Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Segunda-feira, 29 de junho de 2015 às 16:35

Governo brasileiro deve anunciar metas para o clima em conjunto com os EUA, afirma Dilma

Brasil-EUA-2015
Um dos pontos fundamentais dos encontros de trabalho que manterá com o presidente norte-americano, Barack Obama, será a questão da mudança climática, afirmou a presidenta Dilma Rousseff nesta segunda-feira (29), em entrevista coletiva aos jornalistas, concedida em Nova Iorque, após reunião com empresários e investidores internacionais. Ela chegou a Washington no final da tarde desta segunda feira e será homenageada à noite com um jantar no Salão Azul da Casa Branca.

Segundo Dilma Rousseff, o governo brasileiro pretende fazer anúncios conjuntos de redução de emissões de gases de efeito estufa durante a Conferência Mundial da ONU sobre o Clima (COP 21), que será realizada em Paris, em dezembro. “Neste ano você tem a COP 21. E, dentro da COP 21, nós pretendemos fazer anúncios conjuntos, o Brasil e o governo americano”, disse ela.

Ainda em Nova Iorque, a presidenta também anunciou que o governo apresentará, até agosto, o plano nacional de investimentos em energia elétrica. Além disso, informou, “vamos lançar até o dia 7 de julho, a 13ª rodada de concessão na área de petróleo e gás. Ela já foi anunciada na OTC, no início desse ano, mas será integralmente apresentada agora, dia 7 de julho”.

Encontro com empresários

Durante a coletiva, antes de embarcar para Washington, Dilma se mostrou satisfeita com os resultados das reuniões realizadas na manhã desta segunda-feira com investidores privados dos Estados Unidos. “Queríamos discutir as condições macroeconômicas de investimento no Brasil e mostrar que eles eram muito bem-vindos”, afirmou a presidente. “Queremos a participação de investidores estrangeiros.”

No encontro com empresários do setor financeiro, estiveram presentes, entre outros, representantes dos grupos Blackrock, Blackstone Group, Blenheim Capital Management, Cerberus Global Investiments, Citigroup, Diamond Offshore Drilling, Loews Corporations, JP Morgan, Starwood Capital Bondmann, TGP Partners, Valor Capital Group e Warburg Price Pincus.

Entre os empresários do setor produtivo, disse ela, compareceram representantes de várias companhias da área de energia, automobilística, educação, saúde e de petróleo e gás, entre outros. “Foi uma coisa extremamente forte. Porque estavam reunidos aqui, para serem apresentados, todo o programa de investimento em logística, com seus detalhes, com todos os dados”, explicou.

Confira a íntegra

 

Terça-feira, 9 de junho de 2015 às 16:02

Levy: País está no caminho certo para ter mais empregos e economia mais sofisticada e produtiva

O País está no caminho certo para ter mais empregos e uma economia cada vez mais sofisticada e produtiva. Isso porque está fazendo os ajustes econômicos necessários ao momento atual e criando as condições para, ao mesmo tempo, lançar um programa de investimentos, como foi feito nesta terça-feira (9), pela presidenta Dilma Rousseff.

Segundo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, com a saúde econômica em ordem é possível entrar em outra etapa de crescimento, de investimentos, atrair parceiros e desenvolver a capacidade do País. Foto: RafaB/Blog do Planalto.

Segundo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, com a saúde econômica em ordem é possível entrar em outra etapa de crescimento, de investimentos, atrair parceiros e desenvolver a capacidade produtiva do País. Foto: RafaB/Blog do Planalto

A avaliação é do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em entrevista exclusiva ao Blog do Planalto, após o anúncio da segunda fase do Programa de Investimento em Logística (PIL), que vai mobilizar investimentos de R$ 198,4 bilhões, beneficiando diretamente 20 estados e 130 municípios.

Com a saúde econômica do País em ordem, diz Levy, é possível entrar nessa outra etapa de crescimento, de investimentos, atrair parceiros e desenvolver nossa capacidade produtiva. “No caso aqui, a capacidade de logística, que baixe os custos da produção no Brasil e aumente o conforto de quem vai viajar de avião ou até de ônibus. Enfim, cria esse desenvolvimento da economia.”

Para ele, as duas ações do governo dialogam uma com a outra. “Uma fortalece a outra. Na hora em que a gente faz o ajuste, cria as condições para estar lançando um plano ambicioso de investimento. Ao mesmo tempo, na hora em que eu faço o investimento, volto a crescer, tenho mais receitas. E, se eu mantiver a disciplina, a capacidade de pagamento do governo é favorecida, até os juros vindo a cair e a inflação [ficando] menor. Então uma coisa está sempre dialogando com a outra”.

E acrescentou: “Como disse a presidenta Dilma, as nações mostram que são capazes de crescer e de se realizar também no momento de maior sacrifício, momento de ajuste. É aí que a gente vê, realmente, aquela fibra de uma nação e a gente vai nesse caminho. Caminho de ter mais emprego e de uma economia cada vez mais sofisticada e produtiva.”

Terça-feira, 9 de junho de 2015 às 15:30

Investimentos em logística vão girar mais rapidamente a roda da economia, diz Barbosa

A segunda fase do Programa de Investimentos em Logística (PIL), lançada nesta terça-feira (9), é parte da agenda de investimentos do governo e vai conduzir o País à retomada do crescimento da economia de forma sustentável. Em entrevista exclusiva ao Blog do Planalto, o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, explicou que os investimentos em infraestrutura e logística promoverão resultados já no curto prazo.

 “Os projetos apresentados atacam os principais gargalos de infraestrutura e logística identificados no País”, afirmou Nelson Barbosa. Foto: RafaB/Blog do Planalto

“Os projetos apresentados atacam os principais gargalos de infraestrutura e logística identificados no País”, afirmou Nelson Barbosa. Foto: RafaB/Blog do Planalto

“É possível aumentar rapidamente a produtividade do Brasil reduzindo custos e melhorando serviços com mais investimentos em portos, aeroportos, rodovias e ferrovias”, disse o ministro. O aumento do investimento aliado à elevação da produtividade é condição necessária para o crescimento sustentável. “Com esses investimentos, vamos alavancar mais atividades, mais empregos e fazer a roda da economia girar mais rapidamente.”

Ao promover o crescimento sustentável, o programa, além de ser uma etapa da política econômica, representa também uma estratégia de política social. O ministro lembrou que o governo conseguiu nos últimos anos combinar crescimento e distribuição de renda.

“Estamos em um momento de alguns ajustes da política econômica devido às atuais condições internacionais e domésticas. É o momento de construirmos as bases para o novo momento com ampliação do ganhos sociais e para o ganho na produtividade. Com isso, poderemos crescer mais e aumentar a distribuição de renda”, disse o ministro.

Programa atende demandas do setor produtivo
Para Barbosa, o programa lançado hoje vem ao encontro de demandas do setor produtivo, de se investir mais em infraestrutura e fazer isso em condições próximas às de mercado. “Os projetos apresentados, primeiro atacam os principais gargalos de infraestrutura e logística identificados no País e a nossa proposta é fazer isso com preços realistas, que atendam as condições de mercado.”

O PIL é baseado em concessões em que o governo organiza os projetos, elabora os editais e define critérios de licitação, criando condições de operação que sejam atraentes ao setor privado. “É crucial a participação do setor privado em coordenação com o governo”, disse Barbosa. E ressaltou que é ainda mais importante que as condições definidas permitam a prestação de serviços de qualidade com custos adequados.

O programa realizará um dos maiores investimentos em logística da história do País. “É um programa de vários anos, cerca de R$ 198 bilhões, dos quais R$ 70 bilhões devem ser executados nos próximos quatro anos. Mas esses R$ 198 bilhões são projetos que nós vamos iniciar até 2018”, falou o ministro.

Ele ainda destacou que o PIL faz parte de uma agenda de investimentos do governo. Na última terça-feira (2) ,foi lançado o Plano Safra 2015-2016. E já na próxima semana será anunciado o Plano Safra de Agricultura Familiar. Em seguida, será a vez do Plano Nacional de Exportações, do Plano Nacional de Banda Larga e também da terceira fase do Minha Casa, Minha Vida. “São várias iniciativas que se complementam e que vão gradualmente recuperar o investimento e recuperar o crescimento da economia”, declarou Nelson Barbosa.

Quarta-feira, 27 de maio de 2015 às 20:30

Aprovação das MPS é fundamental para a retomada dos investimentos no País, afirma Dilma

Brasil e México
A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (27) que o Brasil entrará em um novo capítulo após a aprovação das Medidas Provisórias 664 e 665 pelo Congresso Nacional. As medidas, que corrigem distorções na concessão de benefícios trabalhistas e previdenciários, fazem parte do ajuste fiscal anunciado pelo governo no final do ano passado. Para a presidenta, elas são fundamentais para a retomada do crescimento do País.

Nesta terça-feira (26), o Senado brasileiro aprovou a MP 665, que garante mais critério no acesso ao seguro-desemprego, ao abono-salarial e ao seguro-defeso. Já a MP 664, que corrige distorções na pensão por morte, foi aprovada na noite desta quarta-feira (27).

“Vamos tentar concluir essas votações o mais rápido possível. Porque a nós interessa superar essa questão das votações das medidas provisórias e da lei da desoneração. Porque nós queremos entrar num outro capítulo,” afirmou a presidenta em entrevista coletiva concedida à imprensa, na manhã desta quarta-feira, na Cidade do México.

Em conversa com os jornalistas, a presidenta enfatizou que a aprovação das medidas vão garantir o equilíbrio necessário às contas públicas e que permitirão que o governo adote, nos próximos meses, uma série de iniciativas para a retomada dos investimentos na economia brasileira. Nesse sentido, ela citou o lançamento da nova fase do programa de Concessões – previsto para o dia 9 de junho – e do Minha Casa, Minha Vida 3.

Viagem ao México
A presidenta Dilma Rousseff fez sua primeira visita de Estado ao México nesta terça e quarta-feiras (26 e 27), onde assinou diversos acordos para ampliar o já intenso comércio bilateral entre Brasil e México.

Na coletiva de hoje, ela listou, entre os principais ganhos da viagem, as negociações para a ampliação do Acordo de Complementação Econômica (ACE 53), que atualmente regulamenta o comércio bilateral dos dois países em relação a mais de 800 produtos e que pode ser ampliado para seis mil itens; além da assinatura do Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI).

Para a presidenta, esse último instrumento representa uma inovação para as economias brasileiras e mexicanas, já que cria um marco legal para a proteção e atração de investimentos nos dois países.

Na visita da presidenta à Cidade do México também foram assinados acordos nas áreas de facilitação de investimentos, serviços aéreos, pesca, turismo, agricultura tropical, desenvolvimento sustentável e cooperação científica e tecnológica.

Só no ano passado, o comércio bilateral entre Brasil e México – as duas maiores economias da América Latina – chegou a quase U$$ 10 bilhões, um crescimento de 94% em relação a 2004. Além disso, quase 97% do comércio bilateral entre os dois países são produtos industrializados de alto valor agregado.

Terça-feira, 12 de maio de 2015 às 20:28

Dilma: Brasil e China têm relação estratégica e expertise chinesa em infraestrura é importante

Brasil e China têm hoje uma importante relação estratégica, já que ambos oferecem diversas oportunidades de interesse mútuo, como no mercado de exportação e, principalmente, na área de investimento em infraestrutura. A afirmação foi feita pela presidenta Dilma Rousseff, em entrevista publicada pelo China Business News justamente quando o Brasil se prepara para receber a visita do primeiro-ministro chinês Li Keqiang, agora em maio, e às vésperas do lançamento do maior programa de investimento em infraestrutura do País.

“Nós hoje temos grandes oportunidades, apresentadas pelo perfil dos nossos países. Cooperação, por exemplo, na área de alimentos processados. A cooperação na área de transporte aéreo, na área de tecnologia da informação, em que a China teve grandes resultados. Tudo isso cria um caminho para nossa cooperação. Além disso, o Brasil passa por um momento em que todo o conhecimento e a expertise da China na área de investimento em infraestrutura nós podemos aproveitar, tanto na área de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos”, disse a presidenta.

Sobre a visita do primeiro ministro chinês, Dilma Rousseff acrescentou que acreditar que será discutida a questão do investimento em infraestrutura. “Eu acho um estreitamento dos fluxos de comércio entre o Brasil e a China e todo o continente latino-americano, porque quando o presidente Xi Jinping esteve no Brasil, para participar da reunião dos Brics e também da Copa, nós tivemos uma muito proveitosa reunião entre o presidente e todos os presidentes aqui da Unasul, que é a união dos dez países latino-americanos. Então, eu acho que também na questão do livre comércio nós daremos passos”, destacou.

A presidenta também enumerou novas áreas de cooperação, como alimentos processados, transportes aéreos, tecnologia da informação, do turismo “e até, também, eu acredito, de toda a indústria de software e também de indústrias criativas em que o Brasil e a China têm muito a compartilhar”.

Confira a entrevista da Presidenta Dilma ao China Business News:

Segunda-feira, 27 de abril de 2015 às 22:45

Governo define prioridades e deve anunciar plano de investimentos em semanas, diz Edinho Silva

ministro270415

Edinho: nesta segunda-feira, foram definidas prioridades para as áreas de portos, investimentos urbanos (tanto saneamento quanto mobilidade e habitação), comunicação e também de cabotagem.

O governo concluiu nessa segunda-feira (27) o levantamento de todas as áreas prioritárias para os investimentos em infraestrutura no País. Durante uma reunião realizada hoje entre a presidenta Dilma Rousseff e vários ministros, ficaram definidas as prioridades para as áreas de portos, investimentos urbanos (tanto saneamento quanto mobilidade e habitação), comunicação e também de cabotagem.

As informações foram dadas pelo ministro Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social (Secom), durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

Com isso, informou o ministro, foi iniciada a definição das prioridades, área por área. “O que criou uma agenda de trabalho para cada ministério. Para que possam apresentar, no curto prazo e de forma detalhada, seus projetos. E a presidenta Dilma possa anunciar um plano de investimento para o nosso País já no período de semanas”, afirmou.

Sobre o total de investimentos previstos no plano, o ministro disse que seria prematuro estimar agora esse valor. Segundo ele, a presidenta fez uma primeira reunião, cada área apresentou aquilo que elencou como prioridades e está trabalhando, com muita determinação, para que cada projeto seja definido.

Ele avaliou que as áreas tratadas hoje são importantes para o governo e explicou que “não tivemos condições de ouvir as propostas dos ministros no último sábado”, (25), quando foi iniciado o levantamento, durante um encontro entre a presidenta e os ministros no Palácio da Alvorada, com a participação também de dirigentes de bancos públicos.

Portugal e Espanha
Edinho destacou ainda que, durante a reunião desta segunda-feira, o vice-presidente da República, Michel Temer, fez um relato de sua viagem a Portugal e Espanha, onde participou de diálogos com as lideranças, gestores e com os governantes de cada país, para avaliar o impacto do ajuste econômico que cada um dos países vivenciou.

“Os governantes dos dois países fizeram um balanço extremamente positivo porque, pós-ajustes, tanto Espanha quanto Portugal criaram uma agenda de futuro, uma agenda de desenvolvimento, uma agenda de retomada do crescimento”, comentou.

Áreas sociais terão prioridade nos investimentos
Em resposta a perguntas sobre a programação orçamentária e prioridades para os investimentos em 2015, Edinho Silva enfatizou que o tema não foi tratado na reunião desta segunda-feira, mas fez questão de frisar que os investimentos sociais serão mantidos. “Não entramos em nenhum debate específico sobre economia”, disse.

Mas ressaltou que a presidenta, “em momento algum, debateu ou considerou a possibilidade de corte nas áreas sociais. Elas não serão atingidas por nenhum corte”, reafirmou. Ele acrescentou que a presidenta também pediu prioridade nas obras estruturantes, aquelas que ajudam o Brasil a superar dificuldades históricas, do ponto de vista logístico, de infraestrutura, no que diz respeito a escoamento da produção, a facilidade de acesso à população.

“Da mesma forma, também a área de comunicação será priorizada pelo governo e os investimentos dessa área também serão tratados como prioritários”. E acrescentou: “Na reunião de sábado, a presidenta o tempo todo demonstrou preocupação que as obras que têm relação direta com a melhoria da qualidade de vida [da população], do ponto de vista de nós superarmos dificuldades estruturais do nosso País, que muitas vezes penalizam os setores mais empobrecidos”.

Segundo Edinho, Dilma Rousseff pediu para que essas obras tivessem, primeiramente, celeridade. “Segundo, que fosse feito o estudo detalhado, para que a população fosse beneficiada imediatamente. Ou seja, que nenhuma obra fosse entregue e que, por algum detalhe, a população não fosse atendida. Então ela pediu detalhamento, principalmente nas obras hídricas”, exemplificou.

Segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 às 21:34

Grupo Celac-China decide ampliar investimentos mútuos a US$ 250 bilhões em dez anos

Com informações do MRE

Representantes da China e dos países da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), aprovaram três documentos principais durante a primeira reunião do foro, realizada na última semana, em Pequim. Segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (12), pelo Itamaraty, o principal documento aprovado foi o Plano de Cooperação 2015-2019, que abrange uma ampla gama de iniciativas.

Representantes da China e da Celac aprovaram o Plano de Cooperação 2015-2019. Foto: divulgação Itamaraty

Representantes da China e da Celac aprovaram o Plano de Cooperação 2015-2019. Foto: divulgação Itamaraty

Pelo plano, os signatários do acordo se comprometeram a ampliar o comércio e os futuros investimentos entre a China e os países da Celac, de forma equilibrada e benéfica para os dois lados. A meta prevista para o comércio é de US$ 500 bilhões e os investimentos recíprocos devem alcançar US$ 250 bilhões em dez anos, com ênfase especial em alta tecnologia e produção de bens de valor agregado (produtos industrializados).

O foro também decidiu aumentar a troca de visitas, encontros e foros multilaterais entre os líderes da China e da Celac e seus estados-membros, além de aumentar o diálogo e os mecanismos de consulta entre os dois lados. A meta é a plena utilização do fórum como plataforma.

Intercâmbio
Os países do foro consideram a possibilidade de realizar intercâmbios entre partidos políticos, governos locais e jovens chineses e latino-americanos. Nesse sentido, a China irá convidar 1.000 líderes políticos dos países da Celac para visita aquele país nos próximos cinco anos. A China oferecerá aos países da Celac mais de 10 mil bolsas de estudo em diversas categorias no período de quatro anos.

Deve ser realizado, no devido prazo, o Fórum China-América Latina e Caribe Prefeitos de Capitais e o Fórum de Cooperação China-América Latina e Caribe Governos Locais. A China manterá o Fórum China-América Latina e Caribe Jovens Líderes Políticos.

Fortalecimento das relações
O Foro Celac-China é o primeiro mecanismo de interlocução externa formalizado pela Celac com um país em desenvolvimento. Segundo o Itamaraty, o papel da Celac será gradualmente fortalecido, como mecanismo representativo da região, que veicula consensos regionais construídos com base nos interesses nacionais de seus Estados-membros.

Para o chanceler chinês, Wang Yi, a I Reunião Ministerial do Foro Celac-China abre uma nova janela para as relações entre os países envolvidos. Para ele, desde a entrada do novo século, a China e as nações da América Latina vêm seguindo estreitamente a tendência de desenvolvimento conjunto, reforçando de forma constante os intercâmbios político, econômico-comercial e cultural.

Essa cooperação resultou em inúmeros êxitos nos domínios de recursos e energia, infraestrutura, finanças, agricultura e manufatura e tecnologia de ponta. Agora, acrescentou em artigo na imprensa local, a reunião ministerial materializa a cooperação integral entre China e Celac.

“Para mim é motivo de especial satisfação que minha primeira participação em um encontro multilateral como chanceler do Brasil se dê em uma reunião que congrega todos os países da América Latina e Caribe, com os quais compartilhamos história, cultura, desafios, bem como diversas oportunidades de cooperação, e a China, principal parceiro comercial do Brasil, importante parceiro estratégico”, afirmou o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira.

“Inauguramos um mecanismo com potencial para conceber e implementar novas iniciativas que reforcem e diversifiquem o relacionamento sino-latino-americano e caribenho. Lançamos, hoje, uma parceria duradoura, equilibrada e plena de possibilidades”, acrescentou.

O tema do foro foi Nova Plataforma, Novo Ponto de Partida, Nova Oportunidade. O grupo China-Celac foi criado em 2011 e é composto por 34 países, correspondendo a 21% do PIB, 26% da população e 19% do território mundiais. O foro foi lançado durante a Cúpula de Brasília que reuniu líderes da China e de países da América Latina e Caribe. A ideia da reunião entre os chanceleres foi proposta pela China, durante a Cúpula de Brasília de Líderes do país e da Celac em Brasília, em julho de 2014, como forma de incrementar sua aproximação e investimentos na região.

Segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 às 13:51

Investimentos no Minha Casa, Minha Vida estão mantidos, afirma Kassab

O novo ministro das Cidades, Gilberto Kassab, garantiu, em entrevista exclusiva ao Blog do Planalto, que os investimentos em obras do Minha Casa, Minha Vida estão mantidos para 2015. Kassab fez essa afirmação após reunião com a presidenta Dilma na manhã desta segunda-feira (12), no Palácio do Planalto.

"O Minha Casa Minha Vida é um programa que terá continuidade e que permanecerá como uma prioridade do governo", disse o ministro das Cidades. Foto: RafaB - Gabinete Digital/PR

“O Minha Casa Minha Vida é um programa que terá continuidade e que permanecerá como uma prioridade do governo”, disse o ministro das Cidades. Foto: RafaB – Gabinete Digital/PR

“O programa Minha Casa Minha Vida não sofrerá cortes, é um programa que terá continuidade e que permanecerá como uma prioridade do governo. Isso já é uma definição da presidenta Dilma”, afirmou.

O ministro também destacou que o governo federal permanece comprometido a socorrer o estado de São Paulo para solucionar a crise de abastecimento de água que atinge o estado.

Além disso, Kassab ressaltou os investimentos previstos para a capital paulista em obras de mobilidade urbana – como metrô e corredores de ônibus – e nas áreas de saneamento e canalização, que aumentarão a segurança da população paulistana, inclusive em áreas densamente povoadas.

Terça-feira, 4 de novembro de 2014 às 13:46

Presidenta Dilma recebe o atual e o futuro governador do Ceará

Cid Gomes: "Estão em curso os maiores investimentos da história do Ceará, que são resultantes de parcerias com o governo federal."  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Cid Gomes: “Estão em curso os maiores investimentos da história do Ceará, que são resultantes de parcerias com o governo federal”, afirmou o governador após reunião com a presidenta Dilma Rousseff. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta terça-feira (4), no Palácio do Planalto, o atual governador do Ceará, Cid Gomes, e o governador eleito para sucedê-lo, Camilo Santana.

Após o encontro, os governadores deram entrevista coletiva à imprensa. Segundo Cid Gomes, o encontro com a presidenta foi para tratar de temas de interesse do estado, que tem muitos convênios e parcerias com o governo federal. Ele destacou as obras dos maiores investimentos da história no Ceará: a linha leste do metrô de Fortaleza e o Cinturão das Águas.

“De alguma forma eu vim prestar contas. Nesse momento, por exemplo, estão em curso os maiores investimentos da história do estado do Ceará, que são resultantes de parcerias com o governo federal. O maior de todos da história, é a construção da linha leste do metrô de Fortaleza. Esse é um investimento da ordem de R$ 3,4 bilhões que está em andamento e que caberá ao futuro governador Camilo o seu andamento e a sua conclusão”, afirmou Cid Gomes.

Já a construção da primeira etapa do Cinturão das Águas, tem investimento total de R$ 1,5 bilhão. Quando concluída, vai garantir a 17 municípios cearenses o abastecimento e o aumento da oferta de água para consumo humano, hidratação animal e também para promoção da agricultura irrigada e de atividades industriais.

“O segundo maior investimento da história do Ceará (…), que também está em curso, leva a água do São Francisco para as regiões mais áridas do estado. Paradoxalmente o São Francisco já chega no Ceará na região que tem mais oferta de recursos hídricos. O Cinturão, ele chega no leste, no sudeste do estado, é pra levar pro oeste do estado”, completou o atual governador.

Refinaria
Já o governador que tomará posse em 2015, Camilo Santana, declarou que veio, primeiramente, parabenizar a presidenta Dilma pela reeleição. Ele disse que também tratou sobre a construção da refinaria Premium II no estado.

“O assunto com a presidenta [foi] no sentido de parabenizá-la pela vitória, pela reeleição. (…) O primeiro pedido foi a refinaria, que é um sonho do cearense. Está tudo pronto, o governador Cid preparou todas as questões burocráticas exigidas para a implantação da refinaria. A gente quer que essa refinaria seja o mais rápido possível iniciada no estado do Ceará. Hoje nós já temos a siderúrgica e a refinaria será fundamental pro futuro do Ceará”, declarou o governador eleito.

Ele também disse ter falado sobre o Cinturão das águas para seu estado e ressaltou a importância de realizar a segunda etapa do empreendimento. “É o segundo ano que o Ceará enfrenta um problema de seca. Portanto, para nós a obra do Cinturão das Águas, ela é estratégica para o futuro do Ceará, para o problema da água. Eu espero que a gente possa continuar o segundo trecho, que é o trecho que vai exatamente levar água para as áreas mais críticas do Ceará, que é o Sertão de Inhamuns o Sertão de Crateús.”

Terça-feira, 21 de outubro de 2014 às 15:11

Presidenta Dilma visita nova fábrica automotiva que vai gerar 8 mil empregos diretos

As instalações da nova unidade industrial da Fiat Chrysler Automóveis em Pernambuco recebem, nesta terça-feira (21), a visita da presidenta Dilma Rousseff. O grupo está investindo R$10 bilhões e a fábrica comporá o Polo Automotivo de Goiana que, ao atingir capacidade de produção de 250 mil veículos/ano, gerará 8 mil empregos diretos.

Nova planta industrial do Grupo Fiat Chrysler terá capacidade de produção de 250 mil veículos/ano. Foto: divulgação.

Nova planta industrial do Grupo Fiat Chrysler terá capacidade de produção de 250 mil veículos/ano. Foto: divulgação.

A fábrica está sendo instalada em terreno com 11 milhões de m² no município de Goiana, a 62 km do Recife e a 52 km de João Pessoa, na região conhecida como Mata Norte de Pernambuco. As obras, iniciadas em setembro de 2012, estão com 85% de execução e tem previsão de início da produção para o primeiro trimestre de 2015. A planta industrial será a mais moderna fábrica do Grupo Fiat Chrysler e um dos mais avançados centros de produção do mundo.

Na construção do polo automotivo são 4,5 mil contratados. Paralelamente, começa a ser formado o contingente de trabalhadores que operarão a fábrica. Já foram contratados 351 trabalhadores, dos quais 90% estão em treinamento. Há engenheiros e técnicos sendo treinados em fábricas no Brasil, Itália e Sérvia.

O projeto pretende absorver parte dos trabalhadores da construção civil (principalmente os residentes em Goiana e região) no contingente que operará a fábrica para prevenir o desemprego e proporcionar a trabalhadores o ingresso no polo automotivo.

A fábrica será um polo irradiador de capacitação de mão de obra voltada a produzir automóveis, projetá-los e desenvolvê-los. Por seu poder irradiador sobre a economia, o polo automotivo projetará seus efeitos em toda a Zona da Mata Norte em Pernambuco, através da geração de riquezas, de renda, de capacitação, de emprego, de melhoria da infraestrutura, da oferta de educação, da expansão da prestação de serviços, entre outros.

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-