Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Terça-feira, 15 de julho de 2014 às 10:42

Objetivos comuns de Brasil e Rússia fortalecem cooperação de longo prazo

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 17:39

Objetivos comuns de Brasil e Rússia fortalecem cooperação de longo prazo

Brasil e Rússia

Em almoço de homenagem ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, nesta segunda-feira (14), a presidenta Dilma Rousseff brindou o estreitamento da relação entre os dois países desde a última visita feita ao Brasil e destacou aproximação da parceria em instâncias como os Brics, G20 e ONU.

Essa aproximação não é um fato circunstancial, mas é um imperativo no mundo multipolar. Nós somos países de extensos territórios e grandes populações, somos detentores de expressivos recursos energéticos e minerais, somos reconhecidos por nossa atuação autônoma no plano internacional em favor de um mundo mais justo, mais próximo e pacífico.

Dilma lembrou acordos assinados momentos antes, no Palácio do Planalto, para aumento de investimentos em diversas áreas, como nas de energia e infraestrutura.

O potencial de uma cooperação que parte de uma visão de longo prazo é demonstrado também pelos objetivos que temos em áreas como as de uso pacífico da energia nuclear, na área da defesa e na área da ciência e tecnologia. Todos esses domínios refletem a empatia entre nossos povos, a admiração cultural mútua que cultivamos.

Acordos
Na cerimônia de assinatura de atos entre Brasil e Rússia, foram firmados acordos em áreas diversas. Pela Declaração do Serviço Federal de Cooperação Técnico-Militar da Federação da Rússia e do Ministério da Defesa do Brasil, os dois países examinaram o estágio das tratativas para o desenvolvimento na área de defesa antiaérea.

No setor do comércio exterior, foi assinado Plano de Ação da Cooperação Econômico-Comercial Brasil-Rússia. Trata-se de iniciativas nas áreas de comércio e investimentos, com objetivo de elevar o patamar comercial bilateral a US$ 10 bilhões.

Também foram assinados entre os dois países acordos de celebração de serviços aéreos, da troca bilateral de dados estatísticos, de estudo de opções para monetização de gás no Projeto Solimões, do estabelecimento, na Universidade Federal de Santa Maria (RS) e no Instituto Tecnológico de Pernambuco, do Sistema Glonass para navegação por satélite, além da cooperação na produção de vacinas.

Quinta-feira, 5 de setembro de 2013 às 4:30

Presidenta Dilma participa de reunião de trabalho do G20 em São Petersburgo, Rússia

Quarta-feira, 17 de agosto de 2011 às 16:56

Para líder sindical, Brasil é oásis de esperança para o mundo

Presidenta Dilma Rousseff recebe no Palácio do Planalto a secretária-geral da Central Sindical Internacional, Sharan Burrow. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Em encontro na tarde desta quarta-feira (17/8) com a presidenta Dilma Rousseff, a secretária-geral da Central Sindical Internacional (CSI), Sharan Burrow, pediu apoio do governo brasileiro para colocar a questão ambiental no centro do debate mundial sobre trabalho e economia. Na opinião da secretária-geral, se os governos investissem na chamada economia verde, milhões de postos de trabalhos seriam criados.

Sharan Burrow comentou ainda sobre a crise financeira internacional, e disse que o Brasil é um “ oásis de esperança para o mundo”, que enfrenta um momento “muito perigoso para os trabalhadores”. Ela chamou atenção para as políticas brasileiras de geração de emprego e renda e de investimento na indústria.

Outro diferencial do Brasil – segundo Burrow – é a percepção de que o crescimento da economia só é efetivo na medida em que se investe, simultaneamente, em justiça social e na erradicação da miséria. Ela disse reconhecer a liderança da presidenta Dilma Rousseff no G-20, motivo pelo qual pediu apoio da presidenta para clamar que o mundo acabe “com a ganância dos mercados financeiros” e invista na criação de empregos e na sustentabilidade ambiental.

Outra demanda apresentada à presidenta Dilma – segundo informou a representante da CSI – foi em relação à Copa do Mundo 2014 e a necessidade de os contratos respeitarem condições de trabalho descente e salários dignos. Sharan Burrow espera que a experiência brasileira na realização dos Jogos seja um marco para o mundo e exemplo para os próximos países que sediarão o mundial de futebol.

“Eu esperava que seria um encontro importante, mas eu tenho que dizer que foi um encontro muito impressionante. Vocês têm sorte de ter uma presidenta que prioriza uma agenda social e econômica e que coloca as pessoas no centro de suas políticas nacionais. Eu desejo isso para o resto do mundo”, disse.

Quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011 às 12:02

BC divulga orientações preliminares e cronograma de implementação das recomendações de Basiléia III

O Banco Central do Brasil divulgou, nesta quinta-feira (17/2), o Comunicado nº 20.615, que traz as orientações preliminares e cronograma relacionados à implementação, no Brasil, das novas recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basiléia sobre a estrutura de capital e liquidez de instituições financeiras. As recomendações, conhecidas por Basiléia III, têm o objetivo de aprimorar a regulamentação prudencial, conforme o compromisso assumido pelos países membros do G20 em dezembro de 2010.

Essas orientações já eram aguardadas pelas instituições do Sistema Financeiro Nacional desde sua proposta inicial divulgada pelo Comitê de Basiléia em dezembro de 2009. A divulgação do comunicado busca fornecer elementos para as instituições financeiras planejarem adequadamente suas necessidades de capital e de liquidez, de forma a permitir uma adaptação eficiente aos novos padrões prudenciais.

Leia o artigo completo »

Quinta-feira, 16 de dezembro de 2010 às 22:30

Viva o Mercosul! Viva a Cúpula Social do Mercosul!

Presidente Lula participa, juntamente com outros chefes de Estado e de Governo do Mercosul e de Países Associados, do encerramento da reunião da Cúpula Social do Mercosul, em Foz do Iguaçu (PR). Foto: Ricardo Stuckert/PR

Depois de tudo que foi conquistado no Mercosul, governos e sociedade civil não podem recuar, porque ainda falta muito para conquistar. Em seu discurso no encerramento da 10ª Cúpula Social do Mercosul, realizada nesta quinta-feira (16/12) em Foz do Iguaçu (PR), o presidente Lula conclamou os movimentos sociais a continuarem gritando, protestando e levantando suas bandeiras, para que os líderes da América do Sul jamais se esqueçam deles, e pediu para que mantenham sua cooperação com os governos sem perder autonomia. “Os movimentos sociais não podem ser correia de transmissão nem de governo nem de partido, mas dos interesses da sociedade civil que vocês tão bem representam”, afirmou Lula.

Após ler seu discurso institucional, em que elogiou a iniciativa brasileira de reunir presidentes sul-americanos e movimentos sociais – algo que, lembrou, é muito difícil de acontecer em outras cúpulas, como a do G20, por exemplo -, e reafirmou sua vontade de ver o Mercosul cada vez mais “democrático, cidadão e solidário”, o presidente brasileiro pediu licença aos convidados presentes para “dar umas duas palavrinhas” de improviso.

Ouça aqui a íntegra dos discursos (institucional e de improviso) do presidente Lula:

[podcast]http://blog.planalto.gov.br/wp-content/uploads/2010/12/pr2236-2@.mp3[/podcast]

Destacou que muito já foi conquistado pelo bloco econômico, principalmente se não perdermos de vista as coisas como elas eram há oito, dez anos, em que havia muita dependência da região aos países europeus e aos Estados Unidos:

“Somente quando tivemos coragem de dizer que nós queríamos ser donos de nossas decisões, é que conseguimos vencer alguns obstáculos que pareciam intransponíveis.”

Leia o artigo completo »

Quarta-feira, 24 de novembro de 2010 às 21:01

Trabalhadores têm que ter participação no G20

O presidente Lula defendeu, nesta quarta-feira (24/11), a participação de entidade que represente a classe trabalhadora no G20 – grupo das 20 maiores economias do mundo – como forma de fazer frente às demandas trabalhistas no cenário global. Lula informou que conversou sobre o tema com a presidente eleita Dilma Rousseff durante reunião do G20 ocorrida recentemente em Seul (Coreia do Sul). O presidente arrancou aplausos de lideranças sindicais dos trabalhadores que participaram da cerimônia de abertura da Conferência Mercosul de Emprego e Trabalho Decente e assinatura do decreto de convocação da 1ª Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Lula explicou que, nas primeiras reuniões do G20, era o único chefe de Estado a se colocar disponível para receber representantes dos trabalhadores. O presidente comentou também sobre a importância da relação dos países membros do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e destacou também o apoio do governo federal a realizações de conferências tendo por foco os temas mais diversos.

Queria dizer a vocês que tudo que está acontecendo no Mercosul é apenas o começo da reparação… Aqui acontece uma relação perfeita entre o governo e os movimentos sindical e social.

Ouça o discurso do presidente:

[podcast]http://blog.planalto.gov.br/wp-content/uploads/2010/11/pr2178-2@.mp3[/podcast]

O presidente iniciou o discurso destacando que o trabalho digno “é a chave da coesão política e social de uma verdadeira democracia”. Segundo ele, o trabalho decente não é apenas gerador de riqueza, mas “importante fonte de direitos que provê as famílias, integra a juventude, amadurece talentos e cria valores compartilhados, sem os quais é impossível dar sentido e dignidade à própria convivência humana”.

Nesse sentido, estou certo de que a centralidade da agenda de todos os governo mundiais – em especial em sociedades como as nossas, da América Latina – deve ser ocupada pelas medidas que visam a garantir postos de trabalho a amplos setores de sua população. E fazer com que o trabalhador possa exercer todos os seus direitos. Estou falando, enfim, de conduzir políticas públicas que gerem mais e melhores empregos.

Leia o artigo completo »

Quarta-feira, 17 de novembro de 2010 às 22:20

2011 é o ano de viajar ainda mais para País ganhar competitividade

Ao participar da posse da nova diretoria da Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (17/11), em evento realizado em Brasília (DF), o presidente Lula deu um conselho: procurar a presidente Dilma Rousseff assim que ela montar o novo governo para discutir, juntamente com o novo ministro do Desenvolvimento da Indústria e Comércio, um calendário de viagens pelo mundo para vender os produtos brasileiros lá fora. “Não existe outra hipótese de a gente ganhar competitividade se a gente ficar aqui esperando”, afirmou Lula, lembrando aos presentes que a guerra cambial promovida pelos Estados Unidos e China coloca desafios comerciais gigantes para o Brasil no mercado externo.

“Tenho conversado muito com o ministro Mantega e a nossa companheira Dilma, e nós estamos trabalhando preocupados com o que está acontecendo com os Estados Unidos e a China. O fato de duas economias desse tamanho tentarem fazer a sua competitividade desvalorizando suas moedas não é correto e não é justo para o comércio internacional”, enfatizou Lula, sob aplausos da plateia que lotou o Centro de Convenções Brasil 21 na capital federal.

O presidente afirmou que o Brasil terá um superávit comercial de cerca de US$ 16 bilhões e que este é um bom número, mas que o momento não é de contentamento. É importante a indústria brasileira construir não só sua pauta de reivindicação para o próximo governo, mas também a pauta de negociação. “Não temos o direito de jogar fora as nossas conquistas… Eu tenho certeza de que a presidente Dilma tem a mesma vontade, igual ou mais do que eu… Trabalhem que o Brasil merece!”, conclamou. “Quem viver a partir de 2011, vai viver um novo país.”

Lula também falou sobre sua expectativa em relação à discussão da reforma tributária no Congresso Nacional a partir do ano que vem. O presidente está convicto de que o País está mais maduro e consciente, e que por isso haverá mais maturidade para se fazer a reforma. “Porque é o segundo projeto que a gente manda para lá e chega lá não acontece nada. Como se tivesse um inimigo oculto que todo mundo é favorável a entrar e quando entra desaparece a vontade”, criticou. Ele só espera que governo, trabalhadores e empresários sentem-se à mesa para negociar os pontos dessa reforma sem que haja prejuízo para nenhuma das partes:

Eu não quero nem ajudar os trabalhadores prejudicando os empresários, nem ajudar os empresários prejudicando os trabalhadores. É preciso construir um denominador comum porque vocês sabem que é a única forma de a gente fazer as coisas bem feitas e consolidar o processo democrático neste País.

Ouça a íntegra do discurso do presidente:
[podcast]http://blog.planalto.gov.br/wp-content/uploads/2010/11/pr2165-2@.mp3[/podcast]

Leia o artigo completo »

Segunda-feira, 15 de novembro de 2010 às 9:05

Avaliação positiva da reunião de Cúpula do G20: maturidade e bom senso

Café com o presidenteA reunião de Cúpula do G20 realizada em Seul (Coreia do Sul) na semana passada foi positiva porque destacou a importância de termos um maior equilíbrio na economia mundial e de retomarmos a Rodada de Doha, afirmou o presidente Lula em seu programa semanal de rádio Café com o Presidente desta segunda-feira (15/11). Segundo Lula, o documento final da reunião foi maduro e de bom senso, considerando importante recuperar a economia de vários países e compreendendo que o mundo hoje é interdependente.

Se os americanos tomarem uma medida econômica para tentar resolver um problema dos Estados Unidos, eles têm que pensar no reflexo disso na China, no Brasil, na Argentina, na Alemanha, na França e em um país africano. Se não for assim, nós estaremos matando o multilateralismo.

Sobre a guerra cambial, o presidente lembrou que vários países durante a reunião do G20 deixaram claro que é preciso maior seriedade na política cambial, principalmente por parte dos Estados Unidos e China, que desvalorizaram muito suas moedas para facilitar suas respectivas políticas comerciais.

Eu penso que aí também houve um avanço. Houve um avanço e a compreensão de que é preciso de que haja um maior equilíbrio na política cambial para que nenhum país leve vantagem sobre o outro.

Lula destacou ainda a retomada das negociações da Rodada de Doha a partir do ponto em que foi paralisada, em 2008, com a eleição americana e com a eleição da Índia. Na opinião do presidente, essa retomada é fundamental para equilíbrio da economia mundial, porque somente o comércio é capaz de dinamizar o crescimento dos índices econômicos. “Quanto mais comércio, quanto mais consumo, quanto mais produção, mais a roda da economia vai girar e mais o mundo vai crescer. E nós precisamos, nesse momento, que o mundo cresça. Porque a situação no Brasil é uma situação privilegiada, mas o desemprego é muito grande na Europa, é muito grande nos Estados Unidos”, concluiu.

Ouça aqui a íntegra do programa:
[podcast]http://blog.planalto.gov.br/wp-content/uploads/2010/11/pr2141-2@.mp3[/podcast]

Para ler a transcrição do programa, clique aqui.

Sexta-feira, 12 de novembro de 2010 às 10:01

Discurso do presidente Lula na reunião do G20 em Seul

[podcast]http://www.imprensa.planalto.gov.br/media/audio/pr2140-2@.mp3[/podcast]

Tweets

Portal da Copa

Portal da Copa

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-