Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Sexta-feira, 26 de junho de 2015 às 19:52

Cosban avança para implantar projetos entre China e Brasil, garante Temer

O vice-presidente Michel Temer assegurou que a parceria Brasil-China tem registrado avanços muito expressivos nos últimos anos, principalmente pela intensificação das atividades da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban). Segundo Temer, a Cosban é o mecanismo de mais alto nível para discutir as relações bilaterais. Nesta sexta-feira (26), Temer presidiu pela terceira vez, juntamente com o vice-primeiro-ministro chinês Wang Yang, uma nova reunião da comissão, no Ministério das Relações Exteriores.

Pela manhã, Wang Yang havia se reunido com a presidenta Dilma Rousseff, quando conversaram sobre agendas bilaterais e concordaram sobre o dinamismo dessas relações. Após a reunião no Itamaraty, Temer lembrou que a intensificação de visitas entre os chefes de Estado e de governo dos dois países, além do forte intercâmbio de missões ministeriais, parlamentares, empresariais e acadêmicas, têm propiciado progressos notáveis para o avanço dos entendimentos entre Brasil e China em diversos campos.

965236-26062015-dsc_8758

Temer disse que desde 2009, Brasil e China mantêm parcerias comerciais privilegiadas e ressaltou a recente reabertura do mercado chinês às exportações brasileiras de carne. Antonio Cruz/Agência Brasil

O vice-presidente destacou, entre outros avanços, o crescimento das relações comerciais entre Brasil e China. “Apesar das circunstâncias do contexto econômico internacional, nossos fluxos bilaterais de comércio mantêm-se em nível elevado. De 2009 para cá, Brasil e China mantiveram a posição de parceiros comerciais privilegiados”, afirmou.

Michel Temer também ressaltou a recente medida de reabertura do mercado chinês para as exportações brasileiras de carne bovina. “É um estímulo às delegações de nossos dois países a continuar a somar esforços com vistas à ampliação do número de frigoríficos brasileiros habilitados a exportar para a China, o que contribuirá para a segurança alimentar do povo chinês e impulsionará, ainda mais, nossas correntes de comércio e investimentos”, assinalou o vice-presidente brasileiro.

Segundo Temer, o governo brasileiro acolhe muito positivamente o interesse chinês em participar de importantes projetos de infraestrutura no País e aumentar os investimentos no setor de alimentos, indústrias e serviços. “Avalio que estão maduras as condições para iniciarmos um novo ciclo de nossas relações no campo de investimentos, com ênfase no setor de serviços e na integração de nossas cadeias produtivas”, garantiu.

Quinta-feira, 25 de junho de 2015 às 19:00

Visita aos Estados Unidos marca renovação das relações com o Brasil, afirma embaixador

16927656247_4ca425422f_c

Presidenta Dilma inicia visita aos Estados Unidos a partir de domingo (28). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

Neste fim de semana, a presidenta Dilma Rousseff embarca para os Estados Unidos para visita oficial de trabalho. Ela tem compromissos em Nova Iorque, Washington e São Francisco. Serão reuniões com empresários, visitas a centros de pesquisa e inovação, além do encontro oficial com o presidente Barack Obama.

Para o subsecretário-geral político do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Carlos Antonio da Rocha Paranhos, a visita de Dilma marca uma importante retomada das relações entre os dois países, tanto do ponto de vista político quanto comercial.

“É uma visita cuja descrição não pode se circunscrever apenas à área econômica e comercial, é uma visita essencialmente política, de retomada de diálogo, mas muito bem concebida em termos de contratos na área empresarial, contratos na área de governo e contratos na área de ciência, tecnologia e inovação”, avalia Paranhos.

O embaixador salienta que o momento é oportuno também para a reaproximação dos países em termos de investimentos mútuos. “O objetivo principal é divulgar a importância que o Brasil atribui à relação com os Estados Unidos; a importância da retomada desses contatos e a importância da retomada de investimentos norte-americanos no Brasil, sobretudo no momento em que nós temos um programa importante de investimentos”, diz.

 

Terça-feira, 19 de maio de 2015 às 8:00

Visita oficial do primeiro-ministro da China e presidenta da UNE

Agenda presidencialNesta terça-feira (19), a presidenta Dilma Rousseff participa da cerimônia oficial de recepção ao primeiro-ministro da República Popular da China, Li Keqiang.

A chegada de Li Keqiang ao Palácio do Planalto está prevista para as 10h. Em seguida, Dilma e o primeiro-ministro terão audiência e farão assinatura de Atos. Eles também vão acompanhar a cerimônia on-line de inauguração das obras de Linhas de Transmissão Ultra-Alta da Usina Belo Monte. Após assistirem à transmissão, por volta do meio dia, está prevista uma declaração conjunta à imprensa.

Às 13h, no Palácio Itamaraty, a presidenta e Li Keqiang estarão na cerimônia de encerramento do Encontro Empresarial Brasil-China, que será seguida de almoço em homenagem ao primeiro-ministro.

Já de volta ao Palácio do Planalto, a presidenta recebe, às 17h30, a presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Virgínia Barros.

*Agenda sujeita a alterações ao longo do dia. Para atualizações, acesse o Portal Planalto.

Sexta-feira, 15 de maio de 2015 às 15:32

Brasil e Vietnã conversam sobre fortalecimento do comércio bilateral e relação com bloco da Asean

A visita da vice-presidenta do Vietnã, Nguyen Thi Doan, à presidenta Dilma, nesta sexta-feira (15), marca o fortalecimento das relações entre Brasil e Vietnã, restabelecidas em 1989. É o que afirmou o subsecretário de Ásia e Oceania do Itamaraty, José Alfredo Graça Lima, em entrevista exclusiva ao Blog do Planalto. Só no período de 2003 a 2012 o comércio entre os dois países saltou de US$ 47,1 milhões para US$ 1,6 bilhão.

Em sua reunião com a vice-presidenta do Vietnã, Nguyen Thi Doanm, a presidenta Dilma conseguiu apoio para que o Brasil se torne parceiro comercial da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Em sua reunião com a vice-presidenta do Vietnã, Nguyen Thi Doan, a presidenta Dilma conseguiu apoio para que o Brasil se torne parceiro comercial da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Essa reunião é um reflexo do processo de fortalecimento que vem passando as relações entre Brasil e Vietnã. Entre 2003 e 2012 houve um crescimento de mais de 6000% no comércio entre os dois países. (…) E se falou também sobre o futuro, no sentido de como essa relação pode ainda mais se adensar e servir para projetar acordos em diversas áreas”, afirmou.

O embaixador também acrescentou o interesse do Brasil em se tornar parceiro comercial da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), bloco econômico integrado por 12 países do Pacífico, entre eles o Vietnã. Só em 2012, o Produto Interno Bruto (PIB) das nações do grupo chegou a U$$ 2 trilhões.

“O Vietnã é dos países mais atuantes dentro da Asean, que pode vir a ser um parceiro estratégico do Brasil no futuro. O Vietnã tem uma posição favorável a que o Brasil se torne parceiro comercial do bloco alcançando o mesmo status de países como a Coreia de Sul e a China, por exemplo”, destacou.

Sexta-feira, 24 de abril de 2015 às 8:05

Visita oficial da presidenta da República da Coreia

Agenda presidencial

Nesta sexta-feira (24), a República da Coreia inicia visita de Estado ao Brasil. Às 11h, a presidenta Dilma Rousseff recebe, em cerimônia oficial no Palácio do Planalto, a presidenta Park Geun-hye.

Às 11h20, será realizada uma reunião privada entre as mandatárias, seguida de cerimônia de assinatura de atos, às 12h20; e de declaração à imprensa, às 12h30.

A partir das 13h, Dilma oferecerá um almoço em homenagem à presidenta Park Geun-hye, no Palácio Itamaraty.

*Agenda sujeita a alterações ao longo do dia. Para atualizações, acesse o Portal Planalto.

Quarta-feira, 22 de abril de 2015 às 18:51

Brasil e Coreia do Sul vão aprofundar parceria no Ciência sem Fronteiras

Brasil Coreia do Sul

O Brasil vai aprofundar a parceria com a Coreia do Sul no âmbito do Ciência Sem Fronteiras.  Esse é um dos temas da primeira visita de Estado da presidenta daquele país, Park Geun-hye, a partir da próxima sexta-feira (24). Geun-hye será recebida pela presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

Desde 2012, a Coreia do Sul já recebeu 449 bolsistas brasileiros do programa em universidades coreanas. Além disso, mais de 100 empresas da Coreia do Sul tem oferecido estágios profissionalizantes para os estudantes brasileiros. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (22), durante entrevista coletiva concedida pelo subsecretário-geral Político do Itamaraty, embaixador José Alfredo Graça Lima.

Segundo o embaixador José Alfredo Graça Lima, a Coréia do Sul já recebeu 449 bolsistas brasileiros. Foto: RafaB/PR

Segundo o embaixador José Alfredo Graça Lima, a Coreia do Sul já recebeu 449 bolsistas brasileiros. Foto: RafaB/PR

Além da área de educação, os dois países pretendem aprofundar também a cooperação em investimento, ciência e tecnologia, inovação, comércio, cultura e energia. Após o encontro bilateral, haverá uma cerimônia de assinatura de atos, para oficializar parcerias nesses temas, e um almoço, no Palácio do Itamaraty, oferecido pela presidenta Dilma à governante coreana.

Veja roteiro da presidenta da Coreia do Sul no Brasil
Após a agenda com a presidenta Dilma, Park Geun-hye vai para São Paulo participar de um encontro empresarial organizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pela Câmara coreana de comércio e indústria.

No dia seguinte, Park se reúne com representantes da comunidade coreana no Brasil, estimada em 50 mil pessoas.

Balança Comercial
Outra pauta em destaque no encontro é a balança comercial entre os dois países. A Coreia do Sul é o sétimo maior parceiro comercial do Brasil no mundo. E o Brasil é o maior parceiro dos coreanos na América Latina. No entanto, o saldo é desfavorável para os brasileiros. O fluxo comercial foi de US$ 12,3 bilhões em 2014, com déficit de US$ 4,7 bilhões.  Este ano, até março, o comércio está em US$ 2,5 bilhões, com déficit de US$ 1,04 bilhão.

Para o embaixador José Alfredo Graça Lima, uma das formas de equilibrar o comércio entre os dois países é abertura do mercado coreano para a carne suína brasileira. “É um produto com valor agregado importante, para que se possa almejar um maior equilíbrio na balança comercial. Independente disso é importante ressaltar também que a Coreia é fonte de investimentos produtivos importantes no Brasil no setor siderúrgico, automotivo”, disse o embaixador.

Ainda de acordo com Graça Lima, a Coreia do Sul é responsável por aproximadamente US$ 3 bilhões em investimentos no Brasil, principalmente nas áreas automotiva, de semicondutores e de siderurgia.

Domingo, 1 de março de 2015 às 7:30

Relações entre Brasil e Uruguai estão em estágio excepcional, avalia embaixador

A presidenta Dilma Rousseff será uma das chefes de Estado presentes à cerimônia de posse de Tabaré Vázquez, que assume a presidência do Uruguai neste 1º de março, sucedendo José Mujica.

O Uruguai tem sido, nos últimos anos, um dos principais parceiros comerciais do Brasil na América Latina. O Brasil é o principal destino das exportações uruguaias e o segundo maior fornecedor de produtos para o país. Em 2014, o intercâmbio bilateral alcançou US$ 4,86 bilhões (crescimento de mais de 25% em relação a 2013), superando recorde histórico anterior, registrado em 2012.

Segundo o embaixador brasileiro no Uruguai, João Carlos de Souza Gomes, as relações de cooperação e interconexão entre os dois países têm se ampliado nos últimos anos em diversos setores. Ele destaca que Brasil e Uruguai atuam fortemente para ampliar integração não só bilateralmente quanto regionalmente, sobretudo no âmbito do Mercosul e Unasul.

Prova disso é o Grupo de Alto Nível Brasil-Uruguai (GAN), um projeto de integração profunda e abrangente, concebido como motor e exemplo para o aprofundamento do processo de integração regional. Seu objetivo é coordenar a implementação de projetos bilaterais prioritários, centralizando as iniciativas desenvolvidas nas diversas áreas do relacionamento bilateral. O embaixador brasileiro enumera diversos projetos em andamento que trarão benefícios nas áreas de infraestrutura, circulação de bens e pessoas e comércio interregional.

“Foi concluída a ferrovia que vai unir o Brasil ao Uruguai e isso tem um significado muito importante porque a maior parte do comércio entre os dois países é feito através de rodovias. Então, ao disponibilizar-se uma ferrovia, você vai conseguir um aumento do comércio a custos mais reduzidos”, cita João Carlos.

João Carlos destaca outra obra que trará importantes benefícios para toda a região: a construção da segunda ponte sobre o rio Jaguarão, que divide Brasil e Uruguai. “Essa obra vai permitir o aumento do fluxo de caminhões e de carros de passeio e medidas também na área da livre circulação de bens e pessoas”, afirma.

O embaixador acredita que as relações entre Brasil e Uruguai atingiram um estágio excepcional e diz que o mandato de Tabaré Vázquez dará continuidade às parcerias já existentes entre os dois países.

“De fato, o Brasil e o Uruguai são países irmãos. Nós temos certeza que a relação deve continuar nesse mesmo nível de intensidade, de amizade e cooperação. Nós temos pela frente ainda um largo caminho a ser percorrido, mas que está sendo acelerado de uma forma muito harmônica em benefício dos dois países. Sempre digo que entre o Brasil e o Uruguai nada nos separa e tudo nos une”, finaliza.

Sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015 às 14:22

Alemanha e Brasil vão inaugurar consultas intergovernamentais

A presidenta Dilma Rousseff se reuniu, nesta sexta-feira (13), com o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, no Palácio do Planalto. Um dos principais assuntos da reunião foi a preparação das Consultas Intergovernamentais de alto nível entre os dois países, arranjo que será inaugurado em agosto com a presença da chanceler Angela Merkel em Brasília.

Durante visita, ministro alemão tratou ainda com presidenta Dilma sobre livre comércio entre Mercosul e União Europeia, entre outros temas. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Durante visita, ministro alemão tratou ainda com presidenta Dilma sobre livre comércio entre Mercosul e União Europeia, entre outros temas. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Em entrevista coletiva após a reunião, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, explicou que “as consultas intergovernamentais são um mecanismo de discussão abrangente e amplo sob a liderança da presidenta Dilma e da chanceler Merkel, e com a participação de ministros dos dois gabinetes, responsáveis pelos principais temas bilaterais”.

Além das consultas, outros temas bilaterais discutidos foram livre comércio entre Mercosul e União Europeia, reforma do Conselho de Segurança da ONU, governança na internet, direito à privacidade na era digital, investimentos e cooperação nas áreas de ciência, tecnologia, inovação e educação.

Vieira ressaltou que a Alemanha é o principal parceiro do Brasil na Europa, e o quarto no mundo. Hoje, são 1,6 mil empresas alemãs no País. “Precisamos continuar e ampliar os fluxos de comércio e investimentos para o bem da nossa economia”, disse o ministro.

Steinmeier destacou que os dois países possuem valores em comum, mas também interesses econômicos. Em sua delegação foi acompanhado de vários empresários interessados em informações de investimentos no Brasil. “A mensagem que queremos emitir com a visita é que continuamos a ser parceiros confiáveis em questões de economia e investimentos. As crises que acontecem nesse momento na Europa e na América do Sul nos aproximam nas relações externas.”

Memorando Férias-Trabalho
Após a reunião com a presidenta Dilma, o ministro Steinmeier assinou, juntamente com o ministro Mauro Vieira, o Memorando de Entendimento entre o Governo do Brasil e da Alemanha sobre um Programa de Férias-Trabalho.

O memorando manifesta a intenção de possibilitar aos jovens de ambos os países viajar à Alemanha ou ao Brasil por um período mais longo e exercer uma atividade remunerada temporária para fins de complementação dos recursos financeiros da viagem ou da formação.

Para o ministro alemão, o memorando é um grande progresso. “Poderemos possibilitar o acesso ao trabalho àqueles que, por razão profissional ou acadêmica, querem conhecer e visitar durante algum tempo o outro pais. Esse memorando que assinamos essa manhã dará essa oportunidade a curto e médio prazo”, afirmou.

Quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015 às 21:10

Brics querem aprender com avanços nas polpolíticas sociais brasileiras

Quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015 às 21:07

Parceiros do Brics querem aprender com avanços nas políticas sociais brasileiras

Rússia, Índia, China e África do Sul manifestaram interesse em aprender com os avanços alcançados pelo Brasil com o Minha Casa, Minha Vida, programas de urbanização de favelas, políticas para as mulheres, combate à pobreza, desenvolvimento agrário e prevenção e tratamento de pessoas portadoras de HIV. A avaliação foi feita pelo secretário de Ações Estratégicas da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), Ricardo Paes de Barros, nesta quinta-feira (12), na apresentação da Agenda de Cooperação em Assuntos Populacionais do Brics 2015-2020.

"As oportunidades de cooperação com o Brics são imensas e a gente está começando a escavar e aproveitar essas oportunidades", disse Paes de Barros. Foto: Renan Carvalhais - Gabinete Digital/PR

“As oportunidades de cooperação com o Brics são imensas e a gente está começando a escavar e aproveitar essas oportunidades”, disse Paes de Barros. Foto: Renan Carvalhais – Gabinete Digital/PR

O documento consolida o resultado da I Reunião de Ministros Responsáveis por Assuntos Populacionais do Brics e II Seminário de Funcionários e Peritos em Questões Populacionais do Brics, que acontece em Brasília de 10 a 13 de fevereiro. As experiências compartilhadas entre os cinco países estabeleceu uma agenda de cooperação em seis assuntos: planejamento, metodologia, indicadores e metas; grupos demográficos (cuidados com crianças, jovens e pessoas com necessidade de assistência); transição e pós-transição demográfica; empoderamento de mulheres e meninas; saúde sexual e reprodutiva; e migração e urbanização.

Paes de Barros listou as experiências brasileiras que despertaram atenção dos parceiros do Brics durante a reunião ministerial.

“Violência doméstica, eu acho que é uma área em que eles têm um interesse muito grande, o Brasil tem feito avanços importantes com a Lei Maria da Penha; toda a nossa política lidando com urbanização, por exemplo programas como o Minha Casa, Minha Vida, programas de urbanização de favelas que valoriza o capital das famílias mais pobres; até a política de Saúde e prevenção e cuidado com os portadores de HIV, para a África do Sul, por exemplo, tem uma importância muito grande. E todas as políticas nossas de combate à pobreza e desenvolvimento agrário também têm uma importância muito grande para esses países”, disse.

Ele apontou também os pontos fortes dos outros países com os quais o Brasil pode aprender, discutir internamente e colocar em prática. Citou que com os russos e chineses, por exemplo, pode aprender da experiência de como elevar a participação da mulher no mercado de trabalho, bem como reduzir as diferenças de gênero. Falou também que com estes dois países pode-se aprender como reduzir a desproporção entre o papel da mulher e do homem dentro de casa e como promover a maior participação da mulher em posições de decisão no setor privado e no setor público brasileiro.

“O Brasil tem metas muito arrojadas desde redução da pobreza, como igualdade de gênero, igualdade racial e direitos humanos e a gente precisa de inovações e aperfeiçoamento em política pública. Quanto mais a gente conseguir interagir com países, os mais diversos possíveis, e que tenham políticas inovadoras, melhor para o Brasil. As oportunidades dessa cooperação com o Brics são imensas e a gente está começando a escavar e aproveitar essas oportunidades”, afirmou. Explicou também que a Comissão Nacional de População e Desenvolvimento é a responsável no País de reunir toda essa informação e experiência e compartilhar com os ministérios.

A próxima reunião ministerial sobre o tema será realizada em 2018, na China. Até lá, acontece uma programação de reuniões técnicas sobre cada uma das seis áreas temáticas identificadas como de interesse comum para avançar no intercâmbio e na cooperação.

Consolidação do Brics
Alexandre Ghisleni, diretor do departamento de Direitos Humanos e Temas Sociais do Itamaraty, destacou que a reunião realizada no Brasil tem como resultados contribuir para a consolidação da identidade do Brics e para a definição da cooperação Sul-Sul.

“Nós estamos consolidando o Brics como um agrupamento de países que tem uma agenda própria, que tem cooperação interna, que tem pontos em comum, e que, portanto, pode se projetar com uma identidade própria. Destacamos a necessidade de cooperação Sul-Sul, os países do Brics gostariam de compartilhar nossa experiência não apenas entre nós mas com outros países em desenvolvimento que tiverem interesse.”

Ele declarou também que, ao tratar do tema População e Desenvolvimento, os países do Brics produzem material de interesse para o mundo em desenvolvimento e que tem impacto positivo no prosseguimento das discussões internacionais que irão acontecer em abril na Comissão de População e Desenvolvimento das Nações Unidas.

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-