Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:

Segunda-feira, 10 de junho de 2013 às 20:20

Desafios com a preparação da Copa das Confederações foram superados, afirma Aldo

Ministros debateram organização da Copa das Confederações. Jose Cruz/ABr

Ministros debateram organização da Copa das Confederações. Jose Cruz/ABr

As dificuldades e os desafios na preparação para a Copa das Confederações foram superados. Essa foi a conclusão do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, depois de reunião, nesta segunda-feira (10), no Palácio do Planalto, de representantes dos ministérios envolvidos na preparação para o evento.

“Repassamos todos os planos operacionais relacionados com as seis cidades-sede: os dois ciclos de reuniões com as cidades, com os estados, com os organizadores para repassar todas as tarefas dos planos operacionais. E concluímos que superamos todas as dificuldades, todos os desafios relacionados com a preparação da Copa, desde a entrega dos estádios. Todos foram entregues e testados em eventos”, explicou.

Segundo o ministro, entre as áreas repassadas estão segurança, com a entrega de equipamentos para os centros de comando e controle; mobilidade, com planos especiais de trânsito para os dias dos jogos; comunicações, com a promessa das operadoras para garantir a qualidade do serviço; e turismo, com atenção especial para evitar que hotéis cobrem preços abusivos durante o evento. Para Aldo, a Copa das Confederações já é um sucesso.

“Ela já está sendo um sucesso porque, na medida em que nós entregamos os estádios, preparamos os planos operacionais, começamos a receber as delegações, os turistas, gerando emprego, renda para a população. Eu acho que isso já é uma demonstração que a Copa das Confederações é um sucesso e a Copa do Mundo também será um sucesso”, acredita.

Segunda-feira, 11 de março de 2013 às 19:17

Dilma Rousseff recebe primeiro-ministro neozelandês e assina acordos em educação, aviação civil e esporte

A presidenta Dilma Rousseff recebeu, nesta segunda-feira (11), em visita oficial, o primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key. Foram assinados tratados nas áreas de esporte, com a o apoio dos neozelandeses à preparação dos times brasileiros de rúgbi para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro; de educação, com o convênio de oito universidades com o programa Ciência Sem Fronteiras; e aviação civil, com o intuito de melhorar e aumentar as conexões aéreas entre os dois países.

“Os vínculos entre os nossos dois países têm se fortalecido de forma consistente. Hoje, nós identificamos oportunidades de uma cooperação mais estreita ainda. A Nova Zelândia é parceira bem vinda no processo de desenvolvimento do Brasil. Nós, hoje, estamos modernizando nossa infraestrutura, investindo na logística e na energia em nosso país e nos preparando para os grandes eventos. Por isso, muitas são as oportunidades que se abrem para intensificar e diversificar o fluxo bilateral de comércio e investimento”, defendeu Dilma.

Confira a íntegra


 

Quinta-feira, 31 de janeiro de 2013 às 19:24

Dilma recebe camisa alusiva aos 500 dias para o início da Copa do Mundo

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e a presidenta Dilma posam com camisa personalizada que marca os 500 dias para o início dos jogos da Copa do Mundo. Dilma recebeu o ministro nesta quinta, no Palácio do Planalto. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Quinta-feira, 31 de janeiro de 2013 às 6:02

Agenda: Reunião com o ministro do Esporte

Agenda presidencial

A presidenta Dilma Rousseff recebe nesta quinta-feira (31), às 15h, no Palácio do Planalto, os prefeitos de Campo Grande, Alcides Bernal, e de Palmas, Enrique Amastha. Às 16h30, a presidenta se reúne com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

Sexta-feira, 25 de janeiro de 2013 às 15:04

Queremos formar uma geração de atletas de alto rendimento, afirma Dilma

Durante o lançamento das obras do Centro Paraolímpico Brasileiro, nesta sexta-feira (25), em São Paulo (SP), a presidenta Dilma Rousseff destacou a importância dos investimentos na preparação dos atletas de alto rendimento para a disputa dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Ela ressaltou a evolução dos paraatletas nas últimas edições, e afirmou que o país projeta se transformar em uma das grandes potências esportivas.

“Eu tenho certeza, e todo mundo sabe que o primeiro objetivo deste Centro é a preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em [20]16, e esse objetivo é um objetivo nobre, um objetivo que tem por trás de si esse grande desafio que o Brasil terá em 2016, e, para ele, nós precisamos, sem sombra de dúvida, garantir instalações, equipamentos, treinadores que vão dar sustentação para que nós não só tenhamos, dentro das quadras, mas fora delas também tenhamos aquele desempenho que o Brasil quer ter”, disse.

O centro terá uma área de 94 mil m² e servirá para treinamentos, competições e intercâmbio de atletas e seleções de 14 modalidades (atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, natação, esgrima, futebol de 5, futebol de 7, goalball, halterofilismo, judô, rúgbi, tênis, tênis de mesa e vôlei sentado). A iniciativa é parte do Plano Brasil Medalhas, que visa projetar o Brasil entre as maiores potências esportivas do mundo.

“O Plano Brasil Medalhas vai disponibilizar R$ 1 bilhão adicionais para preparar nossos atletas. Os 200 que estão entre os 20 melhores do mundo terão apoio financeiro por meio da Bolsa Pódio. Junto com isso, teremos a modernização e construção de 22 centros de treinamento. E o Centro Paraolímpico Brasileiro é um projeto que enfatiza os atletas paraolímpicos dentro da nossa agenda”, explica.

Confira a íntegra

 

Domingo, 16 de dezembro de 2012 às 18:15

Vídeo traz os detalhes da Arena Castelão, inaugurada neste domingo

Terça-feira, 27 de novembro de 2012 às 9:00

Pré-sal já produz 10% do petróleo brasileiro

Conversa com a PresidentaNa coluna Conversa com a Presidenta desta terça-feira (27), a presidenta Dilma Rousseff falou sobre a exploração de petróleo no pré-sal. Em resposta à engenheira Raianne Justus Bezerra de Almeida, ela afirmou que já são retirados das bacias de Santos e de Campos mais de 200 mil barris por dia, o que representa 10% de toda a produção brasileira.

“A exploração do pré-sal, Raianne, vai significar mais encomendas de bens e serviços no Brasil, criando oportunidades de negócio e de emprego para brasileiros e brasileiras. E usando de forma responsável os recursos dos royalties, teremos um passaporte para transformar o Brasil em um país muito mais desenvolvido e com mais oportunidades para toda a população”, acredita.

Dilma ainda respondeu a Pablo Azevedo da Silva, de Cuiabá, sobre o investimento do governo federal no esporte, que teve, somente em 2012, 4.243 bolsistas de 53 modalidades, que conquistaram 17 medalhas nos Jogos Olímpicos de Londres. Para o funcionário público de Porto Velho Carlos Ramos Filho a presidenta explicou a tarifa social de energia.

“Em todos os casos, o responsável pela residência, munido de comprovante da inscrição no Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), deve procurar a empresa de energia elétrica de seu município e solicitar o benefício. Qualquer dúvida sobre esse benefício, Carlos, pode ser esclarecida em ligação gratuita pelo telefone 0800 7072003”, detalhou.

» Íntegra da coluna

Terça-feira, 28 de junho de 2011 às 16:57

BID coloca US$ 12 bilhões à disposição do Brasil até 2014

Presidenta Dilma Rousseff recebeu do presidente do BID, Luís Moreno, informação de que o banco tem US$ 12 bilhões em linhas de crédito. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O governo federal, estados e municípios terão cerca de US$ 12 bilhões para financiar projetos até o ano de 2014. A disponibilidade financeira foi anunciada nesta terça-feira (28/9) à presidenta Dilma Rousseff, durante audiência concedida ao presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Alberto Moreno, no Palácio do Planalto. Após o encontro com a presidenta Dilma, Luis Moreno concedeu entrevista coletiva para dar detalhes da conversa. Segundo ele, 50% dos recursos serão destinados a projetos referentes à Copa do Mundo Fifa 2014.

“Estamos interessados também no plano Brasil sem Miséria. Amanhã (29/6), executivos do BID iniciam conversa com a ministra Tereza Campello [Desenvolvimento Social e Combate à Fome] para sabermos em quais projetos o banco poderá atuar”, contou Moreno.

O presidente do BID iniciou a entrevista contando que saiu do encontro com a presidenta Dilma satisfeito com os resultados preliminares da conversa. Segundo ele, foram tratados vários temas que seriam de interesse do banco, como, por exemplo, a cooperação sul-sul e a construção de rodovias nos países sul-americanos com o objetivo de permitir a integração das nações vizinhas.

Luis Moreno disse também que o banco tem parceria com os 26 estados e mais o Distrito Federal em diversos projetos. Os últimos empreendimentos, segundo explicou, estão sendo voltados para a região Nordeste. O presidente do BID informou que tem mantido conversas com os governos estaduais e prefeituras das 12 cidades-sede da Copa 2014 com foco em obras de infraestrutura, como por exemplo aeroportos, trens urbanos e saneamento básico.

Quando indagado outra vez sobre como o BID poderia participar do Brasil Sem Miséria, Luis Moreno explicou que uma das possibilidades será por meio da capacitação técnica de pessoas que vão participar do projeto. Ele informou também que as linhas de crédito colocadas à disposição englobam um mix de fundo perdido com taxa de juros de mercado. Cada projeto tem avaliação específica.

Quinta-feira, 19 de maio de 2011 às 17:42

Em Brasília, governo divulga cronograma de obras das Praças do PAC

O vice-presidente de Governo da CEF, José Urbano Duarte, as ministras do Planejamento, Miriam Belchior, da Cultura, Ana de Hollanda, e o secretário executivo do Ministério do Esporte, Waldemar de Souza, participam de reunião com prefeitos e gestores municipais, cujo objetivo é analisar os projetos para a implantação das Praças do PAC. Foto: Valter Campanato/ABr

O governo federal apresentou nesta quinta-feira (19/5), na Sala Plínio Marcos, na Funarte, em Brasília, o cronograma para o início das obras das Praças dos Esportes e da Cultura – programa chamado inicialmente de Praças do PAC. As 361 prefeituras e o Distrito Federal terão 120 dias, para apresentar o projeto para a Caixa Econômica Federal (CEF), responsável pela liberação dos recursos. Ao longo de quatro anos, serão construídas 800 praças no valor total de R$ 1,6 bilhão. Nessa primeira seleção, o valor previsto é de R$ 900 milhões, relativos a 401 praças.

“As Praças do Esporte e da Cultura são a tradução do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), voltadas diretamente ao reconhecimento qualificado da cidadania, principalmente para as comunidades social e economicamente vulneráveis”, avalia a ministra da Cultura, Ana de Hollanda.

A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, disse que “com esses recursos do PAC, vamos garantir equipamentos de esporte e cultura para as áreas mais carentes das grandes cidades brasileiras”. “O objetivo do Governo é estabelecer uma parceria com as prefeituras para o enfrentamento dos problemas urbanos dessas cidades”, acrescenta.

Miriam Belchior explica aos gestores projeto Praças do PAC. Foto: Valter Campanato/ABr

As Praças serão o primeiro equipamento público com característica multissetorial desenvolvido pelo governo, com o objetivo de promover a cidadania e a redução da pobreza em áreas de alta vulnerabilidade.

A ação interministerial envolve as pastas do Esporte, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, da Justiça, e do Trabalho e Emprego. Ao Ministério da Cultura, cabe coordenar, monitorar e avaliar a aprovação e a execução das propostas selecionadas das Praças do PAC, bem como a execução e os resultados dos programas.

Na ocasião, também foi apresentada a prefeitos e secretários das cidades selecionadas na primeira do programa a proposta de gestão e mobilização social das praças. Toda documentação necessária está disponível no Praças do PAC.

Leia o artigo completo »

Terça-feira, 10 de maio de 2011 às 9:03

Esporte na escola, exames pelo SUS e reforma agrária

A coluna “Conversa com a Presidenta” desta terça-feira (10/5), publicada em jornais e revistas no Brasil e no exterior, aborda temas como a prática do esporte na rede pública de ensino, os valores dos exames laboratoriais pagos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), bem como a previsão da presidenta Dilma Rousseff para a reforma agrária. Coube ao professor Gentil Soares de Lima, morador em Umuarama (PR), indagar sobre os “projetos e programas que serão efetivados para fazer chegar de forma concreta o esporte ao ambiente escolar”.

“Nós já temos diversos programas em andamento e vamos ampliar ainda mais o acesso dos estudantes à prática esportiva. Com uma rotina de vida saudável, com regras de convivência, os jovens desenvolvem a autoestima, ficam distantes da criminalidade e entre eles podem despontar futuros competidores. Uma das principais iniciativas nesse campo é o Mais Educação, implementado em 2007 pelo Ministério da Educação (MEC). Em 2010, o programa beneficiou 2,2 milhões de estudantes com várias atividades fora dos horários de aula, incluindo cultura, artes, educação científica e esportes. O braço esportivo do Mais Educação é uma parceria com o programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte. Os estudantes podem praticar modalidades como vôlei, basquete, handebol, tênis de mesa, judô, caratê, taekwondo, yoga, natação, xadrez, atletismo, ciclismo e tênis.”

Confira aqui a íntegra da coluna “Conversa com a Presidenta”.

Para este ano, continuou a presidenta, a meta é atender 15 mil escolas públicas e oferecer educação integral para 3 milhões de alunos. A presidenta Dilma informou que o Ministério do Esporte tem também o Bolsa Atleta, que financia alunos de escolas públicas ou particulares com potencial para se tornarem atletas olímpicos. “E mais: o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do MEC, está financiando a construção, pelas prefeituras, de quadras poliesportivas cobertas. Desde janeiro, 249 prefeituras já foram autorizadas a construir 454 quadras, das 2.500 planejadas para este ano”, informou.

Já farmacêutico bioquímico José Wilton de Melo, de Iguatu (CE), quis saber “a razão de o valor dos procedimentos pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) referentes a exames clínicos laboratoriais se encontrarem congelados desde julho de 1994″. A presidenta contou que não existe congelamento e que somente nos últimos três anos, o Ministério da Saúde promoveu quatro grandes reajustes da tabela de procedimentos do SUS.

“Entre os procedimentos que tiveram reajustes, estavam os exames clínicos laboratoriais, incluindo os hormonais, neonatais, microbiológicos, bioquímicos, toxicológicos, sorológicos e imunológicos. Em 2008, foram reajustados em 11,12% os valores de 55 procedimentos relacionados a exames hormonais (HGH). É importante ressaltar que o Ministério da Saúde tem como objetivo levar o atendimento qualificado para mais perto da casa do brasileiro. Além de reajustar os valores da tabela, o governo federal também ampliou o acesso da população a esses exames. Em 2010, foram realizados na rede pública 471 mil exames laboratoriais, contra 383 mil exames em 2008, o que representou um crescimento de 23%.”

Reforma agrária foi o terceiro tema da coluna “Conversa com a Presidenta”. A apicultora Maria Aparecida Barros, moradora em Belém (PA), indagou sobre o que o governo federal “prevê para este tema” e se a presidenta Dilma acredita na reforma agrária. “Sim, Maria Aparecida, eu acredito na reforma agrária, que democratiza o acesso à terra, garante a produção de alimentos saudáveis e baratos e gera renda e bem-estar social no campo”, respondeu a presidenta.

“Além do mais, ajuda no esforço pela erradicação da extrema pobreza e contribui para reduzir o inchaço das periferias das cidades. Todo o Brasil ganha com a reforma agrária, e não apenas os beneficiários diretos do programa. É por isso que nós avançamos como nunca no governo passado. Durante os 40 anos de existência do Incra, o número de famílias assentadas superou 1 milhão e mais da metade – 614 mil – recebeu terras entre 2003 e 2010. Dos 85,8 milhões de hectares utilizados para assentamentos, 56% foram nos últimos oito anos.”

E prosseguiu: “Não nos limitamos a fornecer terra. Nós construímos ou recuperamos 53 mil km de estradas vicinais para o escoamento da produção, financiamos a construção ou reforma de 405 mil casas dos assentamentos, fornecemos assistência técnica e programas educacionais, entre vários outros benefícios. Também ampliamos o acesso dos assentados aos recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).”

A presidenta Dilma informou que o governo vai “continuar a investir no assentamento de milhares de novas famílias e a estimular o desenvolvimento de agroindústrias para aumentar a produção e agregar valor aos seus produtos”.

“Queremos ampliar a assistência técnica, o acesso ao crédito e infraestrutura, como luz elétrica, mais estradas, abastecimento de água, entre outros incentivos. A efetividade do programa de reforma agrária é necessária para a construção de um país com justiça fundiária, segurança alimentar e paz no campo.”

Tweets

Portal da Copa

Portal da Copa

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-