem dúvida, Ricardo”, respondeu Dilma Rousseff. “Estamos trabalhando de mãos dadas com governadores e prefeitos das cidades que vão sediar os jogos”, prosseguiu a presidenta.

“Já realizamos o primeiro encontro e vamos nos reunir a cada três meses para monitorar o cronograma das obras. Dos 12 estádios, 11 já realizaram licitações e, destes, 10 estão em obras. O 12º, de São Paulo, não terá licitação porque é privado. Ao mesmo tempo, a Infraero está em plena execução do seu programa de investimentos para ampliar a capacidade dos aeroportos e melhorar os serviços prestados. Serão investidos R$ 5,15 bilhões em recursos apenas do governo federal.”

A presidenta deixou claro que as obras para ampliar a capacidade de aeroportos seriam necessárias mesmo que não houvessem as competições esportivas, devido ao aumento no movimento, resultado da elevação da renda dos brasileiros. E listou as ações desempenhadas pelo governo.

“Decidimos também autorizar a concessão, em parcerias de empresas privadas com a Infraero, para cuidar das novas obras e da gestão dos aeroportos de Guarulhos (SP), Viracopos (SP) e Brasília (DF). E estamos estudando o modelo a ser adotado em relação a Confins (MG) e Galeão (RJ). Para coordenar todo esse trabalho, criamos a Secretaria Nacional de Aviação Civil, com status de ministério. Com estas e várias outras medidas, estou certa de que vamos realizar uma grande Copa e uma grande Olimpíada”.

Antenor Nogueira, professor e morador em Divinópolis (MG), quis saber da presidenta Dilma porque que os assalariados não podem fazer como as empresas, que pagam o imposto devido a cada mês, deduzindo todos os gastos. Com isso, segundo ele, não precisariam fazer a declaração de ajuste todo ano. Na resposta, a presidenta Dilma disse que entende a preocupação dele em querer facilitar a vida dos contribuintes, mas, explicou que, se fosse implantado o sistema de pagamento do imposto de forma definitiva, a cada mês, poderia resultar em transtornos para o trabalhador.

“Na prática, haveria 12 declarações de ajuste no ano. E se o contribuinte com renda variável tiver um pico de rendimento num mês, ele poderia pular para uma faixa com alíquota maior, e não teria como compensar nos meses em que houvesse queda no rendimento. Os contribuintes seriam obrigados também a encaminhar comprovantes de despesas de cada mês para a empresa, para ser feito o cálculo do imposto mensal. E nada disso evitaria o envio da declaração anual de ajuste, porque a Receita precisaria homologar os cálculos.”

Porém, a presidenta concordou com o interesse de Antenor de sugerir cada vez mais facilidades na declaração. E disse que o governo está atento a isso. “Já foram adotadas diversas medidas para ajudar o contribuinte, com facilidades não encontradas nem em muitos países desenvolvidos. A internet é a grande aliada, permitindo fazer e enviar a declaração, verificar se caiu na malha fina e corrigir pendências. E você ainda pode ser avisado pelo celular sobre a data em que a restituição estará no banco”, disse.

Terça-feira, 31 de maio de 2011 às 19:51

“Vamos fazer uma grande Copa do Mundo e uma grande Olimpíada”, diz vice-governador do Rio

Após reunião coordenada pela presidenta Dilma Rousseff nesta terça-feira (31/5), no Palácio do Planalto, representantes dos governos estaduais e municipais manifestaram disposição em “arregaçar as mangas” e seguir com os projetos de infraestrutura para aeroportos, portos e estádios das 12 cidades-sede do país. O  vice-governador do estado do Rio, Luiz Fernando Pezão, era um dos mais entusiasmados. Segundo ele, a decisão que assegura a redução do Imposto de Importação (II) para os produtos empregados nas obras vai diminuir o custo final do estádio Mário Filho, o Maracanã.

“O valor máximo anunciado é de R$ 956 milhões. Acredito que vamos ter uma redução que só terei condições de informar após 15 e junho. O certo é que nós vamos fazer uma grande Copa do Mundo e uma grande Olimpíada”, disse o vice-governador.


Governadores e ministro do Esporte avaliam reunião com presidenta Dilma

Luiz Pezão explicou que algumas das cidades-sede possuem problemas com as obras, mas que estes obstáculos não irão atrasar o cronograma estabelecido pelas autoridades. O vice-governador informou, por exemplo, que o titular do governo fluminense, Sergio Cabral, se encontra na França e, possivelmente nesta quarta-feira (1/6), assina em Paris com o banco de desenvolvimento local empréstimo para as obras do metrô até a Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

O vice-governador fez questão de comemorar aquilo que classificou como sendo “a boa notícia” que vai baratear as obras, referindo-se à queda dos tributos. Pezão informou também que no âmbito aeroportuário, o Aeroporto Internacional Tom Jobim, que vem sendo preparado para transferir a concessão à iniciativa privada, será o próximo passo para equacionar a questão.

Na entrevista coletiva, concedida ao término da reunião, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, também manifestou otimismo em relação ao curso das obras. Segundo Campos, a decisão da presidenta Dilma mostra a disposição do governo em assegurar o cronograma. “Vamos ter reuniões periódicas a cada três meses”, contou o governador pernambucano.

O governador do Distrito Federal, Agnello Queiroz, informou que “a intervenção que Brasília precisa fazer para a Copa do Mundo é indispensável para a nossa sobrevivência como capital”. Segundo o governador do DF , “a Copa vai servir para a gente dar uma resposta estrutural no transporte público”.

“Brasília é uma cidade cuja vocação é o turismo e temos que ampliar a capacidade hoteleira pra recebermos vários eventos. Nós não temos arena hoje na cidade. As coisas acontecem no estacionamento do estádio. É uma vergonha para capital do país. Vamos transformar Brasília num grande centro cultural. Por isso estamos fazendo um estádio com essa magnitude”.

Para o governador do Paraná, Beto Richa, “o principal nó já foi desatado”, que foi a definição do estádio para receber os jogos. “Nós encontramos uma modelagem de troca por potencial construtivo”, disse. Mesmo assim, continuou o governador, ainda havia a dificuldade de encontrar investidores interessado nesse modelo. Entretanto, surgiu um investidor que aceitou fazer a obra em troca do potencial construtivo. E agora começa a deslanchar, muito embora o estádio já estava em obras previstas, independente da Copa do Mundo.

“Estamos com o cronograma mais adiantado de todo o Brasil. Já era o estádio mais moderno e para se ajustar às exigências do caderno de encargos da FIFA não precisava de muita coisa, comparando-se aos demais estádios. As obras de mobilidade já estão acontecendo, mas o que mais preocupava era o estádio e agora estão deslanchando”.

Richa disse que a reunião com a presidenta Dilma “foi muito boa, muito produtiva”. “Todos saíram daqui bastante animados e a proposta da presidente é termos reuniões trimestrais pra voltarmos a acompanhar – todas essas cidades-sede da Copa do Mundo – o andamento e o cumprimento do cronograma”, contou.

“Foi uma conversa cordial, amistosa e com oportunidade de todos exporem a situação de suas capitais”.

A governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, também gostou da reunião. E classificou o encontro como muito produtivo. “Nos dá mais segurança o interesse que a presidenta colocou do quanto isso é importante, e que ela tem essa responsabilidade que é compartilhada por todos nós de fazer bem a Copa”.

Rosalba também comentou sobre a construção do estádio para as partidas de futebol. “Nós estamos com toda a obra do estádio, com a Ordem de Serviço já dada, e até o começo de julho é iniciada. As outras obras de mobilidade que são de responsabilidade do governo do estado, também, até setembro, elas estarão em execução porque já estão em processo de licitação”.

“Acho que essa reunião deixou todos nós mais fortalecidos para essa luta. Porque é muito melhor quando a gente pode se unir para ser mais forte. A Fifa não vai tirar Natal da Copa do Mundo e vamos acabar de uma vez por todas com essa conversa, porque o estádio já começa agora, já está licitado, já está dada a Ordem de Serviço, já está tudo encaminhado. As obras começam agora”.

Terça-feira, 22 de dezembro de 2009 às 11:43

A primeira medalha do Brasil nas Olimpíadas de 2016 será pela segurança total dos jogos

EntrevistasDurante entrevista exclusiva concedida à rádio O Dia FM esta manhã no Rio de Janeiro, o presidente Lula declarou que a primeira medalha que o Brasil vai ganhar nas olimpíadas sediadas aqui será pelo sucesso do País na garantia da paz durante os jogos. Ele acredita que até a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 o Brasil estará “infinitamente melhor do ponto de vista econômico, estará infinitamente melhor do ponto de vista educacional e nos vamos ter o Brasil infinitamente melhor do ponto de vista da segurança publica”. E não duvida que será possível ter segurança total nos eventos, desde que todos se envolvam nessa causa.

Lula defendeu que as autoridades políticas precisam trabalhar duro para despertar a paixão pelo esporte entre as crianças e os jovens brasileiros. Além de preparar o País para a Copa de 2014 e para as Olimpíadas de 2016, evita que muitos se envolvam com a criminalidade. “Nos temos a obrigação política agora de mobilizar o Brasil para ficar quatro anos no mesmo estado de emoção que estávamos quando conquistamos as olimpíadas.”, afirmou, dizendo que assim como educação, esporte para ele não é um gasto mas sim um investimento.

Leia o artigo completo »

Quarta-feira, 2 de dezembro de 2009 às 14:45

Brasil e Ucrânia, parceiros por uma nova ordem mundial

Quinta-feira, 29 de outubro de 2009 às 13:22

Dilma Roussef fala sobre violência no Rio, Copa 2014 e Olimpíadas 2016

bom dia, Ministro

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou hoje, no programa Bom Dia Ministro, que o crime organizado tomou conta das favelas porque o Estado não estava presente nessas localidades. Segundo ela, para melhorar a situação é preciso travar uma disputa do bem nessas regiões. “Com a polícia? É verdade, também, mas também com obras e com serviços públicos de qualidade para essa população”, afirmou.

Durante o programa a ministra falou da parceria entre os governos federal, estadual e municipal do Rio de Janeiro nas obras em andamento no Complexo do Alemão, Pavão-Pavãozinho, na Rocinha e em Manguinhos. Além disso, explicou o conjunto de medidas que o governo federal está tomando para preparar o Brasil para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Ouça aqui a íntegra do programa:

[podcast]http://blog.planalto.gov.br/wp-content/uploads/2009/10/bdm2910091.mp3[/podcast]

Quinta-feira, 8 de outubro de 2009 às 19:00

Rio 2016 e Copa do Mundo poderão ter PAC especial

O governo federal vai promover nos próximos dias uma série de discussões para definir como será a preparação para a Copa do Mundo e para os Jogos Olímpicos, que serão sediados no Brasil em 2014 e 2016, respectivamente. “A gente pode até chamar um PAC para as Olimpíadas e um PAC para a Copa”, disse a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, em entrevista coletiva realizada hoje após a apresentação do oitavo balanço do Programa de Aceleração do Crescimento, no Palácio Itamaraty.

Clique aqui para mais detalhes sobre o balanço.

Segundo a ministra, é fundamental que o governo preveja e execute uma série de obras para o sucesso dos dois eventos esportivos. Dilma destacou ainda a importância da oportunidade para que se faça uma grande mobilização da sociedade para a formação de atletas no País, que vão deixar para o Brasil um legado que vai muito além das competições.

Veja o vídeo:

Quinta-feira, 8 de outubro de 2009 às 16:06

Vídeo institucional em comemoração à vitória do Rio 2016

Quarta-feira, 7 de outubro de 2009 às 21:40

Rio 2016: comemore essa conquista, ela também é sua

Foi ao ar hoje, em todo o País, o novo vídeo institucional do Ministério do Esporte em comemoração pela escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Confira:

Narração: Cidadãos e atletas do mundo, bem-vindos ao País que sonha mais alto, que realiza mais rápido e cresce mais forte. Bem-vindos a um País onde o sol brilha com ouro, os sorrisos reluzem como prata e as peles mostram o bronze de uma gente de valor. Bem-vindo a um País apaixonado por esporte, onde tão importante quanto competir é festejar as vitórias com paixão. Maior festa do esporte do planeta, seja bem-vinda a um País, a um Estado e a uma cidade que lhe recebem de braços abertos. Olimpíadas e Paraolímpiadas 2016. É do Rio. É do Brasil. Comemore mais essa conquista. Ela também é sua.

Veja também imagens exclusivas da comemoração brasileira após a escolha do Rio como sede dos Jogos de 2016:

Abaixo, o vídeo institucional Passion Unity / Celebration produzido pelo cineasta Fernando Meirelles e apresentado durante reunião do Comitê Olímpico Internacional (COI) realizada em Copenhague:

Segunda-feira, 5 de outubro de 2009 às 11:04

Rio 2016 é investimento, não gasto

Tweets

Portal da Copa

Portal da Copa

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-