Portal do Governo Brasileiro

Tamanho da fonte:


Domingo, 15 de novembro de 2015 às 9:37

Em reunião dos Brics, Dilma diz ser urgente ação internacional conjunta contra o terrorismo

Presidenta Dilma classifica como atrocidade os ataques terroristas de Paris. Foto: Ana Carolina Melo/Blog do Planalto

selo turquia 2A presidenta Dilma Rousseff abriu seu discurso na reunião de líderes dos Brics, na manhã deste domingo (15), reiterando seu repúdio pelos ataques terrorista ocorridos em Paris na última sexta-feira.

“Essa atrocidade torna ainda mais urgente uma ação conjunta de toda comunidade internacional no combate sem tréguas ao terrorismo”, disse a presidenta em Antália, na Turquia.

Para Dilma, o grupo dos Brics (que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) teve resultados “muito expressivos” como a concretização do Novo Banco de Desenvolvimento e do Arranjo Contigente de Reservas, que, segundo ela, devem impulsionar a ampliação da agenda de cooperação e a consolidação da parceria econômica do bloco.

“Nossos países estão comprometidos a trabalhar pela redução dos riscos que a economia global continua a enfrentar”, destacou a presidenta.

Dilma enfatizou que a coordenação brasileira no G20 continuará a priorizar os investimentos em infraestrutura, a redução da volatilidade dos mercados globais, a necessidade de reforma das instituições financeiras e o combate à pobreza e às desigualdades como temas importante para os países em desenvolvimento.

Dilma ressaltou ainda que o grupo dos Brics “continuará a ser uma força positiva para a retomada do crescimento global nos próximos anos”.

Para isso, ela reforçou o empenho de tornar realidade os compromissos da reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI), assumidos em 2010, em prol de uma governança econômico-financeira global mais equilibrada e representativa, com maior participação dos países emergentes e em desenvolvimento.

Sexta-feira, 13 de novembro de 2015 às 21:59

G20 se tornou principal instância de decisões econômicas no mundo, diz professor

Professor UnB G20

Roberto Menezes: “Ascensão, nos últimos anos, de países como o Brasil, a China e a Índia fizeram que o ambiente central de decisão econômica internacional saísse dos tradicionais G7 e G8″. Foto: Blog do Planalto

ONUDesde a crise internacional de 2008, o G20 se tornou o principal fórum de discussão para as grandes questões financeiras e econômicas internacionais. É o que afirma o professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (Unb), Roberto Goulart Menezes.

De acordo com o professor, em um mundo cada vez mais marcado pelo multilateralismo, a ascensão, nos últimos anos, de países como o Brasil, a China e a Índia fizeram que o ambiente central de decisão econômica internacional saísse dos tradicionais G7 e G8 para um organismo mais compatível com a atual configuração de forças globais.

“Não há dúvidas de que o G7 perdeu esse espaço como o ‘locus’ central de decisão para as grandes questões econômicas do mundo”,afirmou em entrevista ao Blog do Planalto. 

Criado em 1999, após a crise da Ásia que atingiu as grandes economias exportadores do continente, o Grupo dos 20 (G20) passou a reunir os 19 países com maior PIB do mundo e a União Europeia.

O fórum foi criado para buscar coordenar posições dentre as principais economias globais que, juntas, reúnem 80% do PIB do mundo”, explicou o professor.

É nesse ambiente que a presidenta Dilma Rousseff se reúne a partir deste final de semana com as principais lideranças internacionais em busca de saídas para a crise que atinge o Brasil e a maior parte das economias do mundo.

“A importância da participação do Brasil no G20 neste momento é a de buscar construir saídas para a crise que sejam benéficas para países do seu perfil. Construir saídas para a crise significa construir novas regras do jogo como, por exemplo, na questão do protecionismo comercial. Sempre que temos uma crise é esperado que os países se retraiam mais e, com isso, o nacionalismo econômico volte a falar mais alto”, ponderou.

Exemplo disso é que neste final de semana o Brasil defenderá na reunião de Cúpula do G20 que os países do bloco assumam o compromisso de não aumentar os subsídios para produtos agrícolas em meio ao chamado fim do superciclo das commodities, responsável pela queda internacional dos preços de matérias-primas e que atingiu, sobretudo, os países mais dependentes da exportação de produtosagrícolas.

Como destaca o professor Menezes, se as origens da crise financeira de 2008 já são um consenso entre os países, os meios para superá-la não o são. “É aí que, novamente, o jogo de forças político, econômico e geopolítico volta a contar de maneira crucial”, acrescentou.

Brasil
Sétima economia do mundo e maior economia da América Latina, o Brasil ocupa uma posição importante dentro do G20, sobretudo pela influência que exerce na América do Sul, explica o professor da Unb. Brasil e Argentina são os únicos representantes sul-americanos no grupo.

“Na reunião do G20 o Brasil busca coordenar posições com países como China, Argentina, Turquia e, certamente, com seus parceiros do Brics. Não necessariamente os Brics vão conseguir criar uma posição de consenso em todas as pautas. Mas eles vão tentar coordenar suas agendas e naqueles pontos que coincidem vão procurar trabalhar em bloco”.

Prova disso é que antes do início da reunião do G20, na manhã deste domingo (15), os presidentes dos cinco países que compõem os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) se reúnem em Antalia, na Turquia, para alinhar posições.

Temas de discussão
Tema já confirmado para a reunião deste domingo, a crise dos refugiados que atinge o Oriente Médio, o norte da África e a Europa será trazido pela Turquia para a cúpula do Grupo dos 20.

“A Turquia tem todo o interesse em incluir esse tema na discussão, porque dos quatro milhões de refugiados sírios que chegaram à Europa, dois milhões estão na Turquia. Então, os turcos têm todo o interesse em incluir esse debate”, afirmou.

Além disso, o professor destacou como temas que certamente virão à tona na cúpula a crise bancária chinesa e a questão ambiental, que interessa diretamente ao Brasil. Nesse sentido, ele lembrou que logo depois do G20, os líderes internacionais voltam a se reunir em Paris, para a Cúpula do Clima, a Cop 21.

“A questão ambiental é um tema chave para a economia global e muitas vezes utilizada como mecanismo de protecionismo”,contextualizou.  

Busca por parcerias e diversificação de mercados
Além disso, o professor Roberto Menezes ressalta que, no G20, interessa ao Brasil reforçar suas parcerias estratégicas e seu potencial de ser reconhecido como um parceiro chave em um mundo marcado cada vez mais pelo multilateralismo e pelas múltiplas parcerias. E acrescenta, que de acordo com o tema – como no caso das questões ambiental e a energética – o Brasil é visto sim como um país crucial dentro do cenário internacional, além de possuir a confiança de diversos países dentro e fora de sua região.

Outro ponto importante destacado pelo professor é que o Brasil tem buscado, dentro do cenário e dos fóruns internacionais, reverter a retração que sofreu em suas exportações, no último ano, em função da redução da compra de commodities pela China, que era o principal destino das exportações brasileiras. “A economia chinesa retraiu, o que fez o Brasil também sentir em suas exportações. Mas o Brasil tem procurado reverter esse cenário”,

Ele destacou iniciativas por meio das quais o governo brasileiro tem se empenhado em promover a diversificação de seus mercados, como o esforço que tem sido feito pela presidenta Dilma para que o Mercosul apresente uma proposta consensual de acordo comercial com a União Europeia, até o final deste ano, e a busca pela renovação de acordos de complementação econômica, como os assinados recentemente com o México e Colômbia. “O Brasil não está parado”, salientou.

Sábado, 13 de dezembro de 2014 às 10:00

Brics propõem acesso universal a medicamentos contra tuberculose

Facilitar o acesso aos medicamentos de combate à tuberculose aos países do Brics e em países de baixa renda. Este é principal resultado da 4ª Reunião de Ministros da Saúde do Brics, realizada de 2 a 5 de dezembro em Brasília. O enfrentamento à má nutrição e as trocas de experiências em relação às ações de prevenção a aids e ebola também foram incluídos entres os compromissos firmados em um comunicado apresentado na sexta-feira (5) pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro.

Ações cooperativas entre países do Brics, que reúnem 43% da população mundial, impactam fortemente no mapa da saúde global. Foto (ministros da Saúde do Brics): José Cruz/Agência Brasil

Ações cooperativas entre países do Brics, que reúnem 43% da população mundial, impactam fortemente no mapa da saúde global. Foto (ministros da Saúde do Brics): José Cruz/Agência Brasil

“O documento reflete a preocupação dos cinco países com a saúde global. A possibilidade de garantirmos o fornecimento gratuito de medicamentos de primeira linha contra a tuberculose é um marco e demonstra nosso compromisso, o fomento ao desenvolvimento tecnológico, e respaldo às iniciativas multilaterais de saúde”, declarou Chioro.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 22 países sejam responsáveis por mais de 80% dos casos de tuberculose no mundo e que Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul representam 50% dos casos notificados. A expectativa é que seja atingida a meta de 90% dos grupos vulneráveis, e que 90% dos pacientes sejam diagnosticados. Como resultado, o tratamento com sucesso de 90% das pessoas. O plano para universalização dos medicamentos de tuberculose será finalizado em março de 2015, quando especialistas do Brics se encontrarão para definir as estratégias e metas que deverão ser adotadas pelos países.

Na área de HIV e aids, o debate foi em torno da adesão às metas voltadas para melhorar a qualidade de vida das pessoas com a doença. Os países pretendem cumprir a meta estabelecida pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) e pela OMS, conhecida como 90-90-90, até 2020. A meta é testar 90% da população e, das pessoas que apresentarem resultado positivo, tratar 90%. Como resultado, conseguir que 90% das pessoas tratadas apresentem carga viral indetectável.

Os representantes expressaram preocupação sobre a epidemia do ebola e aprovaram a criação de um grupo de trabalho para desenvolver um plano conjunto de enfrentamento da doença. Na quarta-feira (3), o governo brasileiro já havia anunciado a doação de R$ 25 milhões a agências das Nações Unidas para combate ao ebola.

Outro item debatido foi o número elevado de mortes prematuras associadas a doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em países em desenvolvimento. Os ministros reforçaram a importância da adoção de estratégias para reduzir fatores de risco (consumo de tabaco, dieta inadequada, inatividade física e do uso nocivo do álcool), para fortalecer seus serviços de saúde e para promover a investigação e desenvolvimento e acesso a medicamentos.

Brics
As ações cooperativas entre os representantes do Brics impactam fortemente no mapa da saúde global, tendo em vista que juntos reúnem 43% da população mundial. Os países enfrentam uma série de desafios de saúde pública similares, incluindo o acesso aos serviços de saúde e medicamentos, aumento dos custos de saúde especialmente referente a doenças infecciosas e também as taxas crescentes de doenças não transmissíveis.

Nos encontros anteriores, os governos apresentaram a necessidade de equacionar as diversas assimetrias na área de saúde. Uma das propostas foi a possibilidade de se estabelecer uma Rede de Cooperação Tecnológica, como forma de promover a transferência de tecnologias e o acesso a medicamentos. Em 2013, foi adotado o Marco do Brics para a Colaboração em Projetos Estratégicos em Saúde.

Com informações do Ministério da Saúde.

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 9:39

Novo banco terá postura diferenciada em relação a países em desenvolvimento

Quarta-feira, 16 de julho de 2014 às 15:41

Confira galeria de imagens da VI Cúpula dos Brics


Quarta-feira, 16 de julho de 2014 às 11:42

Novo banco terá postura diferenciada em relação a países em desenvolvimento

Brics 2014

Em entrevista coletiva nesta terça-feira (16), a presidenta Dilma  Rousseff voltou a defender uma reforma no Fundo Monetário Internacional (FMI), de forma que a distribuição de cotas do fundo passe a refletir a correlação de forças dos países que integram o G-20 e reforçou a participação igualitária que os membros dos Brics terão na gestão do novo banco de desenvolvimento, o New Development Bank (NDB).

“Nós não temos o menor interesse em abrir mão do Fundo Monetário. Pelo contrário, nós temos interesse em democratizá-lo, torná-lo mais representativo. O novo banco dos Brics não é contra, ele é a favor de nós. É uma postura completamente diferente, e terá sempre uma postura diferenciada em relação aos países em desenvolvimento”, comentou.

Segundo Dilma, a nova instituição financeira poderá, no futuro, estudar pedidos de financiamentos de países não integrantes dos Brics.

“Nós sempre olharemos com muita generosidade os nossos empréstimos. Agora, eles serão feitos com padrões absolutamente de boa gestão. Ninguém vai sair por aí, nem é esse papel do Banco dos Brics, fazendo qualquer ação financeira sem fundamento técnico, sem base, sem avaliação”, observou a presidenta. Ela avaliou positivamente o primeiro dia de reuniões da VI Cúpula do Brics.

Presidenta Dilma durante cerimônia de atos com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Presidenta Dilma durante cerimônia de atos com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

“Acho que é extremamente relevante para esses cinco países. Muda as condições tanto de financiamento quanto cria uma rede de proteção. Queria lembrar que nós propusemos o acordo contingente de reservas, e a Índia propôs o novo banco Brics. E hoje, pouco mais de dois anos depois daquela proposta, nós conseguimos realizá-la. É um processo complexo, não é algo trivial, e acredito que isso signifique bastante para o cenário multilateral internacional”, disse Dilma.

Confira a íntegra

Quarta-feira, 16 de julho de 2014 às 9:57

Presidenta Dilma concede entrevista antes da VI Cúpula do Brics, em Fortaleza

Quarta-feira, 16 de julho de 2014 às 9:56

Presidente do BNDES fala do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics

Terça-feira, 15 de julho de 2014 às 11:46

Banco do Brics permitirá avanços na infraestrutura de países em desenvolvimento

Presidenta Dilma Rousseff na primeira sessão privada de trabalho da VI Cúpula dos Brics, em Fortaleza. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Presidenta Dilma Rousseff na primeira sessão privada de trabalho da VI Cúpula dos Brics, em Fortaleza. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Brics 2014

A criação do banco de desenvolvimento do Brics foi um dos principais temas do encontro dos bancos nacionais de desenvolvimento dos cinco países, realizado nesta segunda-feira (14) na VI Cúpula em Fortaleza. Antes de se dirigir ao local das reuniões dos Brics, no Centro de Eventos do Ceará, a presidenta Dilma Rousseff considerou que a criação do banco beneficiará e dará mais segurança aos Brics e demais países.

“Acredito que os Brics têm dado grandes passos no sentido de criar instituições que vão beneficiar os países emergentes e em desenvolvimento. Por exemplo, o banco. O banco vai contribuir com recursos para garantir investimentos em infraestrutura. E por outro lado, o acordo contingente de reserva, que tem um montante de US$ 100 bilhões, ele vai contribuir para que esse processo de volatilidade, enfrentado por diversas economias, quando da saída dos Estados Unidos da política de expansão monetária, seja mais contido, seja mais administrado. E dá segurança, dá uma espécie de rede de proteção, aos países Brics e aos demais, amplia a segurança”, afirmou a presidenta.

De acordo com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, um trabalho de cooperação vem sendo construído ao longo dos últimos cinco anos e ganhará maior expressão com criação do novo banco. Na Cúpula realizada na China, o tema infraestrutura foi priorizado; na Índia, o intercâmbio de investimentos diretos entre países; e na África do Sul, a oportunidade de atuar conjuntamente em países africanos. Um dos temas principais discutidos na Cúpula do Brasil é a criação de banco de desenvolvimento dos Brics.

“Olhando para o futuro, toda essa cooperação ganhará maior expressão a partir do momento em que se criar um banco dos países Brics, porque essa nova entidade poderá tirar proveito das experiências dos nossos países, e dos seus respectivos bancos de desenvolvimento, mas também se tornará certamente mais um parceiro da rede de bancos nacionais de desenvolvimento para projetos em vários outros países em desenvolvimento (…) e não apenas dos países Brics. Nesse sentido, abrir-se-á mais espaço de mercado para diversificação das exportações brasileiras. É claro que as nossas comoditties continuarão a ter um peso relevante em função da elevada competitividade que o Brasil tem. Mas o desenvolvimento de novos mercados estará facilitado na medida em que os países em desenvolvimento possam crescer mais rapidamente”, declarou Luciano Coutinho.

A criação do banco de desenvolvimento dos Brics contribuirá com crédito de longo prazo, modalidade carente, especialmente para investimentos em infraestrutura. Segundo Coutinho, há déficit de pelo menos US$ 800 bilhões ao ano em investimentos nesse setor que poderiam se realizar nos países em desenvolvimento. A perspectiva é de que o novo banco seja instrumento de cooperação no financiamento da infraestrutura nos países do Brics e também em outros países em desenvolvimento. Este avanço na infraestrutura também cria oportunidades para o Brasil.

“Nesse sentido o BNDES vem se esforçando para que essa cooperação com bancos do Brics se aprofunde e se aperfeiçoe. A nossa presença, por exemplo, na África, com instalação da nossa representação em Johanesburgo, está abrindo nesse momento a possibilidade de muitos projetos em comum com a chance de cofinanciarmos projetos em parceria com os bancos dos países Brics. (…) O avanço na infraestrutura abre espaços também para o Brasil. O Brasil tem uma indústria competitiva em equipamentos, tem uma engenharia e empresas de construção bastante competentes, portanto ela abre também espaço para exportação de equipamentos, bens de capital, exportação de máquinas e exportação de serviços de engenharia e de construção”, disse.

Do encontro dos bancos, também resultará um memorando de entendimento de cooperação na área da inovação tecnológica. Ainda de acordo com o presidente do BNDES, os países dos Brics têm uma diversidade de tecnologias, o que propicia a complementariedade. Espera-se fomentar essa cooperação inclusive entre as empresas dos cinco países.

Quarta-feira, 2 de julho de 2014 às 21:47

Quebrando Mitos: O Brasil todo está lucrando com a Copa do Mundo

Mitos_copa-04

Copa 2014

Um dos saldos da Copa do Mundo no Brasil é o valor de R$ 142 milhões injetados na economia entre 2010 e 2014. E a escolha das 12 cidades-sedes não foi à toa: o objetivo é espalhar a riqueza para todas as regiões, com desenvolvimento para comercio, indústria e serviços.

A Fundação de Estudos e Pesquisas Econômicas (Fipe), ligada à USP, apontou que, dos R$ 9,7 bilhões gerados durante a Copa das Confederações, 51% se difundiram por todo o pais, enquanto 49% ficaram concentrados nas seis cidades que receberam o torneio. Já o Mundial tem potencial de retorno mais de três vezes maior.

Mais de 3,6 milhões de pessoas estão circulando pelo Brasil, o dobro em comparação à Copa do Mundo na África do Sul (2010). Apenas com visitantes, o país terá retorno de, no mínimo, R$ 25 bilhões. Esse valor quita gastos do governo federal em infraestrutura, mobilidade urbana e segurança feitos para receber o evento e que ficarão como legado para população ao término dele.

Na empregabilidade, o setor de Turismo ofereceu, sozinho, mais de 48 mil oportunidades de trabalho. Outras 50 mil vagas foram criadas para execução das obras nos estádios. Esses são exemplos de fatores essenciais para que o Brasil possa seguir mantendo as menores taxas de desemprego de sua história.

Tweets

Instagram

Por e-mail

Receba os artigos do Blog do Planalto diariamente por e-mail preenchendo os campos abaixo:

Digite o seu e-mail:


Um e-mail de confirmação do FeedBurner&trade será enviado para você! Confirme no link que será enviado para o seu e-mail para receber os últimos artigos do Blog do Planalto.

-