Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Sexta-feira, 4 de julho de 2014 às 13:44

Dilma anuncia apoio federal para reconstrução de áreas atingidas por enchentes no RS

Sexta-feira, 4 de julho de 2014 às 12:54

Governo apoiará reconstrução de áreas atingidas por enchentes no RS

Presidenta Dilma durante reunião com prefeitos de municípios atingidos pelas enchentes no Rio Grande do Sul. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Presidenta Dilma durante reunião com prefeitos de municípios atingidos pelas enchentes no Estado do Rio Grande do Sul. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O governo federal ajudará na reconstrução das áreas afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul, conforme anunciado pela presidenta Dilma Rousseff, nesta sexta-feira (4). O apoio foi determinado em reunião dela com o governador do estado, Tarso Genro e prefeitos de 14 cidades gaúchas atingidas, além do ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, da Saúde, Arthur Chioro, e do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto.

Na reunião, de acordo com o governador Tarso, prefeitos agradeceram as medidas iniciais tomadas para proteger a vida das pessoas imediatamente. Ele explicou que nesta segunda fase, o foco é preparação para reconstrução das regiões, com preocupação maior com comida, saúde e alojamento.

“A presidenta colocou toda a força do governo federal, todos os recursos necessários para esta primeira e para a preparação de uma segunda fase também. Num segundo momento, aí temos que ter um arbitramento que venha da exposição dos prefeitos sobre os prejuízos materiais que tiveram. O que combinamos é passar recursos diretamente para os prefeitos, para eles comprarem, utilizarem e repassarem imediatamente combustível, pois estão aparelhados com patrolas, motoniveladoras que foram distribuídas pelo governo federal”, afirmou.

General Adriano, Secretário Nacional de Defesa Civil, fala sobre o apoio federal para áreas atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul

Terça-feira, 17 de junho de 2014 às 18:11

Dilma: A nós interessa a vida, a segurança e o abrigo das pessoas

Terça-feira, 17 de junho de 2014 às 18:11

Dilma: A nós interessa a vida, a segurança e o abrigo das pessoas

Dilma sobrevoa áreas atingidas pelas chuvas, no Sul do país. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Dilma sobrevoa áreas atingidas pelas chuvas, no Sul do país. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Após sobrevoar áreas atingidas por enchentes no Sul do país, nesta terça-feira (17), a presidenta Dilma Rousseff garantiu ações de socorro, assistência e restabelecimento às regiões afetadas. Em entrevista coletiva concedida em União da Vitória (PR), a presidenta detalhou a ação conjunta de municípios atingidos, governos estadual e federal.

“Aí tem muita importância o papel das Forças Armadas, utilizando seus caminhões, seus barcos, toda a sua estrutura para fazer resgate e, em outros casos, para também, no que se refere ao restabelecimento, construir pontes provisórias para permitir que se restabeleça a vida o mais normal possível antes de começar a reconstrução. (…) Porque quando você vai reconstruir, você quer também garantir que diminua a possibilidade de, diante de uma chuva bastante elevada como a que ocorreu aqui, haja um desastre dessa proporção. (…) Nós temos uma política clara em relação à construção de casas e moradias para quem foi atingido. O Minha Casa, Minha Vida dá prioridade absoluta a recompor a casa das pessoas atingidas desde que sejam pessoas de renda até 5 mil reais.”

Dilma anunciou também a criação de um comitê de emergência, ação já tomada anteriormente em outros lugares, com um representante de cada esfera de governo – federal, estadual e municipal, para ativar diretamente as ações, dando mais agilidade e simplificando a vida das pessoas afetadas. A presidenta ainda listou o que já foi liberado para o Paraná:

“Nós liberamos 14.200 cestas de alimentos. Liberamos 12.200 kits dormitório. O Exército deu um apoio com helicópteros, que é a coisa mais cara que tem. Apoio e ações de socorro pelo Exército: várias, inclusive caminhões de 50 toneladas, os barcos pneumáticos, os barcos-ponte e as pontes, e 170 homens. Lançamento de ponte pelo Exército: o total deu 3 milhões, 970 mil e 522 entre recursos materiais, serviços e dinheiro,” detalhou.

Confira a íntegra

Segunda-feira, 25 de março de 2013 às 20:53

Governo federal vai liberar verba emergencial para Petrópolis

Presidenta Dilma Rousseff durante reunião de coordenação sobre ações emergenciais em Petrópolis. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Presidenta Dilma Rousseff durante reunião de coordenação sobre ações emergenciais em Petrópolis. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O ministro da Integração, Fernando Bezerra, afirmou, nesta segunda-feira (25), após reunião com a presidenta Dilma Rousseff, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo, que a verba emergencial para o município pode chegar a R$ 100 milhões.

“A Secretaria Nacional de Defesa Civil tem critérios para a definição desse valor, tendo em vista o número de pessoas afetadas, o número de pessoas desalojadas, desabrigadas e os prejuízos materiais que foram causados e que serão avaliados. (…) Na quarta-feira teremos um relatório preliminar do esforço de reconstrução da cidade. A primeira avaliação preliminar do prefeito é de que esse apoio deverá alcançar mais de R$ 100 milhões”, afirmou Bezerra.

O valor será definido em reunião nesta quarta-feira em Brasília e terá como base os pedidos da prefeitura, em função dos prejuízos causados com a reconstrução de casas, de postos de saúde, de vias, etc. Um primeiro repasse deve acontecer até a próxima segunda-feira (1°), e servirá para atender as pessoas atingidas pelas chuvas dos últimos dias.

Quarta-feira, 20 de julho de 2011 às 12:05

Chuvas no Nordeste: presidenta Dilma oferece ajuda aos estados de Pernambuco e da Paraíba

Enviado pelo governo federal ao estado da Paraíba, secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana (D), conversa com o governador Ricardo Coutinho e assessores do governo local. Foto: José Marques/Secom/PB

O governo federal está empenhado em ajudar os estados de Pernambuco e Paraíba que tiveram prejuízos em função das chuvas nas últimas semanas. A presidenta Dilma Rousseff telefonou, na manhã desta quarta-feira (20/7), para os governadores Eduardo Campos (Pernambuco) e Ricardo Coutinho (Paraíba) e deixou mensagem de solidariedade e força ao povo destes dois estados. A notícia dos telefonemas foi transmitida pelo porta-voz da Presidência da República, Rodrigo Baena, agora pela manhã, no comitê de imprensa do Palácio do Planalto.

Segundo relato da Secretaria de Comunicação Social (Secom) do governo da Paraíba, a presidenta Dilma informou ao governador Coutinho que designou os ministros da Integração Nacional, Fernando Bezerra, e dos Transportes, Paulo Sérgio Passos para, em seu nome, tomar as providências para a reestruturação das áreas atingidas pelas chuvas.

Durante a ligação, ainda segundo o governo paraibano, Dilma Rousseff perguntou ao governador sobre os estragos ocasionados pelas chuvas e sobre as ações de assistência às 15 mil pessoas desabrigadas e desalojadas de suas casas no estado. “O governo federal está à disposição e será parceiro do estado neste momento, onde são necessárias força e superação”, garantiu a presidenta.

O governador Coutinho agradeceu o gesto de solidariedade da presidenta e dos ministros designados, e disse esperar apoio financeiro federal para superar os estragos provocados pelas chuvas nos 43 municípios atingidos.

“Vínhamos superando as grandes dificuldades financeiras e justamente nesse momento será necessário alocar um grande volume de recursos para reconstruir as áreas atingidas pelas águas. Mas acreditamos que junto com o governo federal, as prefeituras e a solidariedade do povo, vamos superar as dificuldades”.

Ricardo Coutinho está em Brasília, onde cumpre agenda com o ministro Fernando Bezerra no início da tarde para solicitar a liberação de recursos para prestar apoio às pessoas desabrigadas e desalojadas e reparar os danos nas estradas e pontes e casas das populações atingidas.

Ontem (19/7), o governador Coutinho recebeu em João Pessoa o secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana, que acompanhou parte do levantamento dos estragos provocados pelas chuvas.

Pernambuco

Já a Assessoria de Imprensa do governo de Pernambuco informou que as 10h desta quarta-feira, o governador Eduardo Campos e o ministro Paulo Passos farão um sobrevoo sobre a BR-101 até o entroncamento com a PE-60. Depois seguem para uma reunião no Palácio do Campo das Princesas – sede do governo local – e concedem entrevista coletiva.

A PE-60 vem sofrendo grande desgaste desde as chuvas do ano passado, quando parte do trânsito da BR-101 foi desviado para a rodovia estadual. Na ocasião, ficou acertado que a manutenção da rodovia estadual seria feita pelo Dnit.

Sexta-feira, 10 de junho de 2011 às 16:55

Governo anuncia liberação de R$ 15 milhões para recuperar prejuízos causados pelas chuvas em Roraima

O ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional) e o secretário de Defesa Civil, Humberto Viana, sobrevoaram as regiões atingidas pelas chuvas em Roraima. Foto: Wilson Dias/ABr

O governo federal vai liberar R$ 15 milhões para ajudar Roraima a atender a população e reparar os estragos causados pelas intensas chuvas que obrigaram o governo estadual a decretar situação de calamidade pública no último domingo. A expectativa é que o dinheiro comece a ser liberado na semana que vem. O anúncio foi feito pelo ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho.

Do total, R$ 5 milhões vão ser destinados a assistência à população, ou seja, para compra de alimentos, barracas, medicamentos, entre outros itens. Os R$ 10 milhões restantes serão utilizados nas primeiras obras de reparação e restauração dos danos.

“Vamos liberar os R$ 10 milhões [destinados às obras] para que o governo estadual possa ele próprio ou em parceria com os municípios evitar o isolamento de algumas regiões, trabalhando sobretudo na retomada das ligações por meio das rodovias”, afirmou o ministro, admitindo que o montante ainda pode aumentar de acordo com as necessidades.

Bezerra viajou acompanhado do secretário nacional de Defesa Civil, Humberto Viana, e de uma comitiva de parlamentares do estado.

Já na capital, Bezerra e Viana sobrevoaram algumas das áreas alagadas. Boa Vista concentra a maior parte da população do estado e é um dos locais mais afetados pelas chuvas de inverno, que se intensificaram nos últimos 30 dias e que, segundo o governador José de Anchieta Junior, devem durar até o fim de agosto.

Além da ajuda financeira, o apoio federal incluirá a distribuição de dez mil cestas de alimentos contendo 21 quilos de alimentos. As cestas estão em um armazém da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em Manaus (AM), e serão distribuídas segundo critérios da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) de Rondônia. De acordo com o Ministério da Integração Nacional, os produtos que serão distribuídos são suficientes para abastecer uma família de cinco pessoas por cerca de 15 dias.

“Eu acredito que haverá necessidade de mais [recursos], mas, neste momento, toda ajuda é bem-vinda nesta situação em que nos encontramos. Vamos trabalhar e buscar esses recursos. Como governador, eu gostaria de dizer que seria suficiente e espero que não seja necessário muito mais”, disse o governador de Roraima, José de Anchieta Junior.

A Secretaria Nacional de Defesa Civil também já colocou à disposição do governo estadual uma equipe de técnicos. Além disso, militares das Forças Armadas, sobretudo do Exército, e bombeiros de outros estados serão mobilizados.

Chuvas em Roraima

Nas quatro rodovias federais que cortam o estado, há quilômetros de trechos alagados por onde é impossível trafegar com veículos. Pontes foram arrastadas. Diversas comunidades estão isoladas e o receio é que faltem alimentos, medicamentos e combustível. As aulas foram suspensas e as férias escolares antecipadas no interior do estado.

Segundo a Cedec/RR, até essa quarta-feira (8/6), o número de desabrigados chegava a 8.895 pessoas. Outras 41.583 pessoas haviam sido desalojadas. A estimativa é de que, no total, 355 mil pessoas tenham sido afetadas.

Na última terça-feira (7), o governador José de Anchieta Júnior esteve em Brasília, onde pediu a ajuda do governo federal. Na ocasião, Anchieta afirmou que até o fim de agosto, quando termina o inverno e o período de chuva na região, só será possível trabalhar “de forma paliativa” e não de forma a recuperar plenamente os estragos.

Sexta-feira, 13 de maio de 2011 às 18:58

Pernambuco terá cinco novas barragens, como parte da política nacional de prevenção

O estado de Pernambuco terá cinco novas barragens para contenção de bacias hidrográficas, sendo que duas delas – Panelas II e Gatos – cujos convênios foram firmados nesta sexta-feira (13/5) pela presidenta Dilma Rousseff e o governador Eduardo Campos, em Brasília (DF), já estão em processo de licitação, e as outras três em fase de elaboração dos projetos. A informação foi apresentada pelo ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, após audiência com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto.

De acordo com Fernando Bezerra, os projetos básicos e executivos das três outras barragens serão concluídos por volta do mês de agosto, quando então serão celebradas novas parcerias. O investimento global das cinco barragens – completou Bezerra – será da ordem de R$ 640 milhões, sendo R$ 320 milhões de aporte federal e os outros R$ 320 milhões do governo do estado.

“Essa é mais uma demonstração inequívoca do governo federal de dar a virada na política nacional de defesa civil, ampliando os investimentos na linha da prevenção, no sentido de evitar que novas tragédias possam se repetir nessa importante região do estado de Pernambuco”, afirmou o ministro.

Após o relato do ministro da Integração, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, conversou com os jornalistas e explicou que a meta do governo é chegar, até o fim de 2011, com as obras das cinco barragens já iniciadas.

“Duas delas tem um prazo de construção de um ano e outras três com um prazo que pode chegar a dois anos”, informou.

O governador afirmou que o estado realizou um levantamento topográfico das bacias hidrográficas e desenvolveu, a partir dos dados coletados, um sistema de monitoramento com informações a cada 15 minutos. Segundo Campos, esse levantamento “foi fundamental para que em 2011 não houvesse nenhuma vítima”.

“Então o sistema de monitoramento e prevenção já funcionou este ano”, disse.

Segundo dados da Defesa Civil, o estado de Pernambuco tem hoje 14 mil famílias desalojadas ou desabrigadas em decorrência das chuvas. O governador informou que, no momento, 12 mil casas estão sendo construídas; diversas rodovias que foram avariadas sendo reconstruídas; o abastecimento de água foi restabelecido e a ligação com os municípios afetados foi refeita.

“Estamos prosseguindo com uma série de obras que estavam ocorrendo nessa região; uma parte delas foi danificada. Estamos recomeçando”, concluiu.

Sexta-feira, 13 de maio de 2011 às 17:14

Chuvas em Pernambuco: governo assina convênio para construção de barragens

Presidenta Dilma Rousseff recebe Eduardo Campos, governador de Pernambuco, e o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Após receber relatos por parte do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, sobre a situação do estado após as fortes chuvas que castigaram municípios pernambucanos em abril e maio deste ano, a presidenta Dilma Rousseff assinou convênios entres os governos federal e estadual para a construção das barragens de Panelas II e Gatos. Na tarde desta sexta-feira (13/5), a presidenta recebeu, em seu gabinete, além do governador Eduardo Campos, os ministros Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) e Luiz Sérgio (Relações Institucionais), para tratar de medidas de apoio ao estado.

Segundo o Ministério da Integração Nacional, os dois reservatórios terão papel importante na contenção de enchentes na Mata Sul e em parte do Agreste pernambucano, e juntos vão custar R$ 65 milhões.

Durante o encontro, a presidenta questionou ao governador se as barragens trariam uma solução definitiva à questão das enchentes. Ela se mostrou bastante preocupada com a situação do estado, em particular com a população que reside nas áreas atingidas. Durante a assinatura dos contratos, a presidenta Dilma fez questão de ouvir atentamente o relato do governador e demandou, aos ministros, todo empenho para ajudar o estado a se recuperar e, principalmente, para implantar medidas preventivas.

Barragens - Localizada no município de Cupira, a 168 km do Recife, Panelas II vai ocupar uma área de 324 hectares. Terá capacidade para acumular 17 milhões de m³ e será erguida no Rio Panelas, afluente do Rio Una. Sua construção vai custar R$ 50 Milhões (sendo R$ 11,5 milhões de contrapartida do governo do estado). Vai beneficiar mais de 13 mil pessoas dos municípios de Belém de Maria, Catende e Palmares.

Outras 5.500 pessoas desses mesmos municípios serão beneficiadas com a Barragem de Gatos. Com 241 hectares, ela será construída no município de Lagoa dos Gatos. O reservatório poderá receber até 6,3 milhões de m³ e custará R$ 15 milhões. Ela será construída sob o Riacho dos Gatos, um afluente do Rio Panelas, que deságua no Piranji.
 
Ambas já possuem estudo topográfico e projetos executivos finalizados. O aviso do edital de licitação para a construção destas duas grandes obras já foi lançado e as empresas vencedoras devem ser conhecidas no próximo dia 15 de junho. A previsão é de que as obras sejam entregues antes do próximo inverno.

Apoio ao agricultor - A construção de barragens de Panelas II e Gatos também traz benefícios indiretos para os pernambucanos, ao evitar perdas econômicas na agricultura, pecuária e no comércio. A água acumulada nos reservatórios também poderá ser utilizada como insumo para atividades produtivas.

No que se refere aos benefícios sociais, serão evitados danos aos sistemas de abastecimento de água, esgotamento sanitário, sistema de drenagem urbana, coleta de lixo, rede de distribuição de energia, acessibilidade às vias municipais, bem como a não paralisação dos serviços de educação, saúde e comunicação das cidades
 
Para que todos os prazos sejam cumpridos e as obras não sofram atrasos, o governo do estado enviou à Assembleia Legislativa no início desta semana um Projeto de Lei que visa encurtar o processo de construção de barragens em Pernambuco.

Quinta-feira, 5 de maio de 2011 às 13:18

Governo libera R$ 18,7 milhões para vítimas das chuvas em Pernambuco

Governador Eduardo Campos (camisa branca) coordena reunião com prefeitos no Recife. Foto: Eduardo Braga/SEI

O governo federal liberou, nesta quinta-feira (5/5), R$ 18,7 milhões para o estado de Pernambuco. Os recursos serão utilizados ajudar as vítimas das chuvas neste estado da região Nordeste. Por meio da Portaria nº 253 publicada no Diário Oficial da União, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, autoriza a transferência de recursos para ações de defesa civil.

 

“Considerando a natureza e a intensidade dos efeitos do desastre na área afetada, o prazo de execução de obras e serviços é de 365 dias, a contar da liberação dos recursos. A utilização, pelo ente beneficiário, dos recursos transferidos está vinculada exclusivamente à execução das ações de socorro e assistência às vítimas em Pernambuco”, diz o texto da portaria.

Ontem, governador Eduardo Campos reuniu-se com secretários e gestores de órgãos operacionais estaduais e federais para acompanhar de perto as chuvas que castigam Pernambuco. Durante o encontro, Campos recebeu informações da Agência Pernambucana de Água e Clima (APAC) e do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), que apresentaram a previsão de chuvas intensas durante a noite de ontem e a madrugada desta quinta-feira (5/5), que acarretariam um aumento significativo do nível dos rios que cortam a Região Metropolitana e a Zona da Mata pernambucanas. As duas áreas foram sobrevoadas e visitadas pelo governador durante o dia.

“Estamos com toda a nossa equipe operacional mobilizada e acompanhando a situação em tempo real. Os prefeitos da Região Metropolitana e das cidades no curso do rio Capibaribe estão sendo informados e nos ajudando a manter a população alerta para a possibilidade de transbordamento nas áreas ribeirinhas”, disse o governador.

Eduardo Campos esteve reunido com o prefeito do Recife, João da Costa, e com o coordenador Nacional de Defesa Civil, coronel Humberto Viana, para passar informações e combinar providências. Segundo a assessoria do governo pernambucano, de imediato, foram acionados esquemas de emergência para o caso de ser necessário abrigar moradores de áreas da margem do rio Capibaribe, que podem ser inundadas.

“Têm ocorrido chuvas muito intensas, que exigem um nível de monitoramento especial, com utilização inclusive do sistema digital para a medição remota do nível dos rios”, explicou o secretário de Recursos Hídricos, João Bosco de Almeida.

Participaram da reunião realizada no Palácio do Campo das Princesas os secretários Danilo Cabral (Cidades), Isaltino Nascimento (Transportes), Wilson Damázio (Defesa Social), João Bosco (Recursos Hídricos e Energia) Antônio Figueira (Saúde), Alexandre Rebêlo (Planejamento e Gestão), Renato Thièbaut (Gabinete), Cel.Mário Cavalcanti (Casa Militar), Geraldo Júlio (Desenvolvimento Econômico) e Thiago Norões (Procuradoria Geral do Estado), além de representantes do DNOCS e dos órgãos operativos do Governo do Estado como Corpo de Bombeiros, Codecipe e Polícia Militar.

Tweets

Portal da Copa

Portal da Copa

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-