Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 às 23:07

Dilma inaugura o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro

Para a presidenta Dilma, o Museu do Amanhã nos capacita a entender nossa história e construir um amanhã melhor. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Para a presidenta Dilma, o Museu do Amanhã nos capacita a entender nossa história e construir um amanhã melhor. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A presidenta Dilma Roussef afirmou nesta quinta-feira (17) que o Museu do Amanhã, na Praça Mauá, no Rio de Janeiro, faz uma conexão entre o passado do Brasil, tão marcante nessa cidade que foi a antiga capital do País, onde se passou grande parte da história do império e da República Velha, com o futuro.

Para ela, a importância dessa conexão é que nos capacita a entender nossa história e construir um amanhã melhor. Por isso, acrescentou, o museu já faz parte do patrimônio histórico e cultural do Brasil, assim como o Museu de Congonhas, inaugurado por ela nesta semana, em Minas Gerais.

Inauguramos aqui um patrimônio histórico do País. Ele é um patrimônio histórico mesmo sendo tão novinho. Lá em Congonhas, é patrimônio histórico da humanidade. Daqui a pouco, o Museu do Amanhã será um patrimônio histórico da humanidade e transformará toda essa região aqui em um grande local para expressar a história do nosso País. O Rio tem a trajetória da nossa vida política também, e ela deve ser preservada”, afirmou.

A presidenta disse também que o local será um dos maiores símbolos da cidade para receber a todos as pessoas que forem à cidade prestigiar as Olímpiadas Rio2016. “Acredito que esse museu será um dos maiores representantes do País que queremos construir, e teremos extrema honra de mostrá-lo a todos que virão nas Olimpíadas”.

Quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 às 20:08

Museu do Amanhã marca processo de revitalização do centro histórico do Rio de Janeiro

Um novo marco para a cidade do Rio de Janeiro. Assim pode ser definido o Museu do Amanhã, novo espaço de lazer, cultura e educação que será inaugurado nesta quinta-feira (17) pela presidenta Dilma Rousseff.

Localizado na Praça Mauá, no centro da capital fluminense, o Museu do Amanhã é um museu de ciência que traz na essência a reflexão sobre o mundo que queremos. Hugo Barreto, diretor da Fundação Roberto Marinho, que foi a idealizadora do projeto em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, explica que o novo museu lida de maneira inovadora com o conhecimento e a visão do que é o futuro.


 “O Museu do Amanhã pretende, sendo um museu de ciências, oferecer uma possibilidade não só de experimentação no campo da ciência, como os demais museus de ciência do mundo, mas especialmente ser uma reflexão sobre o mundo que a gente quer construir no amanhã. Nesse futuro que não é uma data no calendário, lá longe, portanto eu não tenho que me preocupar. O amanhã, na verdade, é uma construção que todos nós, cariocas, brasileiros e cidadãos do mundo estamos construindo no dia a dia com cada uma das nossas escolhas, com cada uma das nossas decisões cotidianas”, afirma.

O projeto do Museu está inserido no projeto de revitalização da região Portuária do Rio de Janeiro e, na avaliação do presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), Alberto Silva, já é um marco para a cidade.

“Ele é importante porque tem uma arquitetura arrojada, inovadora, um novo ícone e, portanto, um novo padrão arquitetônico para a cidade e para o Brasil. Ele é uma inovação do ponto de vista do seu conteúdo, porque é um equipamento cultural, um equipamento educativo, e que trata de questões tão importantes hoje como mudanças climáticas, sustentabilidade. Também é um marco nesse processo de renovação, na medida que nesse conjunto, nessa paisagem, a gente traz à luz, valoriza o passado, ele também simboliza esse olhar, essa perspectiva para o futuro”.

Domingo, 16 de agosto de 2015 às 11:00

Semana do Planalto: inauguração de terminal no Porto do Maranhão e Marcha das Margaridas

Sexta-feira, 14 de agosto de 2015 às 20:50

Dialoga tem sentido de cidadania por ampliar participação popular, afirma Dilma

Dilma com o Ilê Ayê

“Não seremos de fato uma nação desenvolvida sem cultura e sem dar acesso a uma educação de qualidade para os brasileiros”, diz Dilma sobre entrada desse tema na plataforma Dialoga Brasil. Foto: R. Stuckert Filho

A presidenta Dilma Rousseff destacou nesta sexta-feira (14), em Salvador, a importância simbólica de que a primeira edição do Dialoga Brasil fora de Brasília tenha sido realizada hoje, na Bahia. “Começamos bem”, disse ela, acrescentando que a Bahia sintetiza toda a diversidade, que deve ser a base do respeito e do diálogo. O encontro marcou a inclusão de temas da Cultura na plataforma do Dialoga Brasil.

Sete políticas e programas do MinC se juntarão a outros 80 que já compõem o Dialoga Brasil: Agenda Século XXIBrasil de Todas as TelasCultura e EducaçãoPAC Cidades HistóricasPolítica Nacional das ArtesPolítica Nacional de Cultura Viva e Vale-Cultura.

A plataforma Dialoga Brasil tem um sentido de cidadania, de ampliar os graus de participação popular. Quando as perguntas aparecem, a tecnologia permite que aconteça um diálogo entre aqueles que estão presentes e os que não estão aqui”, afirmou.

Desta forma, disse a presidenta, o governo está abrindo, por meio do Dialoga Brasil, um caminho para que a população possa falar diretamente com o governo. O que é muito importante disse, porque “assim como a criança ensina a mãe, o povo também ensina os governantes”, por meio da troca de opiniões. “Nós, aqui, estamos aprendendo junto com vocês”, enfatizou.

Acrescentou que esse caminho do esclarecimento e da participação vai justamente contra a prática insidiosa de criar, no Brasil, um clima de quanto pior, melhor , afirmou ela. Essa prática, criticou, “vem de quem não tem compromisso como País, com as conquistas que alcançamos nos últimos anos”.

Cultura
Dilma destacou ainda a importância dos programas que já estão em debate no Dialoga Brasil e da Cultura, que passou a fazer parte da plataforma a partir desta sexta-feira. Segundo ela, uma das frases do seu programa de governo é que superar a pobreza é apenas o início e é preciso continuar na luta para melhorar a vida dos brasileiros.

 “Superar a miséria é só o início. É o início de serviços melhores na área de educação. E aí entra a cultura. É também ter acesso a um padrão de cultura que é fundamental para identidade do nosso povo. Não seremos de fato uma nação desenvolvida sem cultura e sem dar acesso a uma educação de qualidade para os brasileiros”.

E acrescentou: “Uma das coisas mais importantes que se pode fazer junto é se expressar. E a cultura é isso, é a forma mais forte de expressão para entrarmos em contato um com o outro. Porque o que nos distingue é a nossa capacidade imensa de nos socializar”.

Quinta-feira, 9 de julho de 2015 às 19:08

Cooperação em cinema e outras áreas culturais está entre as próximas metas dos Brics

ufa-2015Brasil, Índia, China e a África do Sul querem ampliar as parcerias, que hoje estão concentradas na área econômica, para aprofundar o intercâmbio e a cooperação no setor cultural entre esses países, especialmente na área de cinema. A informação foi dada pela presidenta Dilma Rousseff, durante entrevista concedida nesta quinta-feira (9), em Ufa, onde está sendo realizada a VII Cúpula dos Brics.

Ela destacou que a cooperação na área cultural foi bastante enfatizado, tanto na reunião privada como no debate entre os presidentes, como também na reunião pública. “Os Brics consideram isso muito importante. E uma área específica [em que] houve o compromisso de a gente aprofundar e fazer uma cooperação de forma mais intensa, para desembocar na próxima reunião, que é a área do cinema”, contou ela.

Bollywood é maior fábrica de estórias de cinema do Oriente

Índia é o maior produtor de filmes do mundo, com cerca de 1.000 lançamentos anuais, quase o dobro dos EUA. Maioria é feita em Bollywood, termo que une cidades de Bombaim e Hollywood. Cena do filme Kabhi Khushi Kabhi Gham (2001)

Dilma reconheceu que as relações entre esses países estão, atualmente, focadas em projetos econômicos. “Mas, crescentemente, algumas questões têm estado na pauta”.

Agregou que, considerando que toda a indústria do entretenimento é uma atividade econômica que agrega muito valor econômico, social e cultural, “nós vamos convergir para uma cooperação forte, na área do cinema”.

A presidenta apontou que vários países Brics têm tradição nessa área, como a Índia, que possui a chamada Bollywood, e a tradição do cinema Russo, entre outros. “Há toda a indústria cinematográfica chinesa, tem a indústria russa. E nós também temos. Aliás, acredito que na América Latina, no Mercosul, está havendo uma grande revigoração do cinema, tanto do brasileiro como do cinema argentino e o uruguaio, que têm tido uma produção intensa”.

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 16:16

Presidenta sanciona Lei que institui Política Nacional de Cultura Viva

A presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei 13.018/2014, que estabelece a Política Nacional de Cultura Viva. Publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta terça-feira (23), a lei tem como principal objetivo ampliar o acesso da população brasileira aos direitos culturais. Para isso, o documento conta com parcerias nas três esferas de governo: federal, estadual e municipal.

A nova legislação transforma o Programa Nacional de Promoção da Cidadania e da Diversidade Cultural (Cultura Viva), idealizado em 2004, em política de Estado, que é viabilizada por meio de três instrumentos. O primeiro deles, chamado de “pontos de cultura”, compreende as entidades não governamentais sem fins lucrativos que desenvolvem ações culturais continuadas nas comunidades locais.

O segundo instrumento é chamado de “pontões de cultura”. São espaços culturais ou redes regionais e temáticas que articulam os pontos de cultura. A proposta permite a parceria entre ambos com escolas de ensino fundamental e médio de todo o País, para a divulgação de suas ações e bens culturais.

O terceiro pilar da nova política nacional é o Cadastro Nacional de Pontos e Pontões de Cultura, composto pelos grupos que desenvolvem ações culturais e que possuem certificação simplificada concedida pelo Ministério da Cultura.

A iniciativa também conta com ações estruturantes no apoio à cultura como: intercâmbio e residência artísticas, cultura digital, conhecimentos tradicionais, memória e patrimônio, entre outras.

Com a nova legislação, a União, por meio do Ministério da Cultura e dos entes federados parceiros, é autorizada a transferir de forma direta os recursos às entidades culturais integrantes do Cadastro Nacional de Pontos e Pontões de Cultura, com a finalidade de prestar apoio financeiro à execução das ações da política nacional.

Fonte: Portal Brasil.

Quarta-feira, 2 de julho de 2014 às 17:43

Marta: Brasil de Todas as Telas coloca o país em condições de entrar no mercado internacional

Após lançamento do programa de apoio ao desenvolvimento do audiovisual brasileiro, Brasil de Todas as Telas, nesta terça-feira (1), a ministra da Cultura, Marta Suplicy, afirmou que ele coloca o Brasil em condições de entrar no mercado internacional como nunca esteve antes.

“É o sonho que a gente tinha de dar essa musculatura para o cinema brasileiro. Com essa possibilidade que investe em tantas áreas do cinema e do audiovisual, vamos conseguir em alguns anos nos tornar um dos grandes players do cinema do mundo. R$ 1,2 bilhão não é pouca coisa, é um dos maiores recursos que a cultura já recebeu,” destacou a ministra.

Os cineastas Cacá Diegues e Luiz Carlos Barreto também participaram da cerimônia e destacaram a relevância do programa. Para Barreto, trata-se de um evento histórico, porque é o caminho de auto sustentação da atividade. Ele falou ainda sobre a importância do Vale Cultura, que democratiza o acesso e devolve o imposto ao povo, ao contribuinte.

“[Brasil de Todas as Telas] é o programa de audiovisual mais importante desde a criação da Lei do Audiovisual, em 1994. É investimento na infraestrutura, para q o cinema brasileiro se torne atividade permanente do Brasil”, ressaltou Diegues.

Quarta-feira, 2 de julho de 2014 às 17:43

Marta: Brasil de Todas as Telas coloca o país em condições de entrar no mercado internacional

Sexta-feira, 1 de março de 2013 às 21:23

Dilma inaugura museu em zona portuária do Rio de Janeiro

O Museu de Arte do Rio (MAR) foi inaugurado nesta sexta-feira (1º), com a presença da presidenta Dilma Rousseff. Ela destacou que o fato de o Brasil estar investindo em museus é um indicativo de que o país está evoluindo para se transformar em uma nação de classe média.

“Um dos efeitos mais importantes, quando a gente vê de fato que um país evolui, que está mudando, se transformando em um país de classe média, que valoriza a superação da miséria, mas também a ciência, a tecnologia e a cultura. (…) Eu acredito que esse museu é um passo do Brasil nessa direção”, disse.

Para a presidenta, o novo museu, que conta com um acervo de mais de 900 obras, apresentará a alma e a história do Brasil aos turistas que visitam a cidade, além de atender a todos os brasileiros. Localizado na Praça Mauá, zona portuária da cidade, o museu faz parte do Projeto Porto Maravilha e ocupa o Palacete Dom João VI, erguido em 1916.

Quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 às 21:01

Dilma recebe atores para sessão de Tainá 3 – A Origem, no Palácio do Alvorada

Dilma Rousseff e a atriz Wiranu Tembé (Tainá) posam para foto antes da exibição do filme Tainá 3 – A Origem, no Palácio da Alvorada. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-