Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Terça-feira, 3 de março de 2015 às 18:58

Ferrovia Norte-Sul entra em operação comercial

Da Valec

O trecho entre Anápolis (GO) e Palmas (TO) da Ferrovia Norte-Sul (FNS), uma das principais obras ferroviárias do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), entrou em operação comercial. Após a fase de testes de operação, duas locomotivas saíram do Pátio de Anápolis na semana passada com destino à Imperatriz (MA). O trecho começou a ser utilizado pela iniciativa privada já no novo modelo de venda de capacidade, marcando o início do livre acesso à infraestrutura ferroviária (open access).

O primeiro trecho a operar comercialmente, Anápolis-Palmas, possui 855 quilômetros. Foto: Carlos Neto / Valec

O trecho Anápolis-Palmas possui 855 quilômetros. Quando finalizada, a FNS terá mais de 4 mil quilômetros de trilhos. Foto: Carlos Neto / Valec

O trecho Anápolis-Palmas, com 855 quilômetros, é o primeiro do país a operar sob as novas regras que promovem a quebra do monopólio das atuais concessionárias e permite que todas as empresas que cumpram requisitos técnicos e operacionais, estabelecidos em lei, tenham acesso à infraestrutura ferroviária em condições objetivas, transparentes e não discriminatórias. Pelo modelo anterior, as cargas transportadas nas ferrovias eram comercializadas pelas próprias concessionárias que estabeleciam seus preços.

Nesta primeira fase de operação, a velocidade máxima permitida será de 40 km/h. Todo o trajeto é acompanhado pelo Centro de Controle Operacional (CCO) da Valec e da FNS S.A. No mês passado, a Valec recebeu a última autorização da ANTT necessária para a operação comercial entre Palmas e Anápolis. Com isso, todo o trecho passa a estar apto e seguro para a operação das composições ferroviárias.

Nos próximos dias, a Valec espera realizar, no Pátio de Anápolis, o primeiro carregamento de farelo de soja. A carga seguirá com destino ao Porto de Itaqui (MA), interligando os modais. Para isso, é necessário que a empresa proprietária da carga conclua a construção da tulha de embarque, sob sua responsabilidade.

Ferrovia Norte-Sul
Concebida há 27 anos sob o propósito de interligar a malha ferroviária e diminuir custos de transporte, a FNS, que conectará quatro regiões e nove estados brasileiros, foi viabilizada após entrar no PAC. Dos mais de 4 mil quilômetros previstos, 1.574 quilômetros já estão em operação. O investimento é de R$ 25,8 bilhões.

Sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015 às 17:00

Trilhos da Ferrovia Norte-Sul estão prontos para entrar em operação

Do Portal do PAC

Ferrovia Norte-Sul está prestes a entrar em operação. Os testes nos trilhos do trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO) revelaram que esse percurso já está adequado para a circulação dos trens. A inspeção foi realizada por uma empresa especializada, contratada pela Valec, conforme prevê a determinação do Ministério dos Transportes.

Os trilhos passaram por uma série de testes que vão desde a verificação visual e inspeção por ultrassom até ensaios laboratoriais de massa, dimensional, dureza, tração e alongamento. Segundo a Valec, todos os lotes analisados estão de acordo com o esperado pelo tipo de material e aplicação e não haverá comprometimento à segurança e à vida útil dos trilhos.

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) também auxiliou nas análises, constatando que os trilhos TR-57 adquiridos pela Valec atendem tecnicamente à demanda de tráfego da ferrovia.

Sábado, 27 de dezembro de 2014 às 14:00

Maio: Obras da Integração do São Francisco, Plano Safra e 10 anos do Brasil Sorridente

Especial Retrospectiva 2014

No mês de maio, a presidenta Dilma Rousseff cumpriu intensa agenda de atividades. Começou visitando a 80ª Exposição Internacional de Gado Zebu – Expozebu, em Uberaba (MG), onde também participou do lançamento da pedra fundamental da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados V da Petrobras.

Em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, a presidenta anunciou investimento de R$ 2,8 bilhões de reais para contratação da terceira etapa das ações de saneamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) para municípios com até 50 mil habitantes, beneficiando 635 municípios de 26 estados e uma população estimada em 5,2 milhões de pessoas.

Na expectativa para o início da Copa do Mundo no Brasil, Dilma visitou dois estádios que receberam jogos do mundial: a Arena Corinthians, em São Paulo, e a Arena da Baixada, em Curitiba. Ela também lançou um compromisso do País pelo Emprego e Trabalho Decente na Copa do Mundo, ressaltando que o legado do Mundial fica para o povo brasileiro. Ela afirmou que os aeroportos, as obras de mobilidade urbana e os estádios ficam para o Brasil, enquanto os turistas “levam na mala” a garantia de ter visitado um país alegre e hospitaleiro.

retrospectiva mai

Em Minas Gerais, a presidenta anunciou investimentos para mobilidade urbana e assinou ordem de serviço para a duplicação da BR-381, no trecho entre Belo Horizonte e Governador Valadares

A presidenta visitou três estados do Nordeste em que estão sendo realizadas obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco. Em São José de Piranhas (PB), ela visitou o Túnel Cuncas II; em seguida, conheceu a Barragem de Jati (CE) e depois foi às obras da Estação de Bombeamento EBI-1, em Cabrobó (PE). Dilma destacou que a Integração, que vai beneficiar 12 milhões de pessoas em estados do Nordeste, permitirá que a região tenha um local em que a água não faltará. “Temos de criar as condições para que quando a seca chegar, estejamos mais fortes e possamos perfeitamente conviver com ela. Isso significa água permanentemente”, afirmou na ocasião.

Durante o lançamento do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015, a presidenta Dilma disse estar confiante que o PAP vai contribuir com medidas para o agronegócio superar o recorde de produção atingido na atual safra. Ela reafirmou o compromisso do governo para investir no setor e na infraestrutura do país para continuar o aumento da produtividade. Ao todo, serão disponibilizados R$ 156,1 bilhões – alta de 14,7% sobre os R$ 136 bilhões da safra 2013/14 –, dos quais R$ 112 bilhões são para financiamentos de custeio e comercialização e R$ 44,1 bilhões para os programas de investimento.

A inauguração do Terminal 3 do Aeroporto Internacional de Guarulhos contou com a participação da presidenta, que destacou a magnitude da obra para o setor aeroportuário brasileiro. No mesmo dia, Dilma esteve na inauguração do hangar onde será instalada a linha de montagem do avião de transporte militar KC-390 da Embraer. A aeronave de transporte tático militar e de reabastecimento em voo é um projeto conjunto da empresa com a Força Aérea Brasileira (FAB).

Uma das importantes ações do mês de maio foi a sanção da lei que transforma a exploração sexual de crianças e adolescentes em crime hediondo. A cerimônia teve a participação da apresentadora Xuxa Meneghel, madrinha do Disque 100 da Secretaria de Direitos Humanos.

A presidenta foi a Anápolis inaugurar o trecho Anápolis-Palmas da ferrovia Norte-Sul. Quando concluída, a ferrovia terá a extensão de 4,15 mil quilômetros e interligará dez estados do território nacional.

Em Brasília, Dilma participou da entrega de premiações na 5ª edição do Prêmio ODM Brasil e exaltou as conquistas do País em relação aos Objetivos do Milênio firmados com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Na ocasião, a presidenta assinou o decreto de instituição da Política Nacional de Participação Social.

Durante o lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015, a presidenta afirmou ser estratégico o compromisso com o setor. Ela destacou o investimento recorde de R$ 24,1 bilhões em créditos para a agricultura familiar.

Também em maio, integrantes do movimento Bom Senso Futebol Clube vieram a Brasília apresentar para a presidenta uma pauta de reivindicações que visam à melhoria do futebol brasileiro. Os principais pontos discutidos na reunião foram o fortalecimento da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (em tramitação no Congresso Nacional), a regulamentação da participação de atletas nas assembleias das entidades e a criação de um Plano Nacional de Desenvolvimento do Futebol.

Uma boa notícia para o cadeia produtiva do biodiesel foi o anúncio de medidas de fomento à produção e ao consumo do biocombustível. Uma das medidas foi a edição de Medida Provisória que aumenta a adição obrigatória do biodiesel no óleo diesel, aumentando o percentual de mistura de 5% para 6% a partir de 1º julho, e para 7% do dia 1º de novembro em diante. Cada ponto percentual representa aumento de 600 milhões de litros na demanda pelo biocombustível.

Durante evento de inauguração de Centros de Especialidades Odontológicas (CEO) em São Bernardo do Campo (SP), foram comemorados os 10 anos do Brasil Sorridente, programa que construiu mais de mil unidades de saúde bucal em mais de 800 municípios e levou atendimento a quase 80 milhões de pessoas.

Acompanhe neste domingo (28) as principais atividades da presidenta Dilma em junho.

Terça-feira, 12 de agosto de 2014 às 10:28

Visita à Ferrovia Norte-Sul, lançamento do site Brasil da Mudança e 26º Congresso da Abrasel

Agenda presidencial

Nesta terça-feira (12), às 09h15, a presidenta Dilma Rousseff visita trecho central da Ferrovia Norte-Sul, no Pátio Multimodal do Porto Seco, em Anápolis (GO).

Às 17h, Dilma participa de lançamento do site Brasil da Mudança, em Brasília. E às 20h, também em Brasília, abre o 26º Congresso Nacional da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

Segunda-feira, 11 de agosto de 2014 às 9:00

Malha ferroviária terá mais 11 mil km de novas linhas

Sexta-feira, 8 de agosto de 2014 às 16:37

Expansão da malha ferroviária é fundamental para desenvolvimento da economia

Redes_pl_fb_ferrovias_2_08_08


As ferrovias brasileiras estão nos trilhos do investimento. A ascensão do agronegócio e as dimensões continentais do Brasil exigiram a retomada do modal, em expansão, principalmente, na região Centro Oeste. Minério de ferro, soja e milho são os principais produtos transportados pelas ferrovias no país. Em 2013, a carga transportada por esse meio de transporte chegou a 450 mil toneladas.

O gerente especialista de regulação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Alexandre Porto, apontou o investimento em ferrovias como cada vez mais necessário.

“(…) realmente o que a gente precisa é ter uma estrutura ferroviária adequada, uma sistema de transporte adequado para o desenvolvimento econômico que a gente tanto almeja”, analisou Alexandre.

A malha ferroviária brasileira atingiu, em 2013, cerca de 28 mil quilômetros. No ano passado, as concessionárias investiram cerca de R$ 5 bilhões no sistema. Segundo Alexandre, o grande desafio continua sendo sua ampliação para atingir fronteiras agrícolas e minerais.

Ele cita o Programa de Investimentos em Logística (PIL), criado em 2012, como exemplo de parceria com o setor privado para melhorar a extensão do modal. O objetivo é aumentar a malha em 11 mil quilômetros. A ANTT propôs um modelo na tentativa de ampliar a participação da iniciativa privada na infraestrutura ferroviária.

“É uma modelagem econômica diferente do modelo feito anteriormente, no sentido de buscar fretes mais baixos e uma participação privada mais intensa na expansão da malha ferroviária”, explicou Alexandre.

O gerente destacou dois projetos importantes no setor: a Ferrovia Norte-Sul e a ferrovia que liga Campinorte (GO) e Lucas do Rio Verde (MT). A primeira é um “eixo estruturante”, conectando portos da região Norte com os do Sudeste, construída pela empresa pública Valec. A segunda atravessa grande região agrícola do país.

A ampliação da malha dos últimos anos também impactou a indústria ferroviária. Os investimentos das concessionárias em material rodante, trilhos e componentes de sistemas de controle de tráfego têm mantido crescimento constante. As encomendas de vagões levaram a indústria nacional a aumentar fortemente seu índice de ocupação. Só em 2013, foram produzidos três mil vagões nacionais e 100 locomotivas, aumento de quase dez vezes em relação a 2006, quando o índice começou a ser medido.

Saiba mais sobre a expansão ferroviária e Ferrovia Norte-Sul

Sexta-feira, 8 de agosto de 2014 às 10:07

Visita às obras da Ferrovia Norte-Sul e da ponte sobre o Rio Grande

Agenda presidencial

A presidenta Dilma Rousseff tem duas agendas em Iturama (MG) nesta sexta-feira (08).

Às 14h, Dilma visita obras do lote 5 da Ferrovia Norte-Sul, no km 586. Em seguida, às 15h20, a presidenta visita obras da Ponte sobre o Rio Grande, no km 603.

Quinta-feira, 22 de maio de 2014 às 11:02

Ferrovia Norte-Sul permite integração entre o interior e o litoral do Brasil

Presidenta Dilma inaugurou o trecho Anápolis-Palmas da Ferrovia Norte-Sul. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Presidenta Dilma inaugurou o trecho Anápolis-Palmas da Ferrovia Norte-Sul. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A presidenta Dilma Rousseff destacou em discurso a importância de ampliar a infraestrutura de transporte pelo território nacional durante a cerimônia de inauguração de trecho da Ferrovia Norte-Sul. “Aqui se pode conectar todo o Brasil com o sistema ferroviário”, declarou a presidenta.

Dilma entregou o trecho de 855 quilômetros da ferrovia que liga as cidades de Anápolis (GO) e Porto Nacional (TO) na manhã desta quinta-feira (22). Concebida há 27 anos sob o propósito de interligar a malha ferroviária e diminuir custos de transporte, a Norte-Sul terá a extensão de 4.155,6 quilômetros e interligará dez estados do território nacional.

“Essa coluna vertebral permitirá que estados, um estado como é o estado de Goiás, do interior, seja de fato um estado perto do mar, perto dos navios. Ela coloca o litoral aqui. Transforma Goiás num polo logístico, porque ela será crucial particular todos os sistemas de transporte do Brasil, tanto aqueles que se dirigem ao Sul, que são mais tradicionais, quanto àqueles que se destinarão ao Norte, e que serão o futuro do país se olhar a importância das hidrovias no nosso país. Essa ferrovia é uma conquista”, comentou.

A expectativa inicial é a de que um volume de 4 mil toneladas de minério de ferro circule pelo trecho entre Anápolis e Porto Nacional tendo como destino o porto de Itaqui, na região de São Luís (MA).

O trecho de Palmas a Anápolis se interliga com o segmento de Palmas a Açailândia (MA) da Norte-Sul, com 719 km, que está em operação desde 2007. No total, são 1.574km de linha férrea desde Maranhão até Goiás.

“Considero que aquilo que eu vi aqui hoje neste distrito agrícola e industrial de Anápolis é que recuperamos a iniciativa do investimento em ferrovias. Devemos nos orgulhar disso”, disse a presidenta.

Investimentos

A inauguração do trecho marca a nova conjuntura em que está inserido o transporte ferroviário de carga no Brasil, segundo o ministério dos Transportes. Alvo de R$ 4,2 bilhões em investimentos previstos pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Norte-Sul passará a ser ferrovia estruturadora do Sistema Ferroviário Nacional, ao proporcionar acesso de produtores a vários portos e corredores de exportação. Também irá estimular a competitividade intramodal, não só entre os portos, mas também entre os operadores logísticos que realizarão o transporte da carga.

“Dizem que demorou 27 anos. É verdade, mas vou dizer o seguinte: demorava 27 anos. Hoje não demora mais. Quero dizer a vocês, que foi um grande esforço em 2007 dar início ao trecho Araguaína-Palmas, porque o governo federal ainda não tinha os recursos todos disponíveis. E nós fomos fazendo, e fomos também aprendendo enquanto fazíamos, porque o Brasil tinha parado de investir durante muito tempo”, afirmou a presidenta.

Dilma também exaltou o fato de o governo recuperar a iniciativa do investimento em ferrovias ao lembrar que a próxima parte da Norte-Sul, que vai de Goiás até Estrela do Oeste (SP), está em fase adiantada de construção. A presidenta reafirmou que obras como a ferrovia são prova de que o Brasil tem condições de investir em infraestrutura.

“O Brasil tinha deixado várias ferrovias Norte e Sul para trás. Estou falando em relação a outros segmentos. Portanto, considero que o que eu vi aqui hoje, o que podem ver e que vão sentir aqui nesse distrito agrícola e industrial de Anápolis é que recuperamos a iniciativa do investimento em ferrovias. (…) Essa ferrovia é o sonho que tínhamos e agora podemos dizer: está plenamente realizado e comprovado que se fomos capazes de fazer o trecho original, concluiremos o trecho que nós mesmos projetamos. O Brasil tem todas as condições de investir em infraestrutura”, analisou.

Entre os benefícios do empreendimento estão a significativa redução do custo do transporte de carga, do consumo de combustível e do índice de acidentes nas estradas, já que grande parte da carga escoada atualmente pelas rodovias poderá ser transportada pela Ferrovia Norte-Sul.

Confira a íntegra

Quinta-feira, 22 de maio de 2014 às 10:00

Ferrovia Norte-Sul vai desenvolver todo um nó logístico brasileiro, afirma diretor do Porto Seco

Dilma participa da inauguração de trecho da Ferrovia Norte-Sul. Foto: Guilherme Rosa / Blog do Planalto

A presidenta Dilma Rousseff vai participar, nesta quinta-feira (22), em Anápolis (GO), da inauguração do trecho de 855 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul (FNS) entre a cidade goiana e Porto Nacional (TO). A obra recebeu investimentos de R$ 4,2 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Edson Tavares é diretor superintendente da Porto Seco Centro Oeste, empresa de logística e transporte de cargas que trabalhará na ferrovia. Para ele, a nova opção de escoamento de produção será um grande fator de desenvolvimento do país.

“Essa ferrovia vai desenvolver todo um nó logístico brasileiro. Esse terminal é um dos mais modernos do Brasil, um dos mais inteligentes, e já nasce com viabilidade econômica. Vai permitir que nós levemos carga para o Norte e descer carga para o Sul. A nossa produção agrícola da região, nós vamos poder escoá-la em um volume muito grande na ferrovia. Nós vamos encurtar distâncias”.

Para Edson, a ferrovia também vai beneficiar tanto os empresários quanto o consumidor final.

“Esses atacadistas aqui da região de Goiânia, Anápolis e Aparecida vão poder alimentar o Norte agora com custos mais baratos. Isso significa redução do custo Brasil, preço melhor para o consumidor, para o trabalhador lá na ponta. É redução de custo. Essa ferrovia muda o perfil. Nós temos uma história antes da Ferrovia Norte-Sul e uma história depois da Ferrovia Norte-Sul”, afirmou Edson.

O diretor de operações da Valec, Bento José de Lima, classificou a inauguração do novo trecho como um marco na história do sistema ferroviário brasileiro. Para ele, a Ferrovia Norte-Sul gera outro cenário para o setor econômico brasileiro, onde a competição levará a queda dos preços das tarifas e o incremento da qualidade dos serviços prestados.

“Esse trecho que vai ser colocado em funcionamento é, no meu ponto de vista, um marco na história do sistema ferroviário brasileiro porque é o primeiro passo no sentido de transformar o sistema ferroviário brasileiro num sistema competitivo, onde a Norte-Sul é o eixo que vai possibilitar que portos venham a concorrer com portos, canais de logística venham a concorrer com canais de logística, operadores ferroviários venham a concorrer com operadores ferroviários”, analisou Bento José.

Quinta-feira, 23 de dezembro de 2010 às 19:40

O Brasil voltou a aprender a investir em infraestrutura

Ciente que para permitir o desenvolvimento econômico do país é necessário investir em obras de infraestrutura, o presidente Lula disse, nesta quinta-feira (23/12), em Petrolina de Goiás, que o Brasil, em seu governo, deu impulso ao setor ferroviário brasileiro, colocado num segundo plano pelos governos anteriores. Lula participou de cerimônia que assinatura de ordem de serviço para a construção de mais 667 quilômetros de malha da ferrovia Norte-Sul, que interligará Ouro Verde (GO) a Estrela D’Oeste (SP), cortando uma região produtora de grãos.

Lula lembrou que em seu governo esta ferrovia ganhou impulso. Ele relatou que entre os governos dos presidentes José Sarney, Fernando Collor de Mello, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, foram construídos cerca de 300 quilômetros da malha. Porém, nos últimos oito anos, a Norte-Sul saiu de Açailândia (MA) e chega em Anápolis (GO) com cerca de 1,1 mil quilômetros. O presidente reconheceu que as obras sofreram atrasos em função de exigências fixadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

“As obras estão concluídas em 90%. Até abril a presidenta Dilma [Rousseff] estará aqui entregando o trecho até Palmas (TO)…”

Ouça aqui a íntegra do discurso:

 

O presidente informou também que o modal ferroviário na região Centro-Oeste permite o transporte de passageiros. Deste modo, segundo explicou, há expectativa por parte do governo sobre a possibilidade de grupos econômicos virem a investir neste meio de transporte. O Blog do Planalto, na série especial sobre ferrovias (ver aqui), informou que a Valec – estatal para o segmento ferroviário – promeve estudos de sobre a questão.

Leia o artigo completo »

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-